Foto

André Santos criou um Spotify com vídeos (gratuito e sem publicidade)

BeatWhale permite ouvir música através do YouTube, sem custos e sem publicidade. Está disponível para Windows e Mac, em breve sairá a versão Linux, plataformas móveis estão dependentes de questões legais

“Simples e elegante”, “player minimal” com um “interface fácil de usar”, “projecto 'open source de streaming' de vídeos” feito para pessoas que “adoram música, em particular videoclipes”. É assim que é descrito o BeatWhale no site oficial.

A aplicação é um projecto pessoal de André Santos, 28 anos, que aos 13 já sonhava em fazer jogos de computador. Ao utilizador basta fazer o 'download' da aplicação, que tem apenas algumas semanas, e criar uma conta de forma gratuita. O 'interface' de cores claras encarrega-se depois de convidar à pesquisa ou criação de 'playlists'. Num dos cantos inferiores o vídeo é reproduzido, podendo ser visualizado em 'full screen' ou liminarmente ignorado.

O criativo do Porto cursou engenharia electrotécnica na FEUP por dois anos, mas acabou por desistir. “Não me identifiquei com a praxe nem com os colegas. Fiz poucas cadeiras, desisti e decidi arriscar”, recorda. Pouco depois estava a trabalhar como programador de software interactivo na Edigma, em Braga, onde passou quatro anos. “Profissionalmente, foram os mais importantes da minha vida, por isso costumo dizer que a Edigma foi a minha escola”, assegura. Mais recentemente, André e a namorada fundaram o estúdio The One Pixel, em que o objectivo é que “todos os projectos sejam uma fusão entre design e tecnologia”.

Ao todo, André demorou dois meses e meio a pôr online este projecto. “Tinha estabelecido o 1 de Setembro como 'deadline', por isso a última semana foi cheia de directas”, explica ao P3. A motivação para criar o BeatWhale veio com o encerramento do Grooveshark, uma espécie de predecessor do Spotify. “Fiquei muito descontente por ter perdido acesso a toda a minha colecção, perdi mesmo muitas horas da minha vida a organizar milhares de músicas.” Depois de experimentar o Spotify sem se fidelizar (“a publicidade era demasiado intrusiva”), André decidiu programar algo semelhante ao Grooveshark “usando a grande base de dados de vídeos que o YouTube tem”.

Originalmente, a ideia nem era criar uma plataforma gratuita ou "open source", mas o retorno financeiro acabou por dar lugar ao objectivo mais altruísta de criar “algo que as pessoas achassem útil”. O que se manteve inalterado foi o desafio pessoal que André se colocou desde o início. “Quase todos os meus projectos pessoais nunca viram a luz do dia”, confessa, “o que me custa mais é a recta final: afinar todos os pormenores, gerar instaladores, distribuir para várias plataformas, assegurar que tudo funciona, que existe coerência a nível de design, desenvolver o website, criar páginas nas redes sociais, preparar o código para o resto do mundo ver, garantir que há segurança e que as bases de dados não vão ser 'hackeadas' — é uma seca, mas tem de ser feito se quero que as pessoas usem.”

Na prática, e entrando nas questões técnicas da aplicação, o que o BeatWhale faz é usar a API (Application Programming Interface) do YouTube para pesquisar músicas, “para a posterior reprodução é desencriptado o URL do vídeo desse resultado da pesquisa”. A bicefalia do serviço (música e vídeo) permite uma dupla utilização, mas André explica que o BeatWhale é uma “plataforma orientada para a música”, embora reconheça que se pode igualmente criar uma “playlist com vídeos de cãezinhos e gatinhos”. É por isso, aliás, que numa próxima versão será possível filtrar só por resultados com vídeos musicais.

Em relação a sites e aplicações semelhantes, André é muito directo nas vantagens da sua criação. “Algumas pessoas perguntam-me por que é que haverão de usar o BeatWhale se têm o YouTube e, de facto, o primeiro não tem mais conteúdos do que o segundo, mas o BeatWhale permite uma melhor organização e um acesso mais fácil às nossas colecções”. E acrescenta: “Existe o Spotify e o Rdio, que para música são óptimos, mas não são gratuitos e não permitem vídeo.”

Quanto às questões relativas à legalidade do serviço, André já esteve a “analisar superficialmente” o problema, mas não está muito preocupado. “A única coisa que não está nos conformes é o facto de não ter o reprodutor oficial do YouTube embebido, o que significa que estou a aceder ao URL do vídeo directamente sem que haja publicidade”, ou seja, “o YouTube não consegue recolher estatísticas de visualizações” via BeatWhale. É este aspecto legal que está para já a tolher o desenvolvimento de versões móveis da aplicação, que já opera em Windows e Mac e que em breve, “nos próximos dois meses”, estará em Linux. Com o feedback que foi recebendo, e que usou para se motivar, André criou uma lista de tarefas — “que qualquer pessoa pode ver”, embora seja dirigida ao público especializado — com as sugestões que lhe foram dando.

Essa interactividade é aprofundada com o facto do código estar disponível livremente no site da aplicação, “para que toda a gente me possa aconselhar ou contribuir com código”. “Como estou sozinho a desenvolver este projecto, há de certeza muitas coisas que não estou a fazer da melhor forma”, admite. “Adorava que alguém me dissesse: ‘Olha, peguei no código do BeatWhale e fiz esta aplicação’.”