Coligação de direita acima dos 40%, mas mantém-se o empate técnico

Eleitorado feminino prefere os socialistas, que reúnem mais simpatia entre os maiores de 55 anos.

Foto

Portugal à Frente (PaF) tem uma intenção de voto acima dos 40% na “tracking poll” da Intercampus para o PÚBLICO e a TVI. Os 753 entrevistados entre 18 e 20 de Setembro dão à coligação de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas 40,1% contra 37,1% do PS de António Costa. O erro máximo da amostragem, para um intervalo de confiança de 95%, é de 3,6%. Ou seja, a diferença entre as duas principais forças concorrentes às legislativas de 4 de Outubro está no intervalo de erro do estudo.

A coligação dá, assim, um passo simbólico ao virar a margem dos 40%, mas ainda pode estar longe da maioria absoluta. Recorde-se que, em 2005, José Sócrates teve a primeira maioria absoluta do PS com 45,3%.

Sondagem diária e comparação com a sondagem de Julho

Segundo esta projecção diária com distribuição de indecisos, entre os partidos que actualmente têm representação parlamentar a Coligação Democrática Unitária (CDU) do PCP com os Verdes, alcança 6,3 % seguida do Bloco de Esquerda com 4%. Outros partidos obterão 3,5% e os votos brancos e nulos totalizam 9%.

Embora a metodologia deste estudo seja diferente da utilizada nas sondagens – estas últimas decorrem em entrevistas presenciais com simulação de voto em urna -, enquanto na tracking poll o contacto é telefónico, a comparação do estudo desta segunda-feira com a sondagem da Intercampus publicada no PÚBLICO em 8 de Julho, revela uma subida acentuada da coligação PaF. De 32,7 para 40,1%, enquanto o PS se mantém nos 37%. Já a CDU e o Bloco baixam, respectivamente, de 11 para 6,3% e de seis para quatro por cento.

“Este é um estudo da observação diária das percepções dos portugueses a partir de uma amostra em permanente renovação”, explica António Salvador, director-geral da Intercampus ao PÚBLICO. Assim, se no estudo divulgado esta terça-feira foram considerados 753 entrevistados, na tracking poll de quarta-feira serão mil. A partir de então, serão retiradas 250 entrevistas e colocadas outras 250 num processo de actualização que pretende evitar a diluição da avaliação diária das intenções de voto, num processo sucessivo, mantendo, sempre, os mil entrevistados.

Este tipo de estudos, um exercício com longa tradição nos Estados Unidos e que ganha relevância num cenário de grande imprevisibilidade de resultados, será divulgado pelo PÚBLICO e TVI até 29 de Setembro. A 1 de Outubro, a três dias das eleições, será conhecida uma sondagem de simulação de voto em urna.

Em resultados absolutos, o estudo que divulgamos esta segunda-feira reserva à coligação governamental 30,3% e aos socialistas 28 por cento, enquanto 13 em cada cem dos inquiridos ainda não decidiram. Do mesmo modo, entre as novas formações que concorrem às legislativas de 4 de Outubro, o Partido Livre/Tempo de Avançar, liderado por Rui Tavares, e o o PCTP/MRPP de Garcia Pereira obtêm o mesmo resultado: a preferência, em termos absolutos, de três dos entrevistados (0,4%), aliás a mesma percentagem que o Partido Nacional Renovador.

A análise permitida pelo universo das 753 entrevistas, revela que o eleitorado feminino é mais adepto da mensagem dos socialistas do que do PAF: 30,9 contra 24%. A preferência do masculino vai, com uma diferença de 12 pontos (37,1 face a 24,9%), para a coligação de Passos e Portas.

Editorial: Teste aos humores do eleitorado

Por faixa etária, a mensagem dos socialistas é a preferida pelos eleitores de 55 e mais anos (31,8%) e tem uma representação idêntica de 25 pontos nos outros dois escalões considerados: 18 a 34 e 35 a 54 anos. Neste estudo e à esquerda, o mesmo fenómeno é identificado no comportamento do eleitorado da CDU, mais expressivo na faixa etária mais elevada, a de 55 e mais anos (6,6%), no que da dos 18 aos 34 (2,3%) ou de 35 a 54 anos, que é de 4,3%. Pelo contrário, o Bloco de Esquerda concentra os seus eleitores nas faixas etárias de 18 a 34 e 35 a 54, respectivamente quatro e 4,7%, sendo apenas de um ponto a preferência acima dos 55 anos.  

Por seu lado, a coligação do PSD e CDS-PP tem uma distribuição de eleitorado por idades mais equilibrada: 29,7 nas duas primeiras faixas (18 a 34 e 35 a 54 anos), e 31,1 acima dos 55 anos.

Por região, Passos Coelho e Paulo Portas têm os seus pontos fortes no Algarve e Centro (38,7 e 34,3%), seguidos do Norte, com 32,1. Lisboa é o seu ponto débil, com 24,2%, enquanto no Alentejo têm 24,5. Já o PS tem os seus melhores scores no Alentejo (35,8%) e Norte, com 28,6. Em Lisboa, obtém 27,8 e no Centro 26,5%, sendo o pior resultado considerado neste estudo o do Algarve: 19,4%. Comparando as duas principais forças, a coligação ganha a Norte, Centro e Algarve, enquanto os socialistas de António Costa lideram em Lisboa, com três pontos de vantagem, e no Alentejo.

Ficha técnica
Sondagem realizada pela Intercampus para TVI e PÚBLICO com o objectivo de conhecer a opinião dos portugueses sobre diversos temas da política nacional incluindo a intenção de voto para as próximas eleições legislativas de 2015. O universo é constituído pela população portuguesa, com 18 e mais anos de idade, eleitoralmente recenseada, residente em Portugal continental. A amostra é constituída por 753 entrevistas, recolhidas através de entrevista telefónica, através do sistema CATI (Computer Assisted Telephone Interviewing). Os lares foram seleccionados aleatoriamente a partir de uma matriz de estratificação que compreende a Região (NUTS II). Os respondentes foram seleccionados através do método de quotas, com base numa matriz que cruzou as variáveis Sexo e Idade (3 grupos).Os trabalhos de campo decorreram entre 18 e 20 de Setembro de 2015. O erro máximo de amostragem deste estudo, para um intervalo de confiança de 95%, é de ± 3,6%. A taxa de resposta obtida neste estudo foi de: 57,6%.