O Porto tem três novas livrarias e todas elas são diferentes

Um projecto independente de dois jovens livreiros, uma livraria no Mercado Bom Sucesso e uma livraria de mulheres que existe graças a uma campanha de crowdfunding. Estas são três novas alternativas para combater a concentração de editoras.

Fotogaleria
Flâneur RICARDO CASTELO/NFACTOS FERNANDO VELUDO/NFACTOS
Fotogaleria
Livraria do Mercado nFactos/Fernando Veludo
Fotogaleria
Confraria Vermelha - Livraria de Mulheres nFactos/Fernando Veludo

Há um poema de Manuel António Pina em cima da mesa, ao lado de scones, biscoitos e sumo de laranja natural. Pina Bausch também anda por aqui, através da música da banda-sonora de Pina, o filme de Wim Wenders sobre a incontornável coreógrafa e bailarina alemã. É sábado, início de tarde de início de Outono, e faz-se um Pina brunch na livraria Flâneur. Mas nem o cheiro a scones com compota de morango distrai do essencial: os livros. As prateleiras revelam uma óptima selecção de escritores, entre eles Elena Ferrante, Herberto Helder, Afonso Cruz, Svetlana Alexievich – a nova Nobel da Literatura –, Karl Ove Knausgård, Walter Benjamin, Slavoj Žižek, Jacques Derrida, Max Horkheimer e outros autores que incitam ao cada vez mais necessário sobressalto intelectual e político.

A Flâneur fica na Rua Ribeiro de Sousa (Constituição), num espaço que era uma das divisões de um antigo palacete. Abriu portas a 26 de Setembro pelas mãos de dois jovens livreiros, Cátia Monteiro e Arnaldo Vila Pouca. Uns dias antes, inaugurou a Livraria do Mercado, no Mercado Bom Sucesso, iniciativa da editora Calendário de Letras, que aqui aposta sobretudo nos fundos editoriais. Por esta altura, surgiu também a Confraria Vermelha - Livraria de Mulheres, na Rua dos Bragas, um projecto feminista de Aida Suárez.

Abriram, portanto, três novas livrarias no Porto num período de um mês. Ocorrência invulgar num mercado de forte concentração de editoras e de canais de distribuição dominado pelas grandes cadeias livreiras, que asfixiam as pequenas e médias livrarias e dificultam o seu aparecimento. Ocorrência invulgar numa cidade invadida semanalmente por bares e restaurantes.

Apesar de se registarem alguns casos positivos – como a abertura, em 2012, da Livraria da Culturgest, ou, no ano passado, da Circo de Ideias, livraria localizada no Bairro da Bouça, projectado por Álvaro Siza – a crise já veio à tona diversas vezes. Nos últimos anos foram fechando várias livrarias tradicionais e independentes, sobretudo no centro da cidade, enquanto outras foram transformadas em bares ou em restaurantes (Candelabro, Casa do Livro, Livraria Aviz, Fernando Machado), onde os livros que restam servem apenas como objectos de decoração vintage. Outras, ainda, passaram para a mão dos grandes grupos, como aconteceu com a Latina, comprada pela LeYa.

“Dado o contexto actual, não poderia deixar de ficar muito satisfeito com a notícia destas três aberturas”, diz ao PÚBLICO João Alvim, presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL). “O livreiro mais tradicional tem uma capacidade para inovar e para servir o cliente de uma maneira personalizada que os grandes grupos não têm”, assinala.

E isso aplica-se à Flâneur. Cátia Monteiro, 27 anos, e Arnaldo Vila Pouca, 38, sabem que não podem competir com a Fnac ou a Bertrand e sabem que não vivem numa cidade privilegiada como Nova Iorque, onde as livrarias independentes cresceram 20% entre 2009 e 2014, dados avançados pela revista online Slate. Mas sabem aquilo que os distingue pela positiva: a selecção cuidada e com cunho pessoal de obras, autores e editoras, o contacto humano, a disponibilidade para “partilhar, aprender e ensinar” e “não ter de obedecer às regras do mercado”.

Foram, aliás, as pessoas, e não os bancos, que permitiram fazer nascer este projecto. Cátia e Arnaldo trabalhavam na Bertrand do Shopping Bom Sucesso, onde conseguiram reunir, apesar das constantes pressões, uma base de clientes e amigos. Na fase embrionária da Flâneur, quando era uma página de Facebook e uma livraria ambulante a bordo de uma bicicleta, foram criando “uma família de leitores”. Já com o projecto da livraria física em recta final, a presença num stand da Feira do Livro do Porto, em Setembro, foi “muito importante” para angariar mais militantes para a campanha Amigos da Flâneur. “É uma espécie de crowdfunding em que em troco de uma anuidade de 12 euros o cliente pode usufruir de um desconto de 5% em todas as compras e da oferta de um livro ou de um lanche por ano. Tem tido bastante adesão”, explica Cátia Monteiro.

O livro não é o suficiente
Cátia e Arnaldo podem gabar-se de ter uma boa selecção de livros na loja. É uma livraria generalista, mas “em que cada livro é especial e escolhido a dedo”. O destaque vai para a literatura, filosofia/sociologia, crítica cultural, arte e literatura infantil, com editoras como a Sistema Solar, Antígona, Relógio D’Água e Orfeu Negro. Têm títulos de Herberto Helder que já estão esgotados nas grandes livrarias, têm várias obras do filósofo Jacques Derrida traduzidas em português, coisa rara, e pequenas editoras mais obscuras, como a Averno ou a Chão da Feira.

Concordam com a nova regulamentação da Lei do Preço Fixo do Livro, que proíbe a venda de títulos que tenham menos de 18 meses com um desconto superior a 10% do preço de capa, pois as livrarias independentes são totalmente incapazes de praticar os descontos sumarentos oferecidos pelos grandes grupos. Mas sabem que isto, e ter bons livros, não chega. E por isso, “para aguentarem o projecto e ir ao encontro das pessoas”, precisam de ter outros serviços. Precisam de se reinventar, sem perderem a identidade e a individualidade, o que tem sido um desafio para muitos espaços independentes aqui e lá fora.

Têm uma cafetaria; servem brunches temáticos aos fins-de-semana, ligados à literatura; vendem DVDs; organizam noites de poesia, quizzes literários, conversas com escritores e ensaístas, aulas de ioga e actividades para crianças; têm um serviço de leituras ao domicílio. “Acredito que há público para as livrarias mas é preciso tirar as pessoas dos shoppings. Desafiá-las, de maneiras diferentes, a mudarem de roteiro e não irem sempre às mesmas livrarias”, aponta Arnaldo Vila Pouca.

Tal como a Flâneur, a Confraria Vermelha - Livraria de Mulheres não se faz só de livros. “É um espaço onde as mulheres se podem encontrar e conviver. Ter um quarto próprio, como dizia Virginia Woolf”, revela Aida Suárez, 34 anos, a ideóloga deste projecto inspirado nas livrarias de mulheres existentes noutros países – e que só conseguiu materializar-se graças à boa vontade e ao interesse das pessoas. Aida lançou uma campanha de crowdfunding e recolheu 10 mil euros. De conhecidos e, sobretudo, de desconhecidos.

Neste espaço na Rua dos Bragas (Cedofeita), ainda em montagem mas já com as portas abertas (a festa de inauguração oficial é dia 30 de Outubro, pelas 18h) promovem-se workshops ligados à saúde e à sexualidade da mulher, visionamento de filmes, lançamentos de livros, tertúlias. Há um grupo de leitura bimensal e uma pequena biblioteca com livros usados.

Na livraria propriamente dita entra a ficção (encontra-se por aqui a escritora e feminista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie), poesia, teoria queer (destaque para os ensaios de Beatriz/Paul Preciado e Judith Butler), arte, saúde, política, sociologia, filosofia, literatura japonesa. Tudo com perspectiva de género. “O filtro é o livro não ser sexista nem misógino. Pode ser escrito por uma mulher ou por um homem”, afirma Aida, reforçando a ideia de que esta livraria também é para homens. O que se pretende é um feminismo inclusivo e “diverso”.

Bastante diferente dos exemplos anteriores é a Livraria do Mercado. Fica no Mercado Bom Sucesso e foi concebida pela editora Calendário de Letras, que já tem algum currículo no sector. É um projecto apoiado numa lógica comercial e com um catálogo mais convencional. Apesar de ter livros novos, aposta sobretudo nos fundos editoriais – ou seja, em livros com mais de 18 meses que muitas vezes já não se encontram nas principais livrarias – e nos descontos.

“Aqui 90% dos livros têm descontos superiores a 50%”, diz Francisco Madruga, 58 anos, um dos timoneiros da Calendário de Letras. A livraria é um open space, que funciona como se fosse um corredor do mercado, “o que permite uma circulação espontânea das pessoas”. Vêem-se muitos romances, obras sobre o Porto, edições de arte, guias de viagens, livros de gastronomia.

Se os responsáveis da Flâneur querem tirar as pessoas dos shoppings, Madruga quer ir lá ter com elas. Tem mais duas livrarias, uma no Via Catarina e outra no The Style Outlets, em Vila do Conde. E agora está no renovado Mercado Bom Sucesso, transformado numa praça da alimentação ‘gourmetizada’ não muito longe do modelo de centro comercial. “Hoje em dia é muito mais cómodo estacionar o carro no parque, ir fazer compras e comer”, justifica Madruga. No novo espaço, pretende também investir “numa programação cultural”. Já está confirmado o primeiro Mercado Ibérico do Livro, entre Novembro e Dezembro.

Diferentes entre si, cada uma destas novas livrarias procura, à sua maneira, encontrar um lugar num mercado movediço e acidentado. No caso da Flâneur e da Livraria de Mulheres, fica a prova de que ainda há pessoas que querem livrarias e que estão dispostas a ajudá-las. Resgatando e adaptando as palavras do saudoso editor Vitor Silva Tavares (1937-2015), proferidas em 2013 a propósito da luta pela sobrevivência da Livraria Sá da Costa, é “bonito” ver isto a acontecer “num tempo de indiferentismo, de apatia, do espectáculo”.