Sweet Bigas: overnight oats

Semanalmente, ao sábado, Ana Chaves, autora do blogue Sweet Bigas vai sugerir uma receita aos leitores do P3

Ana Chaves
Fotogaleria
Ana Chaves
Ana Chaves
Fotogaleria
Ana Chaves

Assim que acordo os rituais são invariavelmente os mesmos: preparar torradas ou uma taça de iogurte e dividir o tempo e o afecto entre a fatia de pão e uns olhos pequeninos muito interesseiros. Numa dessas vezes, pus-me a pensar em como seriam as manhãs dos responsáveis pelo novo Acordo Ortográfico — assunto polémico, de resto.

Tendo escrito afecto e não querendo roubar letras a sentimentos nobres, assumo a minha posição e acrescento que me parece óbvio que as pessoas que formam estes grupos de trabalho (expressão pomposa que significa muito pouco em termos práticos), não tomam pequenos-almoços adequados nem dormem noites tranquilas.

Não foi pelo AO90 que o mercado brasileiro se abriu ao português ou, dito de outra forma, que os livros escritos em Português de Portugal passaram a ter mais receptividade além-mar. Este acordo não só tem os seus pressupostos gorados, como conseguiu a proeza de tornar diferentes mais de 500 vocábulos que antes se grafavam da mesma forma... quando a intenção era, vejam só, “esbater as diferenças ortográficas”, como diz Carlos Reis, uma das principais vozes a favor.

Nestes breves minutos matutinos, o focinho negro que já está pousado na minha perna não faz ideia do quão longe os meus pensamentos me levaram e eu ainda estou ali, a trincar a mesma fatia de pão, entretanto já fria.

Passaram-me também pela ideia os milhões de livros e materiais didácticos que serão inutilizados nas bibliotecas escolares, no caos implícito nas “facultatividades” (à vontade do escrevente) e nos PALOP, à mercê de uma grafia que só serve (e mal) dois países: Portugal e Brasil.

A tábua rasa que é feita da língua pode ir-se atirando para o Lince (ele próprio com dúvidas) e vamos resistindo até ao último segundo. Mas, e se nos opusermos para lá do tempo? Somos presos e açoitados? Senti-me levemente constrangida depois de ler “essas pessoas podem ter as opiniões que quiserem, mas têm de seguir o programa definido”, numa entrevista do professor supracitado ao Expresso.

O assunto, está bom de ver, nada tem que ver com papas de aveia que refrigeram toda a noite no frigorífico — e também não é igualmente prazeroso — mas quando acordamos não podemos ser demasiado exigentes. Nem connosco, nem com as pessoas que formam grupos de trabalho.

Do que precisas:

3 colheres de sopa de flocos de aveia (preferencialmente finos)

5 colheres de sopa de água

1 iogurte grego natural

1 colher de sobremesa (cheia) de sementes de chia

Vamos a isto:

1. Num frasco de vidro esterilizado, junta a aveia com a água e leva ao frigorífico cerca de 30 minutos.

2. Findo esse tempo, mistura o iogurte com a chia, adiciona ao preparado anterior e deixa repousar durante a noite no frigorífico.

3. De manhã, antes de comer, podes acrescentar outros ingredientes que gostes: fruta, mel e canela, por exemplo.