Barreto Xavier lança o Ano Português do Cinema com entrega de medalha

Haden Guest, director da cinemateca da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, tem programado ciclos e filmes de realizadores portugueses.

Foto
Jorge Barreto Xavier enric vives-rubio

Foi condecorando um norte-americano que o secretário de Estado da Cultura lançou esta segunda-feira o Ano Português do Cinema e do Audiovisual. Jorge Barreto Xavier atribuiu uma medalha de mérito cultural a Haden Guest – director da cinemateca da Universidade de Harvard, onde tem programado ciclos e filmes de realizadores portugueses –, que foi descrito como “um amigo do cinema português”. Questionado pelo PÚBLICO sobre a escolha de Haden Guest, o secretário de Estado disse que outros “10 ou 20” nomes provavelmente mereciam o mesmo tipo de reconhecimento e, sublinhando que os Estados Unidos são um mercado estratégico, precisou que a condecoração era sobretudo um estímulo para o aparecimento de outros embaixadores internacionais do cinema português.

A entrega da medalha, que teve lugar na Cinemateca Portuguesa, é a primeira acção integrada no Ano Português do Cinema e do Audiovisual, vagamente descrito como uma iniciativa destinada a potenciar a visibilidade internacional do cinema português, à semelhança do que foi feito em anos anteriores com a arquitectura (2013) e o design (2014/15). Nem Barreto Xavier, nem a presidente do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) explicaram como pretendem fazê-lo. “Estão previstas várias iniciativas e em breve serão reveladas”, disse Filomena Serras Pereira.

A presidente do ICA e o produtor de cinema Paulo Trancoso, presidente da Academia Portuguesa do Cinema, assinaram um protocolo de colaboração para trabalharem nas medidas a implementar no âmbito do Ano Português do Cinema e do Audiovisual, e que em grande parte ainda estão por desenhar, admitiu Filomena Serras Pereira. 

Porquê a Academia Portuguesa do Cinema? Porque “é uma estrutura associativa reconhecida pelos profissionais do cinema, que pode, ela própria, consciencializar o meio para a necessidade de haver estratégias de projecção internacional, numa articulação com o Estado”, disse ao PÚBLICO Barreto Xavier.

O orçamento disponível para o Ano Português do Cinema e do Audiovisual é de 100 mil euros, mas Barreto Xavier espera conseguir um valor equivalente ao que foi investido no Ano Português do Design: 200 mil euros, metade dos quais atribuídos pelo Ministério da Economia.

Entre as iniciativas já confirmadas que integram o Ano Português do Cinema e do Audiovisual conta-se a realização de um mercado de conteúdos audiovisuais de língua portuguesa em Junho do próximo ano, avançou a presidente do ICA ao PÚBLICO. Vai chamar-se Rio-Lisboa Content Market e trata-se de uma extensão portuguesa do Rio Content Market, a mais importante feira audiovisual no Brasil, com o objectivo de captar os mercados europeus e da CPLP.

Outra iniciativa: pela primeira vez, as televisões portuguesas – RTP, SIC e TVI – vão ter uma representação articulada, sob a chancela do ICA, no MIPCOM, um dos principais mercados mundiais da indústria audiovisual, que terá lugar em Outubro, em Cannes.