Varzim-FC Porto: potencial diferente, ambição idêntica

Julen Lopetegui não fala em favoritismo e garante que todos os jogadores estão preparados. Anfitriões sem “nada a perder”.

Foto

Em seis tentativas, nunca o Varzim conseguiu puxar o tapete ao FC Porto na Taça de Portugal.

Nesta noite (20h15, SP-TV1), os poveiros vão tentar novamente, pela terceira vez no seu estádio, afastar os “dragões” do caminho que conduz ao Jamor, num duelo que terá casa cheia e um protagonista especial. André André, um dos motores do meio-campo “azul e branco”, mede agora forças com o clube no qual cumpriu as etapas de formação.

O internacional português, de resto, deve ter ajudado Julen Lopetegui a antecipar o que irá encontrar hoje. O treinador do FC Porto falou ontem,
em conferência de imprensa, num adversário “com alma, personalidade, história e adeptos fervorosos”. “Temos de equivaler-nos ao
Varzim na ambição e na vontade de vencer para conseguirmos a vitória”, alertou o espanhol, no Olival.

Para Lopetegui, é pouco relevante a diferença na valia dos plantéis e o fosso competitivo que existe entre as duas equipas — o Varzim só neste ano regressou às competições profissionais. A abordagem ao jogo, insiste o técnico dos “dragões”, deve ser feita com seriedade e concentração total. “Nunca perdemos tempo a pensar em favoritismos e este jogo tem as suas próprias dificuldades, não só pelo adversário que teremos pela frente, mas pela própria competição. Para conseguirmos superar as dificuldades que esperamos, temos de colocar no jogo todas as nossas virtudes nos momentos certos”, apontou.

Nesse sentido, e embora tenha feito algumas mudanças importantes na convocatória, Julen Lopetegui desvaloriza a perspectiva de dar mais minutos a jogadores com menor índice de utilização: “Qualquer jogador do FC Porto pode jogar a qualquer momento. Felizmente, todos voltaram em boas condições das selecções, apesar do cansaço devido aos jogos e às viagens”.

As principais mudanças no “onze” deverão ser operadas no sector mais recuado, até porque só foram convocados quatro defesas entre
os 18 eleitos: Layún, Martins Indi, Lichnovsky e Cissokho. Nada que dê ao Varzim a sensação de um menor grau de dificuldade no encontro. “O FC Porto não tem jogadores fracos e, independentemente de jogar A, B ou C, todos vão querer aproveitar a oportunidade e mostrar-se ao treinador”, aponta Quim Berto, o técnico dos “alvinegros”, completando: “Não há segundas linhas no FC Porto. Sei que vão entrar com um onze muito forte”.

O 16.º classificado da II Liga, que há cerca de duas semanas foi goleado no terreno do FC Porto B para o campeonato (4-0), não pretende
alterar a matriz de jogo, apesar do poderio do adversário. “A estratégia é sermos iguais a nós próprios, sabendo que vamos defrontar uma
grande equipa, uma das melhores da Europa, mas não temos nada a perder, só a ganhar. É com esse espírito que vamos entrar em campo”,
assegura Quim Berto.