Costa promete revogar de imediato alterações à lei do aborto

Campanha do PS em Setúbal aposta no tema da igualdade para marcar a diferença em relação à coligação PSD/CDS.

Costa foi recebido em festa nas ruas do Montijo
Fotogaleria
Costa foi recebido em festa nas ruas do Montijo Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

António Costa decidiu aproveitar nesta sexta-feira a passagem pelo distrito de Setúbal para pegar na bandeira da igualdade. Afinal, é na margem sul que a cabeça de lista socialista é uma mulher, responsável pela única lista do PS “totalmente paritária”.

E foi aí que o secretário-geral do PS comprometeu hoje o seu partido com a rápida revogação das alterações recentemente feitas pela maioria PSD-CDS na legislação relativa à Interrupção Voluntária da Gravidez. No “Almoço da Igualdade”, realizado no Seixal, onde compareceram mais de 400 apoiantes, o líder socialista fez questão de assinalar o tema como uma das diferenças que separa a direita da esquerda. Lembrando ter sido dessa forma que PSD e CDS “quiseram encerrar a legislatura, reabrindo uma ferida que julgávamos ultrapassada na nossa sociedade”, António Costa avançou com um compromisso para os primeiros dias do novo ciclo político.

“Reabriremos a legislatura revogando de imediato a legislação que aprovaram”, disse na Quinta da Fidalga.

A diferença em relação à coligação de direita foi uma das preocupações dos discursos proferidos. Entre estes, o da cabeça de lista, Ana Catarina Mendes, aproveitou para recordar o discurso do centrista Paulo Portas sobre as donas de casa que sabiam sobre quando pagar as suas contas, para o classificar como “salazarento, bafiento e conservador”, e inspirar os socialistas a não serem “iguais a eles”.

O discurso do socialista centrou-se muito no impacto da crise sobre as mulheres. Denunciou o aumento do desemprego e a perda de rendimentos, identificando depois o combate à precariedade e a aposta na escola pública como as ferramentas para contrariar as desigualdades. Assumiu os objectivos de generalizar o pré-escolar para as crianças a partir dos três anos e de acabar com os exames do 4.º e 6.º ano.

Na passagem pelo terreno, durante a manhã, houve momentos em que o socialista teve oportunidade de defender as suas propostas para a educação. Mas na arruada que atravessou o centro do Montijo, que é uma câmara socialista, António Costa foi acima de tudo confrontado com a questão das reformas: muitos pensionistas abordaram-no para denunciar a perda de isenções e cortes nas pensões. Ou o preço dos medicamentos: uma pensionista manifestou a esperança de encontrar Passos Coelho na rua para lhe “mostrar os papéis” dos seus cortes. “Quando votar terá a oportunidade de lhe dizer isso na cara”, pediu o candidato do PS.

Sugerir correcção