A ligação Porto-Copenhaga estreia-se em Março de 2016 Bob Strong/Reuters
Foto
A ligação Porto-Copenhaga estreia-se em Março de 2016 Bob Strong/Reuters

Ryanair com novas rotas do Porto para Copenhaga e Colónia

A companhia aérea low cost Ryanair vai estrear duas novas rotas com partida do Porto: Copenhaga, capital da Dinamarca, e Colónia, na Alemanha, anunciou o presidente executivo da Ryanair

O voo Porto-Colónia estreia-se já a 25 de Outubro, com quatro ligações semanais: domingo, segunda, quarta e sexta (partem do Porto às 12h35 para chegar às 16h15; e saem da cidade alemã às 10h30 para aterrar no Aeroporto de Francisco Sá Carneiro às 12h10, horas locais). No site da Ryanair encontrámos preços entre os 22,99€ (tanto o voo de ida como o de volta do dia 26 apresentavam este valor, por exemplo) e os 72,99€ (na viagem Colónia-Porto de 30 de Outubro).

A ligação Porto-Copenhaga só chega em Março de 2016, estando o primeiro voo previsto para o dia 28. A partir de então há três ligações por semana: segunda, quarta e sexta (o voo parte do Porto às 16h30 e chega às 21h, enquanto a ligação inversa está programada para as 21h25, com chegada ao Porto às 23h50). Entre as reservas para as primeiras semanas da nova rota encontrámos preços no site da Ryanair entre os 29,99€ (como os voos inaugurais) e os 42,99€ (nos voos de 22 ou 25 de Abril, por exemplo).

No novo cardápio aéreo da "low cost" para os aeroportos lusos no Verão de 2016, há ainda voos adicionais do Porto para Eindhoven e Londres e da capital portuguesa para Roma. Os aviões da Ryanair passam a voar entre o Porto e a cidade holandesa cinco vezes por semana e para a capital inglesa haverá 16 viagens semanais. Já a ligação entre as capitais de Portugal e Itália passa a realizar-se duas vezes por dia.

A companhia aérea passa assim a disponibilizar 41 rotas com partida do Porto, num total de 214 voos por semana, e 16 ligações a partir de Lisboa, contabilizando 140 voos semanais. O objectivo é atingir os 3,3 milhões de passageiros por ano no aeroporto Sá Carneiro e transportar 2,5 milhões de clientes anuais a partir do aeroporto da Portela.

“Continuamos a investir muito no Porto e queremos fazê-lo mais em Lisboa”, afirmava Michael O’Leary na conferência de imprensa em Lisboa, fechando ainda o jogo quanto às novidades portuenses.

Em Lisboa, o responsável deixava duras críticas à Vinci, acusando a empresa gestora dos aeroportos portugueses (concessionária da ANA) de estar a limitar a capacidade de crescimento da companhia na capital portuguesa. Para O’Leary, o investimento em novas rotas para Lisboa só será possível com a “retirada das restrições na Portela”, referindo que a Vinci terá recusado o pedido da companhia para aumentar o número de movimentos por hora no aeroporto lisboeta.

Neste momento, apenas são permitidas 40 partidas ou aterragens nas pistas por hora, uma “redução artificial” em relação ao limite definido e que para o presidente executivo da Ryanair só pode ser interpretado como uma “intenção deliberada de não querer crescer”. “A única justificação é que não querem ultrapassar a meta de passageiros definida pelo Governo para a abertura do [aeroporto no] Montijo, que é de 22 milhões na Portela”.

Durante a conferência de imprensa, o responsável voltou a defender a privatização da TAP e anunciou a intenção da Ryanair de tomar o lugar da transportadora aérea portuguesa enquanto principal companhia no aeroporto de Lisboa em número de passageiros.

O'Leary mostrou-se ainda confiante de que após as eleições legislativas, e formado um novo governo em Portugal, “comecem a existir decisões” relativamente aos impasses referidos, incluindo a proposta feita pela companhia "low cost" de operar entre a ilha Terceira, nos Açores, e Lisboa, que terá sido entretanto declinada e uma nova decisão adiada para o futuro executivo.

O responsável da Ryanair relembrou ainda que está em vigor uma campanha promocional nas ligações com partida do Porto. Há 100 mil voos com preços a partir de 19,99€, disponíveis para reserva até à meia-noite de 7 de Setembro e viagens até 30 de Novembro.

Sugerir correcção