Juncker propõe redistribuição de mais 120 mil refugiados pela UE

Plano do presidente da Comissão Europeia prevê criação de mecanismo permanente para realojamento dos que chegam às fronteiras europeias

Foto
refugiado sírio que fuguiu de Alepo à chegada à Grecia com a filha ao colo Dimitris Michalakis/reuters

A Comissão Europeia vai pedir aos Estados-membros maior solidariedade no acolhimento dos refugiados que estão a chegar às fronteiras da União, defendendo que o número de pessoas a redistribuir aumente dos 40 mil propostos no Verão para um total de 160 mil.

A nova meta, adiantada por fontes comunitárias a vários jornalistas, faz parte de um plano que o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, vai apresentar quarta-feira ao Parlamento de Estrasburgo para responder ao agravamento da crise migratória e aliviar os países de chegada. Uma das novidades em relação ao plano inicial é a inclusão dos refugiados que chegam à Hungria – onde milhares aguardam por uma oportunidade para chegar à Alemanha – na lista dos que precisam de ser realojados (em Julho falava-se apenas dos que se encontram na Itália e Grécia). Uma mudança, sublinha o Financial Times, destinada a suavizar a oposição de vários países, sobretudo de Leste, às propostas de redistribuição.

Juncker insiste também na criação de um mecanismo permanente para redistribuir automaticamente os refugiados, a fim de evitar o constante debate sobre a divisão de esforços perante situações de emergência. Uma ideia apoiada pela França e Alemanha que anunciaram, nesta quinta-feira, ter decidido apresentar em Bruxelas uma proposta conjunta para que sejam adoptadas “quotas obrigatórias na UE para a partilha de responsabilidades”. “Ao mesmo tempo que dizemos que a Itália e a Grécia não podem lidar sozinhas com esta tarefa, também dizemos que não podem ser só três países, a Suécia, a Áustria e a Alemanha, a assumir a fatia de leão” do acolhimento, defendeu a chanceler alemã, Angela Merkel.

A Comissão Europeia pretende também entregar aos Estados uma lista de países considerados seguros, o que na prática visa acelerar a recusa de pedidos de asilo aos que daí chegam, e que incluirá, entre outros, os Estados candidatos à adesão à UE. Igualmente prevista está a criação de um fundo destinado a apoiar a estabilização de países africanos, a fim de desencorajar os que emigram por razões económicas.

A emoção provocada pelas fotografias do menino sírio que morreu num naufrágio quando a família tentava chegar à Grécia levou vários dirigentes a admitir que é preciso fazer mais para responder a esta crise humanitária, apesar de manterem a oposição a um mecanismo de quotas. “Não podemos acolher imigrantes económicos, mas temos a obrigação moral de aceitar refugiados”, disse a primeira-ministra polaca, Ewa Kopacz, que até agora se opunha aos planos de redistribuição.