Foto

Megafone

Análise ao Austrália-Nova Zelândia, parte IV

Qual foi a tua receita para os All Blacks venceram os Wallabies no próximo fim-de-semana?

Na quarta de seis análises de Francisco Branco e Luís Cassiano Neves ao Austrália-Nova Zelândia (27-19) do passado fim-de-semana, que ditou a conquista dos Wallabies do Rugby Championship e que serão publicadas até quinta-feira, Luís Cassiano Neves coloca uma questão sobre a partida a Francisco Branco.

 

Luis Cassiano Neves: Francisco, estás no balneário “caseiro” na catedral de Eden Park e sabes que os “teus” All Blacks vão ganhar, porque estiveram uma semana a reforçar o que fazem bem, mas também a identificar as áreas em que os Wallabies são vulneráveis. O que foi que disseste aos “teus” jogadores? Qual foi a tua receita para a vitória? Onde é que a Austrália está mais desprotegida?

 

Francisco Branco: Os All Blacks podem (ou mesmo devem) ganhar qualquer jogo. Mas nunca podem entrar em campo a achar que já ganharam. Essa foi uma das coisas que custou o Rugby Championship deste ano e o jogo em Sidney.

 

Tradicionalmente a equipa neozelandesa é uma equipa que se destaca das outras pela qualidade com que executa os skills básicos. Essa seria a minha principal mensagem: “Fazer o básico bem feito”. Foram esses pequenos detalhes que faltaram no jogo do último fim-de-semana e que permitiram que os Wallabies crescessem e acabassem por ganhar o jogo.

 

Lembrava também que esta é a última Bledisloe Cup de jogadores como Carter, Conrad Smith, Nonu e Richie. Para estes, que foram os maiores entre os grandes, não há uma próxima oportunidade de voltar a ganhar tão importante trofeu.

 

Tacticamente, não mudaria muito da estratégia inicial. Procuraria apenas garantir que os pontas teriam bolas de qualidade e com espaço, procurando o 1x1 com o Ashley Cooper (apesar de ter sido um dos melhores em campo no ultimo fim de semana, acho que perante a velocidade dos pontas All Blacks, terá dificuldades).

 

Acho, também, que seria muito importante os All Blacks terem avançados dominadores. Penso que a Austrália vai basear a sua estratégia numa repetição da supremacia que teve no pack avançado. Se conseguirem contrariar isto, será um duro golpe para a austrália que dificilmente terá argumentos para contornar.

 

Por fim, apelaria a uma defesa sem piedade. Se há equipa que pode conseguir elevar ainda mais a intensidade do jogo são os All Blacks. Pediria, sem dúvida, aos meus jogadores que fossem intratáveis na defesa. Que, mantendo o sistema táctico, quando chegasse ao momento da placagem, não houvesse australiano que ficasse de pé. Que fossemos tão fortes a defender que a melhor opção que poderá ter o nosso adversário seja devolver ao pé.

Focando-se nestes três aspectos, e nos alicerces providenciados pelos fortes valores da equipa, a vitória não só é possível como se torna provável.