Opinião

Um xanax para a direita

O que se perde hoje recupera-se amanhã – e com juros.

A possibilidade de António Costa vir a encabeçar uma frente de esquerda está a pôr a direita à beira de um ataque de nervos, e nem sempre por boas razões. Claro que existem excelentes motivos para temer que um governo demasiado à esquerda deite pela janela fora o esforço de quatro anos de austeridade e ajustamento. Mas uma coisa é denunciar a estupidez política dessa opção – outra coisa, bem diferente, é pôr em causa a sua legitimidade democrática.

A quantidade de textos e declarações que andam por aí a queixar-se de que António Costa está a preparar um golpe de Estado toca as raias do absurdo. Em primeiro lugar, porque se a direita se mostrar incapaz de formar um governo estável é perfeitamente legítimo a esquerda avançar com uma alternativa. Temos um sistema parlamentar, elegemos deputados e não primeiros-ministros, e o que não falta pela Europa fora são exemplos de países governados por coligações de partidos derrotados nas urnas.

Em segundo lugar, porque não podemos andar a queixar-nos há décadas das deficiências do nosso sistema partidário, que em 40 anos de democracia nunca foi capaz de produzir uma coligação à esquerda, e agora, mal se esboça uma vaguíssima hipótese de ela existir, parece que afinal não pode ser. Ou bem que se quer que o sistema mude, ou bem que não se quer. Os programas de PCP e Bloco são inapresentáveis dentro do actual quadro da União Europeia? Com certeza que são. Mas o privilégio de mentir aos eleitores e incumprir promessas não pode ser um exclusivo de PSD, CDS e PS.

Em terceiro lugar, ninguém pode honestamente argumentar que António Costa não tenha dito ao que vinha. Durante a campanha eleitoral, o homem afirmou claramente que chumbaria um orçamento de direita e um governo minoritário da coligação, e foi acusado por toda a gente de perigosa deriva esquerdista. Onde raio está, então, a surpresa? Deixem-me citar Paulo Portas: “António Costa tem apenas um desígnio: conseguir uma maioria negativa que não é capaz de governar, porque PS, PC e Bloco não se entendem sobre questões essenciais, mas que tem como único fito impedir que quem o povo escolhe governe.” Quando é que Portas disse isto? Ontem? Anteontem? Não, disse-o a 26 de Setembro, oito dias antes das eleições legislativas.

É por tudo isto que a conversa do golpe de Estado é um disparate – até porque quanto mais a direita se queixa, mais fortalecida fica a posição de António Costa. Que um eleitor do PS se sinta enganado, eu percebo. Que um eleitor da coligação se sinta na obrigação de explicar a um eleitor do PS que ele foi enganado, já me custa perceber. O trabalho sujo de crítica à união de esquerdas deve ser feito pela direita socialista – como, aliás, já está a acontecer. A direita não-socialista tem mais é de adoptar a pose abonançada de Pedro Passos Coelho e deixar-se de gritinhos histéricos.

Além de não estarmos em 1975, a possibilidade de Costa chegar a um acordo de viabilização parlamentar com a sua esquerda continua a ser tudo menos óbvia – Bloco e PCP teriam de votar a favor de um orçamento de Estado socialista, o que me custa francamente a acreditar. Mas mesmo que por um milagre das rosas António Costa consiga chegar a primeiro-ministro, a probabilidade de a coligação estar de novo com uma maioria absoluta dentro de sete ou oito meses é tão alta que o negócio pode ter as suas vantagens. O que se perde hoje recupera-se amanhã – e com juros.