Universidade de Vila Real dá injecções em árvores para combater pragas

Os satélites detectam as árvores mais adequadas para as necessidades produtivas
Foto
Os satélites detectam as árvores mais adequadas para as necessidades produtivas Daniel Rocha/Arquivo

A Universidade de Vila Real anunciou que está a combater as pragas em árvores da cidade da Guarda através de injecções no tronco, um método amigo do ambiente e que não causa impacto no espaço urbano.

O trabalho está a ser feito por Luís Miguel Martins, investigador do Centro de Investigação em Tecnologias AgroAmbientais e Biológicas (CITAB) da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), com sede em Vila Real, após ter sido contactado pelo município da Guarda para encontrar uma solução para o controlo de pragas em árvores desta cidade.

Segundo explicou o docente, os "responsáveis" pelas pragas são insectos afídeos, que sugam a seiva e causam grande fragilidade e debilidade nas árvores.

Este tipo de insectos "picadores-sugadores" afectam sobretudo carvalhos, tílias, cerejeiras, entre outras espécies, e as consequências que provocam são os ramos secos, a queda prematura de folhas e a libertação, pelos insectos, de uma substância colante que flui para o piso e objectos circundantes à árvore afectada.

Para combater esta praga, o investigador está a aplicar injecções no tronco das árvores afectadas.

Esta injecção, segundo explicou, é aplicada, no sistema vascular da planta, com uma substância que tem um efeito repelente nos insectos causadores da praga.

"A endoterapia é um método de tratamento mais amigo do ambiente com baixo impacto comparativamente à pulverização convencional. Necessita de menos produto e não tem perdas pelo vento, para o solo ou para linhas de água", afirmou Luís Miguel Martins.

Por essas razões, o método "tem pouco impacto no espaço urbano, não obriga à instalação de faixas de contenção de estacionamento, de interrupção de trânsito ou sequer a medidas de protecção especiais em pessoas ou animais".

O responsável está também a testar a utilização de "insectos auxiliares", predadores das espécies que causam danos às árvores, com o objectivo de equilibrar as populações de insectos e evitar intervenções adicionais.

Os tratamentos começaram na segunda-feira e prolongam-se até sábado, período que coincide com a queda das flores, designadamente das tílias, "para não perturbar a visita das abelhas".

Este trabalho resulta de estudos sobre as árvores da Guarda, que a UTAD tem vindo a desenvolver desde Setembro de 2014, sob a coordenação de Luís Miguel Martins, e que envolve a realização do inventário arbóreo, diagnóstico e acompanhamento das intervenções realizadas no arvoredo.

O investigador disse que estes estudos são um "contributo importante para a preservação e valorização das árvores da cidade da Guarda", mas adiantou que esta investigação pode contribuir, também, "para conhecer e ajudar a manter a floresta urbana em outras cidades".

Sugerir correcção