Museu dos Coches ganha prémio internacional de arquitectura

O edifício de Paulo Mendes da Rocha foi o escolhido pelo Comité Internacional de Críticos de Arquitectura. O prémio foi anunciado na Bienal de Buenos Aires.

Paulo Mendes da Rocha fotografado junto ao novo museu, em 2013
Foto
Paulo Mendes da Rocha fotografado junto ao novo museu, em 2013 Bruno Castanheira

O museu inaugurou em Maio, depois de mais de dois anos de intensa polémica em que, apesar de pronto, se manteve de portas fechadas. Dizia na altura o secretário de Estado da Cultura que os atrasos se deviam, quase em exclusivo, a falta de dinheiro e que a qualidade do projecto arquitectónico nunca esteve em causa. É precisamente essa qualidade do edifício assinado pelo brasileiro Paulo Mendes da Rocha, com o português Ricardo Bak Gordon, que o Comité Internacional de Críticos de Arquitectura (CICA) veio agora reconhecer.

O Prémio de Arquitectura do CICA para o novo Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, foi anunciado na Bienal Internacional de Buenos Aires. O comité fundado em 1978 na Cidade do México e com sede em Paris divulga os premiados desta edição no site da bienal argentina, onde para já não adianta qualquer justificação para as suas escolhas.

Ricardo Bak Gordon, que ainda não teve oportunidade de comentar a notícia com o Pritzker brasileiro (Mendes da Rocha recebeu este prestigiado prémio de arquitectura em 2006), acredita que esta será a primeira de várias distinções internacionais que o museu irá receber. Numa breve conversa com o PÚBLICO, o arquitecto salienta a importância da bienal argentina e fala no “prestígio” que um prémio da crítica internacional sempre carrega. “Ver a crítica reconhecer o projecto é muito importante”, disse ao fim da tarde desta sexta-feira. “E ver um museu que foi inaugurado há tão pouco tempo e que não está ainda acabado recebê-lo faz-me pensar que os Coches só agora começaram a sua carreira internacional.”

O edifício, lembra assim Bak Gordon, tem ainda por implementar o projecto expositivo concebido por Mendes da Rocha e pelo arquitecto português Nuno Sampaio, e a ponte pedonal e ciclável que deverá ligá-lo ao rio ainda está por construir. À data da inauguração o secretário de Estado da Cultura Jorge Barreto Xavier prometia para breve a abertura dos concursos para as duas empreitadas: a primeira deveria estar terminada até ao final de 2015 e a segunda até Junho de 2016.

“Este é um projecto de excepção, uma construção generosa a favor do espaço público da cidade”, defende Bak Gordon. “É um projecto que merece ser acarinhado e acarinhá-lo é concluí-lo.”

Desde que inaugurou, a 23 de Maio, e até ao início deste mês de Setembro, o museu recebeu já quase 150 mil visitantes (em todo o ano de 2014, quando estava ainda instalado apenas no picadeiro do Palácio de Belém, recebeu 206 mil).

O PÚBLICO não conseguiu entrar em contacto com Mendes da Rocha nem com o secretário-geral do CICA, Manuel Cuarda.