Torne-se perito

Activistas invadem Museu Britânico em protesto contra patrocínio da BP

Membros de 15 organizações juntaram-se numa plataforma que quer persuadir as grandes instituições culturais britânicas a não renovar os acordos com a petrolífera.

Fotogaleria
Os activistas na sua acção no Museu Britânico AFP
Fotogaleria
A acção pretende evitar a assinatura de novo acordo de mecenato às artes AFP
Fotogaleria
Os chapéus de chuva serviram para escrever as palavras de ordem no Great Court do British Museum AFP
Fotogaleria
AFP
Fotogaleria
AFP

Uma multidão de activistas pertencentes a 15 grupos de defesa do ambiente e outras organizações invadiu no domingo a Tate Modern e o Museu Britânico, em Londres, protestando contra o patrocínio da empresa petrolífera BP (British Petroleum) a algumas das mais importantes instituições culturais inglesas.

Os manifestantes cantaram, gritaram palavras de ordem e executaram breves coreografias (flash mobs), tendo tido a colaboração do actor americano Ezra Miller – anunciado intérprete de Flash na próxima adaptação deste clássico da BD –, que se juntou ao movimento.

O objectivo do protesto é conseguir que o Museu Britânico e a Tate não renovem os contratos de patrocínio com a BP, acusada de tentar limpar a sua imagem através do apoio às artes.

“Na semana passada, a Tate Modern instalou painéis solares no telhado”, lembrou a activista Yasmin de Silva ao jornal Evening Standard, acrescentando: “Se o museu reconhece a necessidade de promover energias limpas e renováveis, também deve perceber quão incongruente é estar envolvido a este ponto com uma das mais sujas e controversas empresas petrolíferas do mundo”.

Um representante dos manifestantes, que criaram a plataforma comum Art Not Oil Coalition (traduzível por Coligação Arte Petróleo Não), explicou ao diário The Guardian que escolheram o Museu Britânico para esta acção por ter sido ali que, em 2011, quatro das maiores instituições culturais britânicas – a National Portrait Gallery, a Tate, a Royal Opera House e o próprio museu – assinaram com a BP um contrato de patrocínio para cinco anos no valor de 10 milhões de libras (cerca de 13,6 milhões de euros).

O momento também foi pensado para coincidir com o período em que, acreditam os manifestantes, as administrações destas instituições deverão estar a ponderar uma eventual renovação do acordo com a BP. A Art Not Oil Coalition promete prosseguir a luta, embora os seus representantes se tenham recusado a adiantar quaisquer detalhes sobre futuras iniciativas.  

A reputação da BP ficou seriamente comprometida em 2010, quando uma plataforma petrolífera que a empresa explorava no Golfo do México explodiu, matando 12 trabalhadores e causando aquele que foi, de longe, o maior derrame acidental de petróleo no mar alguma vez registado.

Sugerir correcção