Montras de Aveiro vão encher-se de bicicletas

Uma colaboração entre entidades aveirenses desafia os comerciantes da cidade a porem as bicicletas na montra.

A autarquia investiu 354 mil euros neste projecto em defesa das deslocações em modo suave
Foto
A autarquia investiu 354 mil euros neste projecto em defesa das deslocações em modo suave Daniel Rocha

As lojas da cidade de Aveiro vão ter bicicletas nas suas montras. Esta é, pelo menos, a expectativa da Ciclaveiro, que em parceria com outras entidades da região lança um concurso de montras cujo objectivo é homenagear a importância da bicicleta enquanto veículo de distribuição, de comércio e de deslocação na cidade.

Qualquer comerciante poderá participar, tendo de decorar a montra do seu estabelecimento com elementos que remetam para o uso da bicicleta e enviar ou solicitar o registo fotográfico da mesma para as entidades do concurso. Para se tornarem candidatos elegíveis os comerciantes não poderão retirar a decoração até ao final do concurso, que decorre até dia 21 de Outubro.

Em comunicado, Rui Igreja, da Ciclaveiro, reforça que “o objectivo é dar visibilidade à bicicleta, incentivando o seu uso como forma de deslocação eficaz na cidade e na região”. Assim, pretendem estimular a sua “adopção em hábitos rotineiros, como uma ida às compras ou na actividade profissional”, remata.

Esta iniciativa, que surge no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade, é uma parceria entre a Ciclaveiro, a Associação Comercial do Distrito de Aveiro, o Diário de Aveiro e a associação Corda (Comércio da Rua Direita e Adjacentes de Aveiro), que terão representantes no júri do concurso. Ao jornal regional caberá também uma reportagem acerca do estabelecimento vencedor, que terá assim o seu comércio promovido.

O concurso decorre até ao próximo dia 21 de Outubro mas as inscrições apenas poderão ser feitas até dia 14. Os resultados estão previstos para dia 5 de Novembro e o vencedor terá também direito a um certificado da 1ª edição do concurso de montras sobre mobilidade de bicicleta. 

Texto editado por Ana Fernandes