Altice vende Cabovisão e Oni à Apax França

Altice vende empresas portuguesas a fundo de alto risco francês.

Patrick Drahi, presidente da Altice
Foto
Patrick Drahi, presidente da Altice ERIC PIERMONT/AFP

A Altice anunciou esta terça-feira que vai vender a Cabovisão e a Oni à Apax França. O acordo surge no último dia do prazo dado pelas autoridades da concorrência para que a Altice, a nova dona da PT Portugal, se desfizesse das operadoras de cabo e de comunicações empresariais. A Apax regressa assim ao capital da Cabovisão, que chegou a partilhar com a Altice em 2012.

“A Altice anuncia que chegou a acordo com a Apax França para venda da Cabovisão e da Oni”, referiu a empresa num comunicado divulgado após o fecho do mercado accionista.

A operação tem ainda de ser analisada pela Direcção-geral da Concorrência europeia e pelo regulador português, refere a empresa controlada por Patrick Drahi. O valor do negócio não foi divulgado.

A Altice e a Apax já foram aliadas e a Cabovisão é bom exemplo disso. Em Fevereiro de 2012, quando comprou a operadora de cabo, por 45 milhões de euros, a Altice acordou com a Apax que esta adquirisse 40% da empresa de cabo, por 18 milhões.

Neste negócio em que o fundo francês também terá actuado como financiador, deu-se novo desenvolvimento em Abril de 2013, quando a Altice readquiriu a posição de 40% da Apax. Toda a operação terá envolvido pelo menos 90 milhões de euros, segundo dados divulgados então pela Altice.

Agora, além da Cabovisão, a Apax compra também a Oni, deixando para trás a expectativa de que as empresas de telecomunicações fossem adquiridas por um operador industrial. A Vodafone, que chegou a ser apresentada como a compradora mais provável da Cabovisão (para reforçar a presença no negócio de televisão) ficou assim de fora de um negócio considerado demasiado dispendioso. A chinesa StarTimes e a britânica Interoute foram outras das empresas que consultaram o dossier.

Segundo a Bloomberg, a Altice ambicionava garantir cerca de 300 milhões de dólares (quase 280 milhões de euros) com a alienação de activos imposta por Bruxelas para poder comprar a PT Portugal. Num relatório divulgado no início do mês a Altice dava conta que estes activos estavam valorizados, a 30 de Junho, como valendo 115 milhões de euros, mas mostrava-se confiante que os conseguiria vender "com um prémio" face ao valor contabilístico.

O prazo para que a operação ficasse concluída terminava esta terça-feira. A alternativa, caso não surgisse comprador, seria transferir a posse das empresas para uma entidade autónoma (sugerida pela Altice, mas aprovada por Bruxelas) que lhes encontrasse novo dono. Um processo supervisionado pelas autoridades europeias no qual a Altice já não poderia intervir. Mas, com este acordo com um antigo aliado, essa questão deixa agora de se colocar.

Por conhecer está a estratégia que será seguida pelos novos donos da Oni e da Cabovisão e o futuro dos mais de 400 trabalhadores das duas empresas. A Oni e a Cabovisão eram lideradas por Alexandre Fonseca e João Zúquete da Silva, respectivamente, mas ambos saíram para o novo comité executivo da PT Portugal (liderado por Paulo Neves, antigo director de regulação da Oni). Com essas saídas, a gestão das duas empresas estava assegurada desde Maio pela consultora Baker Tilly.

A Apax França não tem investimentos em telecomunicações, mas tem posições em algumas empresas tecnológicas, como a Altran, que também está presente em Portugal. Segundo a informação disponibilizada no site, a Apax França tem investimentos em 16 empresas e activos sob gestão no montante de 2,5 mil milhões de euros.

A venda da Oni e da Cabovisão não era a única imposição regulatória pendente para a Altice. Recentemente, o grupo anunciou ter recebido autorização do regulador francês da Concorrência para vender as operações móveis da Outre-Mer Telecom nas ilhas de Reunião e Mayotte ao grupo Hiridjee, sedeado em Madagáscar.

Este "remédio" foi imposto pelo regulador francês para autorizar a compra da operadora móvel SFR à Vivendi, o ponto de alto de um ambicioso ciclo de aquisições que já ditou também a entrada da Altice no mercado norte-americano: já depois do negócio da PT Portugal, a Altice comprou a operadora de cabo norte-americana Suddenlink.