Depois do Verão, Wildwood fica sozinha

O fotógrafo norte-americano Mark Havens captou a quietude de Wildwood fora do seu período estival, durante o qual chega a receber 250 mil pessoas. A série Out of Season tem um olho nas transformações e outro na nostalgia.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Quando os turistas se vão embora, Wildwood fica assim. Sozinha com os seus hotéis modernistas, os neons que remetem para paragens distantes e as memórias de décadas como palco de férias de muitas famílias, como a de Mark Havens. O fotógrafo norte-americano captou a quietude desta cidade fora do seu período estival, na série Out of Season, com um olho nas transformações e outro na nostalgia.

Este Verão será o 44.º consecutivo que Mark Havens vai passar férias com a família em Wildwood. Antes dele já a avó tinha começado a frequentar esta pequena cidade no sul do estado de New Jersey, durante a década de 1930. “Durante muitos anos, quatro gerações da nossa família encontravam-se lá em simultâneo”, diz ao PÚBLICO por e-mail. Havens recorda a viagem de duas horas desde Filadélfia, onde pela janela do carro as ruas da cidade davam lugar aos subúrbios, aos campos agrícolas e aos sapais, até chegarem ao destino.

Mas o que fascina Havens é a própria Wildwood. Uma pequena cidade balnear com cerca de 5000 habitantes que no Verão chega a receber 250 mil pessoas.

Começou a fotografar os móteis na época alta mas desistiu - “os carros estacionados obscureciam a arquitectura dos edifícios”. Decidiu então passar para a época baixa mas os problemas continuaram – “os hotéis estavam fechados e totalmente às escuras, quase inexpressivos”. “Acabei por perceber que tinha apenas duas janelas de tempo muito pequenas para captar as imagens que tinha imaginado: o início e o final da época turística”, afirma. Nessa altura, as piscinas estavam cheias de água, as cadeiras e palmeiras de plástico já estavam no exterior, os neons estavam acesos mas não havia ninguém por perto. “Foi esse um dos motivos pelos quais o projecto demorou tanto tempo.” Dez anos, mais precisamente.

A história do projecto Out of Season articula-se ainda com o percurso do próprio fotógrafo. Foi com ele que começou a fotografar e foi através dele que foi desenvolvendo e apurando a sua técnica, desde o analógico ao digital. “Quando comecei não fazia ideia do que estava a fazer. Agora o projecto já conta com mais de 13.000 fotografias”.

São imagens que captam os motéis de Wildwood isolados numa atmosfera quase deserta. “Começou como uma medida prática mas rapidamente se transformou num elemento primário da afirmação artística que procurava com este projecto”, afirma Havens. “Percebi que o isolamento acaba, na verdade, por clarificar as fortes linhas arquitectónicas e, mais importante ainda, serve como analogia do problema principal: muitos destes edifícios estão vazios não apenas porque o Verão terminou mas porque nós, enquanto cultura, avançámos.” Na verdade, muitos dos edifícios que Havens fotografou já não se encontram de pé hoje em dia. É também por isso que o autor do projecto acredita que este se debruça acima de tudo sobre a "inexorável passagem do tempo e aquilo que fica do seu rasto”.

“Durante um tempo, parecia que quanto mais fotografasse mais rápido os hotéis pareciam ser demolidos. Um par de vezes, eu estava mesmo a fotografar a fachada de um motel enquanto os operários demoliam as traseiras”, lamenta Havens. O fotógrafo, que também dá aulas na Universidade de Filadélfia, aponta como um dos motivos para esta transformação da cidade o facto de outros locais mais exóticos estarem agora ao alcance, em termos financeiros, dos mesmos turistas que há algumas décadas rumavam a Wildwood. “A população do pós-II Guerra Mundial, para os quais estes móteis foram construídos originalmente, nunca puderam comprar umas férias nas Caraíbas, mas podiam ir até Jersey Shore e ficar num motel com uma temática Caribenha.”

Mas também a arquitectura dos edifícios acaba por determinar também o seu declínio: “a arquitectura dos móteis encontra-se em directa oposição às nossas atitudes prevalentes sobre comunidade. Estas estruturas foram desenhadas para gerar comunidade. Todos os quartos estavam virados para uma varanda comum em redor de uma piscina comum virada para a rua e para outros hotéis similares. Uma sensação de abertura e de comunidade estava inerente nesta ordenação.”

Foi com essa sensação de risco e de desaparecimento a pairar sobre estes imóveis que o projecto avançou ao longo dos anos. “Mais de metade dos edifícios modernistas de Wildwood desapareceu. Espero que, em certa medida, Out of Season chame a atenção para o valor que reside nestes tesouros raros.”

Depois de uma série de exposições,  Mark Havens prepara a edição de um livro.