Pixabay
Foto
Pixabay

Uma rede social de poupança de energia

O Brain-e é uma plataforma online que dá ao utilizador conhecimento para reduzir o seu consumo de energia, de forma simples e interactiva

“O mercado da energia é um mercado em ebulição e, no entanto, marcado por um grande desconhecimento por parte dos consumidores”. Esta foi a ideia que deu origem ao Brain-e, uma plataforma inteligente de gestão de consumos de energia. “Poucos são os que sabem quanto consomem, o que consomem, quais os preços praticados pelo mercado ou como poupar”, afirma Luis Guerreiro, um dos jovens envolvidos no projecto.

O Brain-e recolhe informação de consumos energéticos disponíveis em formato digital e apresenta a informação aos utilizadores de forma simples e interactiva. Através da plataforma, os consumidores têm indicações de como podem poupar energia, informação sobre os preços praticados no mercado e as previsões de consumos e do potencial de produção de energia. “Podem ainda cooperar com amigos e vizinhos na gestão dos seus consumos, através de comunidades”, explica Luis.

Os gestos para a poupança de energia são simples: “lavar a roupa uma hora mais tarde que o normal, desligar a box durante a noite ou escolher o plano energético mais adequado à tipologia de consumo”, enumera Luis Guerreiro. O Brain-e pretende ser um facilitador na mudança de hábitos diários de consumo de energia, dotando o consumidor de informação que lhe permitirá uma monitorização dos seus consumos.

Este projecto pretende ainda criar comunidades de gestão de energia, lançando desafios para, em conjunto, reduzir os consumos de um determinado local. “O nosso projecto é inovador porque alia as funcionalidades de uma rede social interactiva a um algoritmo complexo de monitorização e previsão de consumos”, afirma Luis ao P3. “Esta é a única plataforma no mercado com a capacidade de se ligar a vários dispositivos para gerir de forma inteligente os consumos de energia”, continua.

O Brain-e é gratuito para os utilizadores, que podem assim economizar energia, poupar dinheiro e contribuir para uma redução das emissões de CO2.

Já passaram dois anos e meio desde que a ideia para este projecto surgiu, várias concepções para a plataforma e vários modelos de negócio passaram pelas seis mentes da equipa – quatro engenheiros, um cientista social e uma “designer” - e o processo ainda não está finalizado, vários aspectos serão melhorados.

Neste momento, a equipa tem duas metas importantes: lançar uma versão 1.0 da plataforma, que possa ser testada por um número limitado de utilizadores e conseguir um parceiro comercializador de energia que pretenda inovar nos serviços que presta aos seus clientes.

“A maior dificuldade será o número limitado de dispositivos digitais que são capazes de ler os consumos energéticos, em Portugal. Daí estarmos a ponderar outros mercados a nível internacional, onde estes dispositivos são mais comuns”, revela Luis Guerreiro.

O Brain-e é um dos projectos semi-finalistas do 7º prémio EDP Inovação. Neste concurso, a EDP distingue projectos na área da inovação tecnológica ou negócios ligados a tecnologias limpas no sector da energia. Em Novembro, o vencedor receberá 50 mil euros.