Opinião

Racismo e muros, voltem estão perdoados

O teste dos líderes europeus estará na sua capacidade de terem presente que o fim último da União Europeia é a preservação da Paz na Europa.

A profunda crise em que a Europa, e não só a Grécia, está mergulhada, envolvida numa complexa e perigosa crise internacional, fez-me recordar três frases.

Uma de Marcello Mathias, nas “Memórias da Abuxarda”: “os eurocratas são burocratas que não gostam dos povos”. Como é certeira para quem conhece por dentro o mundo das instituições europeias.

A segunda é de Merkel, que afirmou que se acabar o consenso acaba a Europa. Consenso em europês quer dizer uma solução em que todos se podem rever, mesmo se a maioria, ou mesmo todos, ficam parcialmente insatisfeitos. O consenso foi durante décadas a força da Europa. Por isso os iniciados arrepiavam-se quando os recém-chegados falavam de votos ou vetos.

A terceira escrevi-a eu há anos e incluí-a num artigo há tempos aqui publicado. Dizia que a História está repleta de tragédias e catástrofes causadas pela falta de clarividência dos dirigentes. Acrescentava que “a integração europeia foi o maior rasgo de lucidez da História” e concluía que “seria trágico que a geração que herdou esta construção sem precedentes, em que uma geração soube construir sobre a experiência da anterior, desbaratasse essa herança, logo quando os valores que arvorava pareciam poder ter vencimento universal”

É o que está a suceder. A Europa já não negoceia com a Grécia. Negoceia contra a Grécia. Que é Europa…Os eurocratas, liderados e reforçados pela posição do ministro das Finanças alemão, que não esconde o ódio e o desprezo (veja-se a inquietante expressão corporal da “piada” sobre Porto Rico) por quem ousa contestar e desafiar a sua receita para a crise. Não querem resolver a crise do Euro. Querem impor a superioridade da ética calvinista à alegada maior plasticidade das sociedades de tradição católica e ortodoxa e levar até ao fim a receita de austeridade, que não aceitam rever, mesmo face às suas evidentes insuficiências.

Entrou-se numa espiral de recriminações, de embates nacionalistas, destruindo a confiança, esquecendo a prevalência do interesse comum, fundamento da União. Iniciou-se um processo de fragmentação e de luta pela imposição do poder de uns sobre os outros, que os dirigentes europeus, aparentando uma alarmante ignorância histórica, não parecem compreender pode levar a um ambiente propício ao regresso dos velhos fantasmas que assombraram a Europa no século XX. Era bom ter presente que o custo que verberam da solução da actual crise financeira é muito menor do que poderá ser o de uma Europa de novo lançada num a ambiente de hostilidade.

Tudo isto enquanto vêm desaguar nas praias europeia os quase cadáveres das crise que os erros das politicas ocidentais ajudaram a multiplicar e se afirmam por vários países europeus ideologias xenófobas e racistas que vão erguendo novos muros, de pedra ou ideológicos, assim se espezinhando os valores basilares da Europa, perante a aparente indiferença dos seus líderes.

É tempo de parar. De procurar inspiração nos Pais da Europa, mas também nos vencedores da segunda guerra, de Churchill a Schumann, de Monnet a Adenauer, de De Gaulle a De Gasperi. Os membros da União Europeia devem voltar a negociar uns com, e não contra, os outros. Ter a noção que não se trata de impor os cumprimento de regras - que aliás convenientemente se esquece quase todos violam – mas repensar se essas são as regras adequadas a cada situação. Há que encontrar uma solução pragmática baseada nos princípios dos Tratados para a urgência grega – só não será possível se não houver vontade política. Mas há que ter a coragem de rever as insuficiências da arquitectura do Euro, para o dotar de todos os instrumentos de uma verdadeira moeda única aplicável às assimetrias económicas das regiões que a integram. E bem assim desenhar uma política de saneamento financeiro compatível com o crescimento e que não sobrecarregue com medidas regressivas países em regressão.

No outro dia, fazendo zapping entre notícias sobre o Eurogrupo e o fel derramado por alguns dos seus membros, vi imagens da miséria dos deslocados alemães que se arrastavam pelos caminhos da Europa no fim da segunda guerra. Tenho um querido amigo que me contou a sua experiência pessoal quando, então, se deslocou a pé da Prússsia Oriental para ocidente. Trabalhámos muitos anos juntos, e sublinho o juntos, nas instâncias europeias, com o entusiamo de quem acreditava que a integração garantia que tal não voltaria a acontecer. O teste dos líderes europeus estará na sua capacidade de terem presente que o fim último da União Europeia é a preservação da Paz na Europa. Fim que tem de se sobrepor a dificuldades conjunturais, por graves que sejam, as quais têm de ser ultrapassadas em conjunto e não por imposições de uns sobre outros.

Embaixador reformado

Sugerir correcção