Viajar de ou para Beja de comboio transformou-se num calvário

Comunidade alentejana perdeu o acesso directo ao Intercidades e ganhou uma automotora “carrancuda” que soma avarias e acrescenta desconforto e incumprimento dos horários.

Apoiada no novo Código do Trabalho, a Refer informou de que a parir de 1 de Agosto, seriam suspensas as regras do pagamento do trabalho extraordinário
Foto
Apoiada no novo Código do Trabalho, a Refer informou de que a parir de 1 de Agosto, seriam suspensas as regras do pagamento do trabalho extraordinário Foto: Luís Po

Gabriel Gaitinha chegou à estação Oriente, carregado de malas, vindo de Coimbra na viatura de um amigo. O cansaço era muito e estava ansioso por estender as pernas na viagem para Beja. “No comboio não vou tão atravancado como nos autocarros” comentou ao PÚBLICO dias depois da viagem que, jura agora, tão cedo não vai repetir. A viagem ferroviária de e até à cidade alentejana é, desde a suspensão da ligação directa, um autêntico calvário.

O Intercidades com destino a Évora e Beja partia às 19h. “Não havia um lugar vago”, recorda Gabriel Gaitinha. Com 20 minutos de atraso, a composição inicia a marcha. O ambiente lembrou ao passageiro vindo de Coimbra as quadras do “Comboio descendente” que Fernando Pessoa escreveu e José Afonso musicou. “(…) Vinha tudo à gargalhada/ Uns por verem rir os outros/E outros sem ser por nada.”

Gaitinha olhou de uma ponta à outra da carruagem e reparou que existia “alegria, gargalhadas, entusiasmo…” Era sexta-feira e, por este facto, o número de jovens que frequentam o ensino universitário e rumavam a casa no fim-de-semana, marcava o ambiente de boa disposição e de alguma ansiedade. As crianças, animadas, oram riam ora faziam birras, mas ninguém comentava o atraso de 20 minutos na partida.

Após cerca de hora e meia de viagem, a composição parou na estação de Casa Branca. “Faltavam 10 minutos para as 21h”, recorda Gabriel Gaitinha. Os passageiros com destino a Beja fazem aqui o transbordo para o comboio regional, uma contrariedade que acontece, desde 2011, altura em que a CP suspendeu o Intercidades directo para a capital do Baixo Alentejo.

António Marques Colaço, outro dos passageiros com destino a Beja, sublinhou as dificuldades das famílias com filhos “carregadas de malas, sacos e embrulhos”. Imagina o que será o transbordo nos dias de chuva ou sol intenso já que não há resguardo adequado na estação de Casa Branca.

Descreve o que aconteceu a seguir. “O comboio não pegava. Meteram-se debaixo da máquina e, porrada daqui, porrada dali, mesmo assim não o punham a andar”. Os passageiros começam a revelar alguma incomodidade. Até que sentem um puxão forte e o regional retomou a marcha. A calma regressa. Poucos quilómetros andados, a composição parou novamente no meio de nada.

Houve-se um assoprar forte, que pareceu de ar comprimido. Alguém comentou: “Isto ainda vai rebentar”. Uns riem, outros resmungam “e o revisor, coitado, que também faz de mecânico, atravessou o interior da carruagem desfraldado, limpando a cara dos sinais de esforço”, observou Marques Colaço.

Quando os sinais de impaciência já se começavam a revelar, a composição retoma a marcha, para voltar a parar mais adiante. Gabriel Gaitinha regressa a Fernando Pessoa. “Enquanto na primeira parte do poema existe boa disposição, alegria… a terceira estrofe denota o estado de alma de pessoas cansadas, resignadas: “Mas que grande reinação! /Uns dormindo, outros com sono/ E outros nem sim nem não”.

Com uma hora de atraso, o comboio regional entra finalmente na gare da estação de Beja. A mole humana bloqueia a porta de saída. O cansaço, revelador da tensão acabada de viver, é superado pelo reencontro familiar, os beijos e os abraços misturados com a pergunta quase unânime: “Então, o que é que aconteceu?”

O episódio retratado é apenas mais um entre muitos que acontecem desde 2011, data da suspensão do Intercidades directo de e para Beja. Em forma de compensação, a prometeu novas automotoras, “modernizadas”, com um conforto “equivalente” aos comboios Intercidades, prometendo até que a viagem entre Lisboa e Beja “irá durar menos quatro a cinco minutos”.

Acontece que os atrasos na partida e na chegada a Beja têm sido uma constante. Mas este não é o único problema a justificar os protestos crescentes da população: São vários os comboios que partem sem que a bilheteira esteja aberta, o que obriga os passageiros a comprar bilhete quando chegam à Estação Oriente, em Lisboa.

Florival Baioa, membro do movimento “Beja Merece” que reivindica o regresso do Intercidades e a electrificação da linha ferroviária entre Casa Branca e Beja, garante que “há passageiros a utilizar o Intercidades sem pagar bilhete porque não têm como poder fazê-lo”. E acusa a CP de, com este comportamento, ter um propósito: “Acabar com a ligação ferroviária”.

A empresa colocou em Beja uma automotora “carrancuda” que “avaria com frequência”, critica Baioa, destacando o enorme caudal de queixas que recebe das pessoas afectadas pelos atrasos “constantes” deste transporte.

Uma exposição apresentada em Maio de 2014 pela concelhia de Beja do PS à administração da CP referia queas composições têm avarias frequentes, motivando atrasos de algum significado, não têm ar condicionado ou, tendo, o mesmo estará frequentemente avariado, notando-se a sua total ausência sobretudo nos tórridos períodos de Verão. As temperaturas no interior das composições que circulam, sobretudo da parte da tarde, são, frequentemente, próximo do insuportável.”

Na resposta, a CP assumiu que não existiam "condições a curto e a médio prazo para substituir ou melhorar o material circulante que liga Beja a Casa Branca e vice-versa”.

O PÚBLICO solicitou à empresa Infra-estruturas de Portugal esclarecimentos sobre o estado actual das ligações ferroviárias de e para Beja, mas esta entidade alegou que competiria à CP fazê-lo, mas esta escusou-se a responder às perguntas formuladas.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações