Bairro de autoconstrução ganha anfiteatro e novos acessos em Marvila, Lisboa

Neste bairro situado no Vale Fundão, e construído pelas famílias que o começaram a ocupar entre 1972 e 1973, vivem 2500 pessoas.

Foto
Quando o PÚBLICO visitou o local, em Maio, as obras ainda estavam a começar Daniel Rocha/Arquivo

O bairro Prodac Sul, edificado na década de 1970 em Marvila, Lisboa, vai ganhar um anfiteatro ao ar livre e novos acessos à parte norte, o que vai “potenciar o convívio” entre os moradores, segundo o município.

“Hoje [quinta-feira] inauguramos duas iniciativas escolhidas pela população”, disse à agência Lusa a vereadora da Habitação, Paula Marques, referindo-se ao anfiteatro ao ar livre que irá “potenciar o convívio, num espaço já arborizado mas que não tinha infra-estrutura”, e a novas acessibilidades que irão ligar as duas zonas do bairro (sul e norte), separadas por uma azinhaga.

Segundo a autarca, foi feito um reperfilamento dos passeios e criou-se uma zona de atravessamento. “Quem esteve a executar trabalhos foram os próprios moradores”, acrescentou Paula Marques.

Neste bairro situado no Vale Fundão, e construído pelas famílias que o começaram a ocupar entre 1972 e 1973, vivem 2500 pessoas. Ali existem cerca de 450 fogos não licenciados, alguns dos quais edificados na década de 1970.

Em 1971, os terrenos em causa, de propriedade municipal, foram cedidos a título precário à Associação de Produtividade na Autoconstrução (PRODAC), para a construção de edifícios de habitação dos seus sócios e respectivos agregados familiares.

Actualmente, está em curso a “regularização urbanística das habitações”, apontou Paula Marques.

Este processo começou em 2009, quando a Associação de Moradores do Bairro Vale Fundão entrou em contacto com a Câmara para pedir a regularização dos fogos.

No ano seguinte, a população, em parceria com um ‘atelier’ de arquitectura, “começou a fazer o B.I. [bilhete de identidade] de cada casa e, assim, começou a instruir o processo de regularização do edifício”, com informações sobre as partes comuns e a área de cada fogo, explicou Paula Marques.

No bairro Prodac Norte, onde existe apenas vivendas, já foram emitidas as primeiras 24 licenças de utilização.

Seguir-se-á o bairro Prodac Sul, onde 98% dos moradores já aderiram à ideia de criar um B.I. da sua casa, assinalou Paula Marques.

O projecto, que inclui a criação deste anfiteatro e destas novas acessibilidades – que serão inaugurados numa cerimónia que se inicia às 19h00 na Rua Pedro de Azevedo –, foi um dos vencedores da edição do ano passado do programa dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP), garantindo um financiamento de 50 mil euros por parte do município.