BE tem “ideia radical” para o país e apela aos sonhadores: “o sonho ao poder”

Na apresentação da lista do Bloco por Lisboa, contrariou-se “chantagem” do voto útil. Sobre ideia de Hollande de criar governo de seis países na zona euro, Catarina Martins garantiu: “Portugal não será um país de segunda” na zona euro.

Fotogaleria
Mariana Mortágua na apresentação da lista do Bloco por Lisboa Miguel Manso
Fotogaleria
Catarina Martins acusou o Governo de “mentir despudoradamente” sobre questões como os apoios sociais Miguel Manso

Nestes quatro anos, em cada mês que passou, dez mil pessoas saíram do país à procura de trabalho. Em cada dia, mais de 220 postos de trabalho foram destruídos. Em cada hora, a dívida pública aumentou mais de um milhão de euros. Este foi o retrato do país feito pela líder do Bloco, Catarina Martins, nesta segunda-feira na apresentação da lista de candidatos por Lisboa nas eleições legislativas. A bloquista lamentou o “tamanho da destruição”, a “terraplanagem” que o Governo está a fazer do país.

Apesar da dureza do cenário traçado, houve lugar para a poesia, pela mão do deputado Pedro Filipe Soares, o número dois por Lisboa. Citou José Gomes Ferreira e apelou às “sonhadoras e sonhadores”: o Bloco quer levar “o sonho ao poder”.

O actual líder da bancada parlamentar criticou “a chantagem que se antecipa de votos úteis”, argumentando que “parece um disco riscado” e que nem PS, nem PSD “acreditam numa maioria absoluta”. Para este matemático de 36 anos, o que está em causa é a “eleição de deputados e deputadas” e não do primeiro-ministro. “Não escolhemos governos nas próximas eleições, mas deputadas e deputados”, disse, tendo já antes salientado que o BE tem feito a “diferença” com os seus parlamentares.

Uma dessas estrelas é precisamente Mariana Mortágua, a cabeça-de-lista por Lisboa e a deputada de 29 anos que deu que falar na comissão BES pelo estilo aguerrido e questões sem medo. Foi a economista que, no átrio do Cinema S. Jorge, disse que o BE tem uma ideia “radical” para o país. Um radicalismo que pretende combater a precariedade, as privatizações, as desigualdades sociais, as dificuldades das famílias. Um radicalismo que quer defender os reformados, as mulheres, a Palestina.

E citou exemplos para ilustrar a “má governação” destes anos: as filas nos “centros de desemprego”, a EDP “a contratar precários”, o que “não seria possível, nem sequer legal se não estivéssemos a ser mal governados”, a existência de “mais de dez mil milionários” num ano. “O problema não é a falta de dinheiro, mas como o distribuímos”, disse, perante uma plateia onde estavam, entre outros, Luís Fazenda e Francisco Louçã.

O Bloco quer “inverter estas contas”, continuou Mortágua, criticando ainda o Governo por achar que “pode vender aquilo que é nosso, que foi construído pelos nossos pais”. E como se invertem as contas? A deputada tem a resposta pronta: se se tratar de escolher entre pagar “60 milhões de euros de juros especulativos” ou o subsídio de desemprego, o BE escolhe o segundo. “Escolhemos a vida digna.” A plateia aplaudiu em força. Portugal “não passará por ser uma colónia da Goldman Sachs” nem da Comissão Europeia. Mais palmas.

Catarina Martins – que acusou o Governo de “mentir despudoradamente” sobre questões como os apoios que retirou aos mais desfavorecidos e o desemprego – sublinhou o facto de o Tribunal de Contas ter alertado para a baixa taxa de integração dos estagiários profissionais no mercado de trabalho, uma precariedade para a qual há muito o BE alerta e contra a voz do Governo.

A líder bloquista não passou ao lado da questão europeia, defendendo que há na União Europeia “há quem queira condenar os países do Sul a uma cidadania de segunda”, “humilhar” os países periféricos. E mostrou-se incrédula com a ideia do presidente francês, o socialista François Hollande, de querer seis países no governo da zona euro. “Não aceitamos que Portugal seja um país de segunda”, garantiu.

Entre muitos outros nomes, o jornalista Jorge Costa é o terceiro na lista e, em quarto, surge Isabel Pires, operadora de call center.