Pixabay
Foto
Pixabay

Programa Erasmus+ percorre o país com acções de formação

Programa de intercâmbio e voluntariado jovem vai dar acções de formação aos técnicos regionais para que as dúvidas dos jovens sejam esclarecidas "de forma correcta e assertiva"

Responsáveis do Erasmus+ Juventude em Acção anunciaram que vão percorrer o país, de 14 a 18 de Setembro, para divulgar aos técnicos regionais do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) os procedimentos para auxiliar jovens voluntários na candidatura àquele programa.

O Erasmus+ Juventude em Acção permite aos jovens concorrer a um intercâmbio ou programa de voluntariado nos países da União Europeia e nos países vizinhos ou parceiros, o que engloba mobilidades jovens, parcerias estratégicas e reformas políticas.

Em declarações à agência Lusa, o director do programa, Pedro Couto Soares, referiu que as reuniões visam dar "a formação necessária" aos técnicos regionais do IPDJ para que as dúvidas dos jovens quanto a este tipo de programa sejam esclarecidas "de forma correcta e assertiva".

Financiamento de 40 milhões de euros

Os encontros estão divididos em duas partes, reservando-se o período da tarde para apresentação aos técnicos das novidades sobre o programa, os prazos para 2016, quais os formulários necessários e onde podem ser encontrados e informações sobre o processo de candidatura ao Erasmus+ Juventude em Acção.

À noite são promovidas sessões de esclarecimento, onde podem participar dirigentes associativos, líderes de associações juvenis, técnicos municipais, e todos aqueles que trabalham com jovens que podem beneficiar do programa. Estas formações, que vão na segunda edição, acontecem de segunda a sexta-feira, com início em Viana do Castelo, no primeiro dia, seguindo-se Aveiro, Setúbal, Beja e, por fim, Vila Real de Santo António.

As mobilidades jovens podem ser intercâmbios de curta duração, com duração máxima de 21 dias, e com o Serviço de Voluntário Europeu (SVE), "que é a imagem de marca do programa", no qual os voluntários podem permanecer noutro país até um ano, com alimentação, alojamento e algumas despesas diárias pagas, bem como aulas gratuitas para aprender a da língua do país receptor.

De acordo com Pedro Soares, a verba total disponibilizada pelo governo para os sete anos do programa, que iniciou em 2014 e mantém-se até 2020, é de 40 milhões de euros. "Contamos com cinco milhões para o este ano, valor que vai aumentar até 2020, ano em que está prevista uma verba de seis a oito milhões de euros", explicou. O que o Erasmus + Juventude em Acção "tem de fantástico é promover a aprendizagem intercultural e permitir o conhecimento entre povos, que é o que nos traz tolerância e capacidade de olharmos para o outro de forma diferente", acrescentou.