Marcelo na “festa ecuménica” do Avante! para poder comentar PCP

Comentador nega que visita tenha sido uma acção de campanha.

Marcelo Rebelo de Sousa
Foto
Marcelo Rebelo de Sousa Pedro Cunha

O comentador e ex-presidente do PSD Marcelo Rebelo de Sousa justificou neste sábado a ida à 39.ª Festa do Avante!, no Seixal, como forma de poder analisar a vitalidade dos comunistas, recusando tratar-se de mais uma acção de pré-campanha presidencial.

De boina, o jurista chegou pelo acesso fluvial ao recinto da Quinta da Atalaia e foi merecendo cumprimentos respeitosos e também "bocas" mais agressivas, mas mostrou-se à vontade entre a maioria de militantes do PCP até porque "é para aí a nona ou décima vez".

"Não posso comentar o PCP sem ver a Festa do Avante!. Só vendo se pode perceber a realidade, única na Europa, de um partido que mobiliza jovens, com este papel de militantismo e de mobilização constante, que não perde eleitorado, aguenta... a dúvida é até onde vai subir. Não tem comparação nem com Podemos, nem com Syriza, nem nenhuma outra força política europeia", elogiou.

O antigo deputado e considerado presidenciável na corrida a Belém de Janeiro próximo partilhou uma "primeira impressão de que é muita gente nova", algo de "muito importante, num partido histórico como o PCP", revelando que "não é um partido que parou no tempo e que tem futuro".

"Não merece especial comentário. Sempre defendi que legislativas é legislativas, o resto é depois", limitou-se a dizer quando instado a comentar o anúncio do também social-democrata Rui Rio, no sentido de que só vai falar sobre presidenciais em Outubro.

Marcelo frisou ter-se deslocado ao Seixal "como comentador e amante de música", realçando que "uma das características da festa é que é muito ecuménica" e que "se fosse só a festas de gente" do seu partido, "a vida era uma monotonia".