Três deputados para PSD/CDS na emigração, um para o PS

Mantém-se a distribuição de 2011 nos quatro mandatos dos dois círculos da emigração. A novidade é a votação arrasadora do Nós, Cidadãos! na China, que obteve 81,4% dos votos daquele consulado - e que admite impugnar a eleição. A abstenção atingiu novo recorde: 88,5%.

O apuramento dos votos dos emigrantes foi feito esta quarta-feira em Lisboa.
Foto
O apuramento dos votos dos emigrantes foi feito esta quarta-feira em Lisboa. Rui Gaudêncio

Estão apurados os quatro mandatos que faltavam dos círculos da emigração - e fica tudo na mesma. Na Europa, a coligação Portugal à Frente (PaF), com 39,1%, e o PS, com 29,88%, elegeram um deputado cada um. No círculo do resto do mundo, PSD/CDS voltaram a conseguir os dois mandatos (48,5%), mas com o partido Nós, Cidadãos! muito perto - terá ficado a menos de 400 votos de roubar um deputado à coligação.

O Nós, Cidadãos! revelou-se a surpresa das eleições no estrangeiro, pulverizando os restantes partidos no consulado da China, e conseguindo mesmo, no círculo Fora da Europa (17,9%) ultrapassar o PS (10,8%). O partido, liderado por Mendo Castro Henriques e que teve como cabeça de lista no círculo fora da Europa o emigrante português em Macau José Pereira Coutinho, conseguiu na China 2532 votos, contra os 214 da coligação PSD/CDS e 97 do PS.

Na China, Macau e Hong Kong, o partido liderado por Mendo Castro Henriques, mas que tem como cabeça de lista no círculo fora da Europa o emigrante português em Macau José Pereira Coutinho, conseguiu 2532 votos, contra os 214 da coligação PSD/CDS, 97 do PS, 30 do BE, 27 da CDU e 17 do Livre/Tempo de Avançar.

Acabou por ultrapassar o PS e ficar a 400 votos de conseguir roubar um deputado à coligação no total do círculo Fora da Europa, contou ao PÚBLICO Mendo Castro Henriques, presidente do partido.

Na Europa, a PaF reelegeu Carlos Gonçalves, e PS Paulo Pisco; no círculo Fora da Europa, a coligação conseguiu os mandatos para José Cesário e Carlos Páscoa Gonçalves - nas eleições de 2011, José Cesário acabou ser nomeado secretário de Estado das Comunidades e Maria João Ávila entrou no Parlamento.

Impugnação à vista
Apesar do bom resultado para um partido estreante, o Nós, Cidadãos! está quase decidido a pedir a impugnação das eleições junto do Tribunal Constitucional devido a “irregularidades” que encontrou no processo eleitoral. Pela lei só o pode fazer até ao final de quinta-feira, dia 15. “Estamos muito inclinados para o fazer e isso vem na sequência da queixa e das reclamações que fizemos junto da CNE antes e durante a campanha eleitoral e às quais tivemos respostas evasivas”, disse ao PÚBLICO Mendo Castro Henriques.

“No consulado da China há 8294 portugueses recenseados na sua grande maioria em Macau; só foram enviados 7000 boletins de voto, os correios de Macau tiveram 5000 pedidos de levantamento e só foram enviados para Lisboa 3100. Muitos ficaram pelo caminho e não sabemos se por abstenção ou perdidos”, descreve. E acrescenta que os boletins chegaram mais de dez dias depois do início do prazo. O cabeça de lista, por exemplo, que reside em Macau, só recebeu o boletim de voto depois de reclamar que não recebera e chegou apenas a 29 de Setembro, quando deveria ter chegado a 17, conta Mendo Castro Henriques.

“Associamos isto à privatização dos CTT, que fizeram envelopes de retorno dos votos sem a indicação de destino Portugal [só tinha o código postal de Lisboa], e andaram a enviar os votos aos poucos", afirma Mendo Castro Henriques. "Os milhares de portugueses pelo mundo não podem ser tratados como sendo de segunda", critica o responsável do Nós, Cidadãos!.

Jorge Miguéis, secretário-geral adjunto da Administração Eleitoral justifica com as falhas com as mudanças de morada não comunicadas ao recenseamento, admite que houve um “lapso” na questão dos envelopes mas diz que estes têm leitura óptica que identificava sempre Portugal como destino - e exemplifica com os 41 mil que vieram devolvidos. O que é preciso, diz, é reforçar as campanhas de apelo ao voto.

Se for pedida a impugnação esta quarta-feira para o Tribunal Constitucional, poderá estar em risco a publicação dos mapas dos resultados oficiais em Diário da República num prazo de três dias, como manda a lei, fazendo adiar a entrada em funcionamento da nova Assembleia da República.

Mas a eventual impugnação dos resultados pelo Nós, Cidadãos! não é a única polémica. O deputado socialista Paulo Pisco pediu que seja investigada a votação "atípica" do Nós, Cidadãos! em Macau, onde obteve 1237 votos contra 57 da coligação Portugal à Frente e 41 do PS. "Houve uma votação atípica na mesa 16 e algo não bate certo, pelo que deve ser investigado”, disse à Lusa Paulo Pisco.

Com o apuramento dos votos da emigração, PSD e CDS (38,36%) ficam com 107 deputados, o PS (32,31%) tem 86 mandatos, o Bloco (10,19%) elegeu 19, PCP e PEV (8,25%) conseguiram 17, e PAN (1,39%) um.

A abstenção nos círculos da Europa e fora da Europa atingiu novo recorde: 88,5%.