Karaoke com Amy Winehouse

É um equilíbrio ambíguo: para existir o filme tem de participar do circo que denuncia.

Foto
Amy: para existir o filme tem de participar do circo que denuncia DR

startIndex cannot be larger than length of string. Parameter name: startIndex
ARTIGO_CINEMA

obre essas imagens aparecem no ecrã as palavras que Amy escrevia para as canções. O que pode servir para uma espécie de karaoke interior de um espectador emocionado. Mas funciona também como certificado de validade: sendo as palavras uma síntese, caucionada pela protagonista, da sua vida, se ela assim se expôs, o documentário de Asif Kapadia – nisso o filme é astuto – permite-se utilizar toda a gama de material que na sua essência é violador - fotos na casa de Camden no momento de consumo de drogas, a coca na mesa, as folhas de alumínio... -, integrando-se na máquina autodestrutiva sem fazer grandes perguntas. É como se se protegesse no karaoke, sobrevoando palavras, canções, imagens, emoções, sem questionar procedimentos. É um equilíbrio ambíguo: para existir o filme tem de participar do circo que denuncia, mexendo nos materiais sem os questionar - se o fizesse, talvez não existisse filme.

 

Sugerir correcção
Comentar