Aberto concurso para privados executarem e explorarem mobilidade no Tua

Prazo para apresentação das propostas termina a 28 de Agosto.

A linha do Tua vai continuar a funcionar, mas apenas parcialmente, e em dois troços separados
Foto
A linha do Tua vai continuar a funcionar, mas apenas parcialmente, e em dois troços separados Manuel Roberto

O plano de mobilidade do Tua, em Trás-os-Montes, ganhou um novo formato com as autarquias a pretenderem que sejam os privados os responsáveis pela execução e exploração, informou a agência responsável pelo projecto. Eventuais interessados têm agora um mês, em pleno Verão, para apresentarem propostas de Concepção, Construção, Fornecimento, Exploração, Manutenção e Conservação do Sistema de Mobilidade da zona afectada pela barragem de Foz-Tua.

A agência acaba de lançar o concurso público, com um prazo até 28 de Agosto, para apresentação de propostas. Este plano é a principal contrapartida pela construção da barragem e consequente submersão de parte da Linha do Tua. Inicialmente, admitia-se que seriam as autarquias, através da Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua, a executar as ligações rodoviária, fluvial e ferroviária, cuja exploração seria entregue a privados. Mas os parceiros mudaram de ideias.

Se o propósito era entregar a exploração a operadores privados porque não entregar tudo?, adiantou o director executivo da agência, José Silvano. A agência garante a potenciais interessados 10 milhões de euros já disponibilizados pela EDP, sendo que o plano, que tem um custo global de 30 milhões de euros, é elegível para fundos comunitários. As entidades públicas envolvidas alegam ainda que, se executassem o plano e entregassem a exploração a privados, o montante financiado por fundos comunitários teria de ser devolvido.

José Silvano adiantou à Lusa que nos estudos preparatórios realizados foram abordadas empresas “e houve algumas que mostraram interesse”. “Vamos ver se se concretiza”, afirmou. Caso não apareçam interessados no concurso, o director da agência vaticina que “o problema que se vai por é a viabilidade deste projecto”.
“Se não houver interessados, tem de se rever todo o sistema”, assumiu.

O plano de mobilidade será desenvolvido no âmbito das contrapartidas da construção do Aproveitamento Hidroeléctrico de Foz-Tua, concessionado à EDP, que prevê, em 2016, a entrada em funcionamento da barragem que abrange os concelhos de Alijó e Murça, no distrito de Vila Real, e Mirandela, Carrazeda de Ansiães e Vila Flor, no distrito de Bragança.

A barragem vai submergir mais de 15 quilómetros da Linha do Tua, onde a circulação ferroviária está suspensa há quase sete anos, depois de quatro acidentes com outras tantas mortes, antes do início da construção barragem, em Fevereiro de 2011.

O plano de mobilidade visa a prestação de serviços de transporte rodoviário, fluvial e ferroviário capazes de “assegurar o serviço de transporte público da linha férrea do Tua no troço a inundar, de modo a garantir e salvaguardar os interesses e a mobilidade das populações locais e potenciar o desenvolvimento socioeconómico e turístico” conforme consta na Declaração de Impacte Ambiental (DIA).

O plano multimodal estabelece a ligação entre os diferentes pontos da foz do rio Tua, onde está a ser construída a barragem, e Mirandela, numa extensão de cerca de 62 quilómetros servida por ferrovia até Agosto de 2008.