Juncker diz que Portugal se opôs a reestruturação da dívida grega antes das eleições

Numa entrevista ao jornal belga Le Soir, o presidente da Comissão Europeia revela que Portugal, Espanha e Irlanda se opuseram a um acordo de reestruturação da dívida grega antes de se realizarem as eleições nos seus países. Passos Coelho já veio dizer que deve haver "alguma confusão".

Foto
Juncker e Passos desta vez não estão afinados Rui Gaudêncio

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker revelou, numa entrevista ao diário belga Le Soir publicada esta quarta-feira, que Portugal se opôs a que um alívio da dívida pública grega fosse discutido antes das eleições legislativas.

Numa entrevista focada nas longas negociações com a Grécia, que segundo o presidente do executivo comunitário só terminaram com um acordo devido ao "medo", Juncker, questionado sobre a questão da (in)sustentabilidade da dívida grega, revelou que, pessoalmente, pretendia que uma discussão sobre a questão tivesse ficado desde já agendada para Outubro, ideia que mereceu a oposição de Irlanda, Espanha e Portugal.

"Eu disse há vários meses a (Alexis) Tsipras (o primeiro-ministro grego) que a questão da dívida iria ser levantada, que iriamos resolvê-la, a partir do momento em que ele tivesse aplicado as primeiras medidas de fundo. Nas conclusões do Conselho, há uma frase que diz 'após a primeira avaliação'. Eu, no primeiro texto que os gregos recusaram, disse Outubro, para que Tsipras tivesse uma conquista. Mas essa data acabou por ser rejeitada, porque alguns países, Irlanda, Portugal, Espanha, não o desejavam antes das eleições", revelou Juncker.

A elevada dívida pública da Grécia, que representa cerca de 180% do PIB, ou seja, quase o dobro da riqueza produzida, foi uma das questões mais polémicas ao longo das longas negociações entre Atenas e os credores internacionais, dividindo mesmo as instituições, com o Fundo Monetário Internacional a reclamar um alívio ou mesmo perdão parcial da dívida, que classifica da insustentável, algo que é rejeitado por países como a Alemanha.

No compromisso finalmente acordado a 13 de Junho, na cimeira da zona euro, sobre um terceiro programa de assistência à Grécia, ficou consagrado que a questão da dívida -- que poderá vir a ser aliviada através de um prolongamento dos prazos de pagamento e redução dos juros aplicados -- será analisada apenas depois da primeira avaliação ao terceiro programa de assistência, se esta for satisfatória.

Portugal e Espanha têm eleições legislativas este ano, sendo que, no caso português, a data do sufrágio (27 de Setembro ou 4 de Outubro) será esta quarta-feira à noite anunciada pelo Presidente da República.
 
O primeiro-ministro português considerou, em reacção a esta entrevista, que "deve haver alguma confusão do presidente da Comissão Europeia" ao ter afirmado que Portugal se opôs a que um alívio da dívida pública grega fosse discutido antes das eleições legislativas.

Em resposta a perguntas dos jornalistas, Pedro Passos Coelho disse que o que estava previsto era que as negociações ocorressem no final de Outubro, depois de uma primeira avaliação com êxito feita pelos credores: "Essas negociações aconteceriam sempre depois das eleições em Portugal".
 
Cavaco contraria Juncker
O Presidente da República disse ao início da tarde que as afirmações do presidente da Comissão Europeia de que Portugal se opôs à discussão do alívio da dívida pública grega antes das legislativas "não corresponde absolutamente nada" às informações de que dispõe.

"Não corresponde absolutamente nada àquilo que eu tenha informação e repito: o que múltiplos chefes de Estado e de Governo da Europa têm afirmado é que não há redução monetária da dívida, se há qualquer coisa nova que aconteceu hoje ou ontem [terça-feira] e que o senhor Juncker anunciou, o que posso dizer é que isso não corresponde aos documentos que foram aprovados e que me têm chegada à mão", afirmou Cavaco Silva.

O Chefe de Estado respondia em Mafra a questões dos jornalistas sobre a entrevista ao presidente da Comissão Europeia, publicada no diário belga Le Soir, no qual Jean-Claude Juncker revela que Portugal se opôs a que um alívio da dívida pública grega fosse discutido antes das eleições legislativas. "Penso que, se a afirmação é essa, faz pouco sentido, porque no documento que foi aprovado diz que não haverá redução monetária da dívida", disse Cavaco, no final de uma visita à Escola de Armas.

Insistindo que vários líderes europeus já afirmaram "categoricamente" que não haverá perdão da dívida, Cavaco Silva ressalvou que o que poderá existir é a extensão dos prazos de amortização e a redução dos juros e não "uma reestruturação da dívida no sentido da diminuição do valor monetário da dívida".

Pois, continuou, nenhum chefe de Estado ou de Governo quer neste momento chegar ao seu próprio país e anunciar aos contribuintes - "alguns com rendimentos muito mais baixos e per capita do que a Grécia" - que têm de pagar mais para a Grécia não satisfazer os seus compromissos em termos de reembolsos. "O que não quer dizer que mais tarde - por aquilo que já foi dito - não se pense na extensão dos prazos, na redução do pagamento de juros, mas isso é coisa diferente", acrescentou.

Em qualquer caso, frisou, esta questão "não tem qualquer relação com eleições em Portugal, em Espanha ou em qualquer outro país".