PSD-Lisboa questiona câmara sobre campanha do PS

O presidente da concelhia do PSD quer saber se a Câmara mantém a confiança política em Margarida Martins após o uso de funcionários em campanha do PS.

Fotogaleria
Margarida Martins, presidente da Junta de Freguesia de Arroios, remete responsabilidades para o PS DR
Fotogaleria
Os cartazes polémicos DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

O líder da concelhia de Lisboa do PSD, Mauro Xavier, declarou ao PÚBLICO que vai questionar a Câmara Municipal de Lisboa sobre se “tenciona manter a confiança política na presidente da Junta de Arroios”, assim como pretende questionar Margarida Martins sobre “se vai ou não assumir a responsabilidade pelos seus actos”.

Mauro Xavier declarou-se “revoltado com a utilização de funcionários da junta para a campanha eleitoral do PS” e considerou que tal utilização “não é normal quando é paga por dinheiro público”.

O líder da concelhia do PSD de Lisboa alega que a justificação de que se trata de voluntários não faz sentido, porque em causa estão “estagiários do programa de emprego do centro de emprego”. E conclui: “Tanto não é normal que as pessoas se sentiram incomodadas e vieram a público manifestar o seu incómodo.”

Assim, Mauro Xavier garante que na próxima reunião do município o PSD vai questionar “a câmara sobre se se revê nesta conduta e se considera que ela pode ser repetida por outros presidentes de junta ou se vai retirar a confiança política à presidente da junta de Arroios”.

No sábado, a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins, declarou à Lusa que a responsabilidade da utilização das fotografias dos colaboradores da junta na campanha do PS é da organização do partido, assegurando que apenas fez a ligação entre as duas partes.

A polémica nasceu com a afixação de quatro cartazes temáticos pelo PS para ilustrar o lado humano do desemprego. Só que três dos quatro retratados contestaram a utilização das fotos que assumem ter tirado voluntariamente para a campanha do PS, mas sem saberem que se destinavam concretamente a figurar nestes cartazes. Na sexta-feira ao fim da tarde o jornal online Observador noticiava que três dessas pessoas são colaboradores da Junta de Freguesia de Arroios, em Lisboa.

Margarida Martins afirma, na nota enviada à Lusa, que a sua intervenção apenas se centrou no contacto entre os colaboradores da junta e a organização do PS e que “a responsabilidade do que se passou, posteriormente, é da organização de campanha do partido”.

A autarca, que foi eleita pelo PS, confirma que foi contactada pela organização da campanha socialista “no sentido de identificar possíveis figurantes para integrarem uma campanha de ‘outdoors’ que iria sair brevemente”.

Nesse contexto, explica Margarida Martins, falou “com alguns colaboradores da Junta de Freguesia no sentido de saber se queriam ou não integrar a campanha” e que “alguns colaboradores aceitaram, de forma voluntária, a participar enquanto figurantes”.

Nesse sentido, Margarida Martins (ex-presidente da associação Abraço) diz ter “partilhado os respectivos contactos dos colaboradores com a organização da campanha do PS”, mas que a sua intervenção no processo “terminou nesse preciso momento”.

Numa nota enviada na sexta-feira à noite, o PS pediu desculpas públicas às pessoas envolvidas nos cartazes do partido e “solicitou esclarecimentos pormenorizados aos fornecedores e prestadores de serviços, bem como todas as informações necessárias a que se possa avaliar o procedimento seguido”. E assumia que os cartazes temáticos sobre desemprego não eram da responsabilidade de Edson Athayde, publicitário que trabalhou com António Guterres e que o PS agora voltou a contratar.

O PS mantém, entretanto, os quatro cartazes colocados em quatro pontos da cidade de Lisboa, mas lançou este fim-de-semana um cartaz nacional ainda da série sobre a confiança, em que a cara do secretário-geral, António Costa, é ladeada pela frase "É tempo de confiança".

A polémica sobre os cartazes do PS começou na quinta-feira com a reacção critica aos mesmos que se espalhou nas redes sociais. Entre as reacções negativas ao cartazes temáticos do PS sobre desemprego destacaram-se alguns membros da anterior direcção do PS, liderada per António José Seguro. Nessas criticas destacaram-se figuras como os ex-membros do secretariado nacional e ex-deputados António Galamba e Manuel Laranjeiro. com Lusa