Câmara de Lisboa contratou mais de 800 mil euros de marketing com Vítor Tito

Novo director da campanha socialista prometeu "campanha sóbria".

Câmara de Lisboa disponibiliza 2,5 milhões de euros para o Orçamento Participativo, metade do que era habitual
Foto
António Prôa pediu “mais eficácia, mais transparência, mais respeito” no orçamento participativo Pedro Cunha

O PS continuava esta segunda-feira sem revelar o autor dos cartazes retirados das ruas este fim-de-semana. Vítor Tito, publicitário do Porto e administrador da BBZ, empresa de publicidade e marketing desmentiu ser o responsável.

O PÚBLICO sabe, no entanto, que a relação deste empresário com o actual secretário-geral do PS António Costa e com a Câmara de Lisboa tem alguns anos.

Um ex-dirigente nacional do PS, que solicitou o anonimato, confirmou ao PÚBLICO a colaboração de Vítor Tito, a título individual, em campanhas políticas do PS. Outro socialista, com responsabilidades a nível concelhio, explicou a forma como o director da BBZ apoiou os socialistas ao longo dos últimos anos. “O Tito, não a empresa dele, tem realizado algumas colaborações, de há alguns anos para cá, com António Costa”, resume. Um dos exemplos desse apoio informal ocorreu durante a campanha interna que conduziu Costa à liderança do PS. Colaborou também na preparação da campanha de Manuel Pizarro às autárquicas no Porto: “Reunia de vez em quando para dar alguns inputs”.

Ao que o PÚBLICO apurou, a relação com António Costa vem da Câmara. A BBZ trabalha para o município de Lisboa na sua área de mercado. Foi isso que Vítor Tito assinalou quando reagiu a uma notícia do DN. Ao site do Observador, que também se referiu a este assunto, Vítor Tito assegurou que a BBZ “nunca, mesmo nunca, teve qualquer contrato de colaboração ou de prestação de serviços com qualquer partido ou organização partidária”. E acrescentou não ter facturado “um cêntimo a qualquer organização política ou partidária”.

Já com a câmara de Lisboa, a BBZ de Vítor Tito trabalhou. De acordo com os dados públicos disponibilizados no site Base.gov.pt, a câmara municipal da capital celebrou, entre Dezembro de 2008 e Outubro de 2014, 16 contratos por ajuste directo com a BBZ. A prestação de serviços na área do marketing e publicidade rendeu à empresa de Vítor Tito um total de 818 mil euros nesse período de tempo. O contrato mais recente data de Outubro do ano passado. A Câmara acordou o pagamento de 32.500 euros pela “Aquisição de Serviços para Concepção, produção, montagem e desmontagem de Stand e concepção de material de divulgação para apresentação da CML no Salão Imobiliário de Lisboa”.

Em Dezembro de 2012, por exemplo, a edilidade pagou 157 mil euros por uma “Campanha de Sensibilização na área da gestão dos resíduos urbanos e limpeza pública na cidade de Lisboa denominada Não Há Volta a Dar”. E, em 2009, pagou 140 mil euros por um conjunto de “spots de TV e rádio” contratados pelo Departamento de Higiene e Resíduos Sólidos da Câmara.

O PÚBLICO tentou contactar Vítor Tito através da sua empresa e do seu correio electrónico pessoal. Vitor Tito não respondeu às solicitações deste jornal.

Depois do fim-de-semana turbulento, o PS colocou online, esta segunda-feira, a sua campanha digital da candidatura às legislativas. Sobre a polémica dos cartazes, nem mais uma palavra. Os socialistas escusaram-se a divulgar de quem era a autoria dos outdoors onde surgiam figurantes ao lado de frases que, veio a saber-se, não retratavam a situação dos próprios: desemprego, emigração e precaridade.

“O PS já disse tudo o que tinha a dizer, o assunto está encerrado”, resumia nesta segunda-feira a assessora de imprensa de António Costa. No entanto, confirmava que a campanha digital apresentada é da responsabilidade de Edson Athaíde, o publicista contratado pelos socialistas e cujos cartazes motivaram polémica em alguns sectores do partido.

Além do site, costa2015.pt, ficaram também disponíveis as contas nas redes sociais, incluindo no Facebook, onde o novo director de campanha, Duarte Cordeiro, definiu os seus objectivos para o novo cargo. "Teremos uma campanha sóbria, mas com alegria e confiança no futuro de Portugal, apostando no esclarecimento cabal das eleitoras e dos eleitores. Para tal, iremos motivar muitas iniciativas de rua que envolvam todo o Partido e todos os candidatos. Será pelo contacto directo com o maior número de pessoas que reforçaremos o apoio ao PS", lia-se ontem num ‘post' publicado pelo responsável que veio da câmara de Lisboa na sua página na rede social Facebook.

No sábado, os cartazes polémicos já estavam a ser substituídos. Em vez dos figurantes, surge agora como protagonista o próprio António Costa, com o slogan “Confiança”.  A conferência de imprensa de apresentação de novos materiais de campanha do partido, como as novas páginas na net e o jornal de campanha, que estava prevista para ontem acabou por ser desconvocada.