Estes são os 20 filmes portugueses mais vistos em 40 anos e O Pátio das Cantigas está no topo

O remake do filme de 1942 encima uma lista marcada por António-Pedro Vasconcelos, Carlos Coelho da Silva ou Joaquim Leitão, influência televisiva, humor e alguns títulos emblemáticos.

Fotogaleria
O Pátio das Cantigas DR
Fotogaleria
O Crime do Padre Amaro DR
Fotogaleria
Joaquim Leitão e Joaquim de Almeida na rodagem de Tentação Fernando Veludo
Fotogaleria
7 Pecados Rurais DR
Fotogaleria
Filme da Treta, com José Pedro Gomes e António Feio DR

A carreira em sala de O Pátio das Cantigas, de Leonel Vieira, coroou-o em apenas três semanas como o filme mais visto em Portugal desde 1975. Nos últimos 40 anos, Vieira consegue assim a sua segunda presença na lista dos 20 filmes portugueses mais vistos, equiparando-se a Joaquim Leitão e sendo só superado por António-Pedro Vasconcelos e Carlos Coelho da Silva.

De acordo com dados solicitados pelo PÚBLICO ao Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), responsável pela recolha dos resultados de bilheteira da actividade cinematográfica em Portugal, O Pátio das Cantigas isolou-se já no top 20 dos filmes nacionais mais vistos desde que há uma contabilização fidedigna e sistemática do box-office português. O remake do filme de 1942 de Francisco Lopes Ribeiro conseguiu até domingo 23 de Agosto 406.733 espectadores, ultrapassando o campeão da última década O Crime do Padre Amaro, de Carlos Coelho da Silva, que em 2005 conseguira 380 mil espectadores.

A lista encimada por estes dois títulos permite identificar alguns nomes recorrentes, a força da televisão em alguns títulos, a presença de um único estrangeiro, Bille August, numa co-produção da Costa do Castelo Filmes, e tem como nuances o número de salas existentes em diferentes momentos destes 40 anos, mas também a potência do cinema como fonte de entretenimento em diferentes épocas com mais ou menos alternativas.

Tentação, de Joaquim Leitão

, fenómeno de sucesso dos anos 1990 estreou-se a seguir ao dia de Natal de 1997 para chegar aos 361 mil espectadores - número que, como assinala o ICA, corresponde a dados dos distribuidores visto que só desde 2004 é obrigatória por lei a comunicação ao instituto dos resultados das estreias por parte dos promotores de espectáculos. Ocupa a terceira posição de uma lista que volta ao século XXI com

7 Pecados Rurais

(2013), de Nicolau Breyner, que chamou 324 mil pessoas aos cinemas com as personagens do programa TeleRural da RTP1.

Filme da Treta

, de José Sacramento, é o único título de 2006 no top em que ocupa a 5.ª posição com quase 279 mil espectadores, após a qual

O Lugar do Morto

, de António-Pedro Vasconcelos, nos devolve a 1984 e a uma audiência de 271 mil pessoas.

Balas & Bolinhos – O Último Capítulo

(2012), de Luís Ismael, é o filme que se segue, em sétimo lugar nos mais vistos das últimas quatro décadas portuguesas com 256 mil bilhetes vendidos, estando o oitavo lugar ocupado por

Adão e Eva

, novamente de Joaquim Leitão e novamente da década de 1990 – o filme, tal como

Tentação

é uma co-produção com a SIC, associada ao advento das televisões privadas em Portugal. É de 1995 e conseguiu 254 mil espectadores.

Leonel Vieira volta a aparecer na lista em nono lugar com a sua segunda longa-metragem, Zona J, que em 1998 levou 246 mil pessoas ao cinema e que também é uma co-produção com a SIC que levou o filme à grelha do canal. O factor televisivo volta a introduzir-se no top 20 quando chegamos ao décimo lugar – Morangos com Açúcar – o filme, realizado por Hugo de Sousa, estreou-se em Agosto de 2012 e recebeu 238 mil espectadores.

O segundo filme de António-Pedro Vasconcelos na listagem ocupa a 11.ª posição. Call Girl é o regresso de Soraia Chaves, depois do breakthrough de O Crime do Padre Amaro, ao cinema neste título de 2007 que obteve 232 mil espectadores em sala. A entrada seguinte a ninguém pertence – ou pelo menos não tem crédito de realizador devido ao desentendimento entre o produtor Alexandre Valente e o realizador que discorda da versão final, João Botelho: Corrupção, de 2007 e com base no livro de Carolina Salgado sobre a sua relação com o presidente do FCP Pinto da Costa, chamou 230 mil pessoas aos cinemas, seguido de Jaime, mais uma vez de António-Pedro Vasconcelos, que em 1999 vendeu quase 221 mil bilhetes.

Carlos Coelho da Silva volta a surgir entre os mais vistos desde 1975 com Amália – O Filme, projecto que teve também uma vida televisiva e que foi exibido perante 214 mil espectadores. Bille August é então o único estrangeiro na lista, com a sua Casa dos Espíritos (1994), Jeremy Irons, Meryl Streep e rodagem em Portugal a serem chamariz para 198 mil espectadores. Pesadelo Cor-de-Rosa, de Fernando Fragata, data de 1998 e vendeu 185 mil bilhetes, e à pergunta de Luís Galvão Teles A Vida é Bela…?! responderam 140 mil espectadores.

A transição para cinema da obra da série de literatura juvenil de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada Uma Aventura na Casa Assombrada (2009) está no 18.º lugar, o terceiro ocupado por Carlos Coelho da Silva, com 124 mil espectadores. Outra adaptação literária, desta feita de um clássico, é Os Maias – Cenas da Vida Romântica, de João Botelho, o filme português mais popular do ano passado, com 122 mil espectadores. A lista fecha-se em 1981, com José Fonseca e Costa e o seu Kilas, o Mau da Fita, que chamou aos cinemas no início da década de 1980 121 mil espectadores. 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações