Tsipras consegue vitória surpreendente e mantém coligação com Gregos Independentes

Partido de Alexis Tsipras perde apenas um ponto percentual em relação ao que teve nas últimas eleições, muito mais do que lhe davam as sondagens.

Fotogaleria
Alexis Tsipras faz a festa com Panos Kamenos Reuters
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
AFP
Fotogaleria
AFP
Fotogaleria

Uma vitória muito maior do que o esperado: o Syriza, de Alexis Tsipras, venceu as eleições antecipadas na Grécia com uma grande margem sobre o seu rival conservador, a Nova Democracia. E renovará a coligação com o que foi o seu parceiro nos primeiros sete meses, o partido nacionalista e populista Gregos Independentes, deitando por terra a ideia feita antes das eleições de que o Partido Socialista (Pasok) e o partido pró-europeu To Potami (O Rio) entrariam em qualquer coligação, qualquer que fosse o vencedor.

Quando estavam contados mais de 60% dos votos, o Syriza aparecia com 35,5%, com apenas uma ligeira descida em relação ao que tinha obtido em Janeiro, 36,3%. “Os mesmos gregos que votaram em Tsipras para lutar contra o memorando votam agora nele para o concretizar”, comentava o analista Dimitris Rapidis do centro Bridging Europe, com sede em Atenas. A Nova Democracia tinha 28%, praticamente o mesmo do que em Janeiro (27,8%).

Havia quem não estivesse especialmente optimista: “Se gostam de capacidade técnica e capacidade de concretização, não devem ficar impressionados com o aparente regresso da coligação Syriza-Gregos Independentes”, comentava no Twitter o jornalista Nick Malkoutzis.

Tsipras falou aos seus apoiantes na praça Klafthmonos, congratulando-se com a “vitória clara”, uma “vitória do povo”. Os gregos escolheram “livrar-se de tudo o que nos impede de avançar”, declarou, “de todo o velho sistema”. Este foi um dos seus temas principais de campanha: escolher o Syriza seria lutar contra os partidos ligados a nepotismo e corrupção, a Nova Democracia e Pasok.

“Agradeço a Panos Kammenos e continuamos juntos”, declarou, perante a subida ao palco do líder do partido populista. “A partir de amanhã começamos o trabalho para mudar as relações na Europa”, disse ainda Tsipras. De Espanha, Pablo Iglésias, do partido anti-austeridade Podemos, que esteve em Atenas em apoio a Tsipras, deu os seus parabéns através de tweet.

Aparentemente, as maiores mudanças que trouxeram estas eleições são a saída de figuras da ala esquerda do Syriza (uma parte substancial protagonizou uma cisão do partido quando Tsipras marcou eleições, invocando o desacordo com a assinatura do acordo para o empréstimo), já que o partido de Panagiotis Lafazanis não terá conseguido ultrapassar os 3% necessários para representação parlamentar (isto se os resultados provisórios, que dão ao partido 2,8%, se confirmarem – À hora do fecho desta edição era uma margem com espaço para uma surpresa quando surgir a votação final). Isto inclui a potencial saída do Parlamento de Zoe Konstantopoulou.

Tsipras demitiu-se em Agosto, provocando eleições antecipadas, depois de perder a maioria parlamentar com a revolta da facção mais à esquerda do Syriza, que se recusou a votar um terceiro acordo com os credores, quando uma proposta semelhante tinha sido recusada num referendo com mais de 60% dos votos. O partido ficou debilitado depois destas saídas – uma facção inteira, 28 deputados, quase a totalidade da sua ala jovem, metade do comité central.

De notar ainda uma subida ligeira do partido neonazi Aurora Dourada (7% agora contra 6,9% em Janeiro) que se mantém o terceiro mais votado, apesar do seu líder, Nikolaos Michaloliakos, ter admitido “responsabilidade política” pela morte de um activista de esquerda, e a entrada do partido União dos Centristas, de Vasilis Leventis, um político que há décadas tenta entrar no Parlamento sem sucesso e é visto como uma figura cómica (com 3,4%).

O partido de Tsipras terá 145 deputados entre os 300 do Parlamento, e junto com os Gregos Independentes terá 155, segundo projecções baseadas nos resultados parciais. É uma margem relativamente reduzida. Com as mudanças profundas e difíceis que é necessário fazer para aplicar os termos do terceiro empréstimo de 86 mil milhões de euros para os próximos três anos, esperava-se um governo mais alargado. Mas este seria difícil com interesses contraditórios e prováveis exigências, além de que o Syriza não se queria aliar com o Pasok, que representa o velho sistema contra quem se insurge, nem com o Potami, que vê como neoliberais e comprometidos com a oligarquia dos media.

Durante a campanha, pensava-se que o mais provável era que uma coligação incluísse o partido socialista (Pasok) e o partido pró-europeu To Potami (O Rio). O Pasok conseguiu um resultado melhor do que o que lhe davam as sondagens e do que nas últimas eleições (6,7% agora, apenas 4,7% em Janeiro) e o Potami pior (passou de 6,1% e quarto partido para sexto), com 3,9%, atrás do Partido Comunista, que obteve agora 5,4%, praticamente o mesmo do que na votação anterior, 5,5%.

Ontem, quando ainda apenas se sabiam as sondagens à boca das urnas, o Pasok sugeriu que a Nova Democracia deveria ser incluída em qualquer governo. O número dois de Tsipras, Nikos Papas, foi rápido a repetir o que disse durante a campanha: que o partido de esquerda não iria aliar-se de modo nenhum à Nova Democracia.

A primeira reacção aos resultados parciais veio do líder da Nova Democracia, Evangelos Meimarakis, reconhecendo a derrota e dando os parabéns a Tsipras. “Parece que os cidadãos não mudaram de ideias”, disse. Na campanha, Meimarakis tinha pedido “estabilidade” e “o fim das experiências”.

Tsipras fez uma declaração pelo Twitter: “O caminho está aberto perante nós para trabalho e luta”. Fontes do Syriza prometiam um governo dentro do prazo de três dias que a Constituição dá ao vencedor.

De seguida, Kammenos declarava: “Amanhã de manhã com o primeiro-ministro Tsipras vamos sair das políticas de austeridade”. Kammenos prometeu ainda a luta contra a corrupção e mandou uma farpa às empresas de sondagens, especialmente à Universidade da Macedónia que deu ao seu partido 1,7%.

Da Europa, o presidente francês, François Hollande, foi rápido a dizer que o resultado era uma vitória para a estabilidade na Europa, segundo a agência Reuters. Numa viagem a Marrocos, Hollande também disse que poderia visitar rapidamente a Grécia, que “vai ter agora um período de estabilidade com uma maioria sólida”.