Câmara do Porto convida oposição para novo jornal da autarquia

Jornal Porto. é apresentado esta quarta-feira e será entregue nas caixas do correio na quinta e sexta-feira. Vão ser impressos 180 mil exemplares.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

A Câmara do Porto vai voltar a ter uma publicação em papel, depois de o executivo de Rui Moreira ter interrompido a publicação da revista Porto Sempre, criada pelo anterior presidente da autarquia, Rui Rio. Agora, a câmara oferece um jornal, com o nome da marca da cidade – Porto. – e que chegará a todas as caixas de correio portuenses entre quinta e sexta-feira. Das 24 páginas do jornal de cor salmão, duas estão destinadas aos partidos representados na Assembleia Municipal (AM), incluindo toda a oposição.

Nuno Santos, adjunto do presidente Rui Moreira e responsável pela comunicação do município, garante que a nova publicação “não é um auto-elogio da actividade da câmara”, apesar de expressar “um posicionamento político da câmara perante a cidade”. A título de exemplo garante que o primeiro número tem apenas uma fotografia de Rui Moreira e que duas páginas da publicação estão entregues a crónicas escritas por representantes dos grupos políticos representados na AM. “Escolhemos a AM para podermos incluir o Bloco de Esquerda, que não está representado no executivo. No caso do Bloco, o cronista deste primeiro número será o José Soeiro, as restantes forças apontaram os líderes das bancadas e foram eles que escreveram.”

Haverá, por isso, logo na edição de lançamento “algumas crónicas críticas à actividade do executivo”, mas Nuno Santos garante que este considera “muito saudável” que assim seja. “Consideramos que o jornal será uma quebra com o que conhecemos de publicações autárquicas”, diz.

O jornal será apresentado esta quarta-feira, nos Paços do Concelho, e deverá estar nas caixas do correio até ao final de semana. São 180 mil exemplares que, explica Nuno Santos, permite à autarquia “colocar um jornal em todas as caixas do correio, sejam residenciais ou comerciais”. O assessor de Rui Moreira diz que esta opção implicou que fosse necessário escolher “um papel mais barato” e impediu também que o jornal fosse impresso no modelo broadsheet, já que os custos seriam muito elevados.

Com o modelo actual, a impressão e distribuição do Porto. ficará por cerca de 21 mil euros por número, explica Nuno Santos, acrescentando que há outros custos associados – de design ou imagem, por exemplo – que “é difícil quantificar”, já que estão associados a outros trabalhos prestados à câmara.

O jornal não terá uma periocidade regular, mas a intenção é que saiam “quatro a seis números por ano”. Para o primeiro número há, além de notícias, do editorial de Rui Moreira e das crónicas da AM, “uma grande reportagem sobre um projecto da cidade”, um artigo do autor da marca Porto., Eduardo Aires, sobre a evolução gráfica dos antigos jornais da cidade, e uma grande entrevista ao músico Miguel Guedes que será feita por um jornalista profissional, exterior à câmara, e que foi convidado expressamente para o efeito – um modelo para manter, garante o assessor da autarquia, e que arranca com o Artur Carvalho, da TSF.

Nuno Santos argumenta que o jornal permitirá chegar a pessoas que não recorrem às plataformas digitais para ler notícias e procurará colmatar a falta de informação local que deriva da quase inexistência de jornais locais no Porto – o semanário Porto24 é a excepção. “A informação da cidade sai apenas em jornais diários e há notícias importantes para as pessoas, como saberem que estão abertas as inscrições para as piscinas municipais, que não cabem nesses jornais, mas que nós iremos dar”, diz. 

Actualização: Corrige o custo de cada edição, de cinco mil euros para 21 mil euros.