O trabalho deles é fotografar arquitectura

João Morgado, José Campos, Fernando Guerra, Ivo Tavares e Luís Ferreira Alves viajam pelo país e pelo mundo para fotografar arquitectura. Ficam sozinhos com a obra, estudam-na sem a máquina e depois retratam-na, sempre à procura de novas perspectivas (e aqui entram, também, os drones). Ser fotógrafo de arquitectura é uma profissão com saída em Portugal

Foto
P3

João Morgado

“A minha base é o meu carro”, garante ao P3 João Morgado, 30 anos, fotógrafo de arquitectura desde 2007. Começou “por acaso”, ainda durante o curso de arquitectura — profissão que nunca chegou a exercer — e agora já conta com quase 600 reportagens fotográficas no currículo. É em viagem, de Sever do Vouga para o Porto, onde vive, que Morgado fala da recente distinção da publicação “Top Teny”, que o incluiu na lista dos 10 melhores fotógrafos de arquitectura do mundo. Estão lá as imagens tiradas do ar, com recurso a drones, da Piscina das Marés em Leça da Palmeira (de Álvaro Siza Vieira) e do Parque Tecnológico de Óbidos (de Jorge Mealha), dois trabalhos que o fotógrafo considera terem tido um “alcance diferente e especial”. Gosta de fotografar para mostrar ao público um edifício “o mais próximo possível da realidade”, sem romantizar ou “espectacularizar a obra”. O ideal é quando consegue surpreender o arquitecto com um novo ponto de vista, “sempre em trânsito” e a conhecer arquitectura nova. Bragança, Aveiro, Lagos e Sardenha, na Itália, são os próximos destinos.

José Campos

Foto
Casa do Rio (Menos é Mais Arquitectos) José Campos

Estudou arquitectura mas nunca foi arquitecto e a culpa é da fotografia. José Campos, 34 anos, prefere o prazer de fotografar um edifício a ter de o conceber. Procurar uma perspectiva nova em obras que demoraram anos a concluir é um desafio. Em 2012, em entrevista ao P3, considerava-se um “fotógrafo do mundo”, com um trabalho “muito solitário” que exige “dedicação contínua”. Tudo isso se mantém — sobretudo os “dias doentios”, em trânsito ou à espera do momento ideal para fotografar. O Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, na ilha açoriana de São Miguel, foi um dos edifícios que mais gostou de fotografar nos últimos tempos. Continua a trabalhar na Alemanha, como já tinha referido há três anos, mas Portugal é o melhor mercado (e onde não lhe falta trabalho, “felizmente”). Para breve está a divulgação das fotografias da Casa do Rio, a nova extensão do hotel Quinta do Vallado, no Douro.

Foto
Casa do OC em Monsaraz (projecto de paisagismo de Topiaris) João Morgado

Fernando Guerra

Foto
Projecto de Nelson Resende Ivo Tavares Studio

O “Archdaily” apelidou-o de “um dos mais proeminentes fotógrafos de arquitectura” quando viajou com os arquitectos Álvaro Siza e Carlos Castanheira pela Ásia, em 2014. Foi uma “viagem histórica”, contou Fernando Guerra ao P3, dois meses depois de ter regressado. “Tenho o melhor arquivo do Siza de sempre. (…) O lado pessoal, que eu consegui nos últimos anos, para mim não tem preço”, revelou na altura o fotógrafo de 45 anos. No site Últimas Reportagens, Guerra lista quase 900 reportagens, em 15 anos de trabalho a partir de Lisboa. Para Álvaro Siza há uma secção especial, onde consta o trabalho fotográfico do “Edifício sobre a água”, construído sobre um lago artificial em Huaian, na China. Mas há outros arquitectos de renome, portugueses e não só, cujas obras foram retratadas por Guerra: Manuel Graça Dias, Gonçalo Byrne, João Luís Carrilho da Graça, Paulo Mendes da Rocha, ARX Portugal, Mário Kogan e Zaha Hadid (só para mencionar alguns). “Entre os edifícios que fotografa não se percebe, exactamente, um juízo de valor sobre os conteúdos da arquitectura; antes um controle, ao nível das emoções, que busca homogeneizar todos os registos”, lê-se no site.

Foto
Loteamento e casas das Sete Cidades (Souto de Moura + Adriano Pimenta) Luís Ferreira Alves

Ivo Tavares

Foto
Edifício sobre a água (Álvaro Siza e Carlos Castanheira) Fernando Guerra|FG+SG

Estar sozinho com a obra é o que Ivo Tavares mais gosta na fotografia de arquitectura. “Só tens que controlar a luz, o resto está lá, é interpretação tua”, explica o jovem de Aveiro. “É como fotografar natureza morta, sozinho. Adoro.” Dedica-se a retratar edifícios há seis anos mas, ao contrário de muitos dos colegas, não tem formação em arquitectura mas sim em fotografia. A partir do Ivo Tavares Studio, em Aveiro, o foco são “empresas que criam materiais para arquitectura”. “A linguagem é a mesma, os clientes também, mas aumentamos o espectro da empresa para implementar mais pessoas”, diz. Ivo, de 30 anos, nunca fotografou uma obra de um arquitecto famoso — “por uma questão de opção”, sublinha. “Trabalho ao contrário, prefiro projectos pequenos, de arquitectos não tão conhecidos mas que me dão muito mais gozo.” Para breve está a reestruturação do Archmov, um projecto de vídeo de arquitectura que o P3 apresentou no final de 2012.

Luís Ferreira Alves

Há mais de 30 anos que Luís Ferreira Alves fotografa arquitectura. Começou por ser fotógrafo amador e foi o desafio de um amigo que o levou a olhar para a área como uma oportunidade. “Em poucos meses fui obrigado a decidir entre a minha sólida situação como responsável comercial de uma grande empresa pelo desafio, sem rede, da aventura fotográfica. Decidi por esta”, contou à versão brasileira do “Archdaily” em Fevereiro deste ano. A partir do Porto, Ferreira Alves trabalha com uma assistente e “quase exclusivamente em fotografia de arquitectura, institucional e do território”. Diz privilegiar “ a luz existente, mesmo quando coexistem diferentes fontes luminosas”, com especial destaque para as obras do Prémio Pritzker 2011, Eduardo Souto de Moura. O Edifício Cantareira, o Convento das Bernardas ou o Loteamento e casas das Sete Cidades são disso exemplo.