Coligação usa fotos de bancos de imagens nos cartazes

Modelos estrangeiros estão a promover resultados da governação na área da igualdade e exportações

Foto

A coligação PSD/CDS usa fotografias compradas em bancos de imagens para ilustrar os cartazes que estão na rua, confirmou ao PÚBLICO José Matos Rosa, director de campanha do PSD. Os cartazes sobre igualdade e exportações têm imagens de pessoas que aparecem em campanhas publicitárias de outros países.

“Compramos as imagens a bancos de imagens”, assume José Matos Rosa, secretário-geral do PSD, que considera ser o procedimento habitual em comunicação.

Em causa estão os cartazes que estão a promover resultados das políticas do governo PSD/CDS. Um dos cartazes é sobre igualdade, garantindo haver “mais mulheres no mercado de trabalho” com uma fotografia de uma jovem que também foi usada por um instituto de formação na Austrália e por uma consultora jurídica em França. O mesmo aconteceu com um cartaz sobre “recorde de exportações” em que a fotografia é de um modelo francês. A utilização de imagens de estrangeiros nos cartazes da coligação foi denunciada nas redes sociais por socialistas, designadamente por Eurico Brilhante Dias, antigo membro da direcção de António José Seguro e actual candidato a deputado nas listas do PS.

“Em publicidade e comunicação é normal servimo-nos de bancos de imagens. Estamos a fazer tudo correctamente, não temos nada a esconder”, afirma oresponsável do PSD, afastando qualquer semelhança com a polémica dos cartazes do PS. No caso dos socialistas três figurantes davam a cara por uma alegada situação pessoal de desemprego quando eram funcionários da Junta de Freguesia de Arroios e não terão dado autorização para a sua imagem ser usada naquela campanha.

José Matos Rosa assegura que mesmo nos tempos de antena ou noutras acções do partido os figurantes convidados “assinam uma declaração em como aceitam participar”.

A polémica em torno dos cartazes do PS começou por incidir numa referência temporal do desemprego que remontava ao governo liderado por José Sócrates. Mas agudizou-se quando o jornal online Observador noticiou, na passada sexta-feira à noite, que uma das figurantes não autorizou a utilização da sua cara no cartaz e que a sua história não correspondia à situação descrita na campanha. O PS foi obrigado a pedir desculpas públicas e retirou os cartazes. O caso fez rolar a cabeça do director de campanha, Ascenso Simões, que foi substituído por Duarte Cordeiro.