António Costa: “Manifestamente não me vou demitir”

Líder do PS recusa fazer parte de uma “maioria negativa”, mas também não vai viabilizar políticas contrárias ao programa socialista.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

“Manifestamente não me vou demitir”, disse taxativamente o líder socialista ainda antes das 23 horas, já depois de colocar sobre a coligação de direita o “ónus” de “criar condições de governabilidade”. Dito isto, acrescentou que “ninguém pode contar com o PS para viabilizar as políticas contrárias às do PS”, a saber, logo à cabeça, o “virar da página na política austeridade”.

O líder socialista sublinhou ainda que PSD e CDS perderam a maioria que tinham no Parlamento e defendeu que isso "constitui um novo quadro político".

António Costa disse que não votará a rejeição do programa de Governo, se não tiver uma alternativa de Governo que dê estabilidade. Um piscar de olhos à sua esquerda, sugerindo um eventual governo de coligação na sequência da rejeição do programa de governo.

O líder do PS salientou ainda que o seu partido "será inteiramente fiel aos compromissos que assumiu perante os portugueses". 

Dirigentes seguristas avançam para disputa interna
Dois ex-membros do secretariado de António José Seguro assumiram este domingo o desafio à liderança do PS. Ladeado por Eurico Brilhante Dias, o médico Álvaro Beleza foi claro sobre as suas pretensões. “Não se pode disputar um partido depois de uma vitória por poucos e depois de uma derrota clara não haver assunção de responsabilidades e clarificação”.

Traduzida, esta declaração significa que este gruupo de socialistas tenciona avançar com a convocação de um congresso extraordinário.