John Legend esteve na prisão e diz que EUA têm "muito que aprender" com Portugal

Cantor encabeça campanha Free America e pediu para visitar uma prisão em Portugal. Esteve reunido com reclusos da Unidade Livre de Drogas, um projecto inovador na prisão de Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos

Foto
Rui Farinha/nFactos

Antes pisar o palco do Festival Marés Vivas, em Vila Nova de Gaia, John Legend foi levado na manhã desta quinta-feira numa carrinha para a cadeia masculina de Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos. “Estas visitas têm de acontecer mais vezes”, sentenciou o juiz Manuel Ramos da Fonseca do Tribunal de Execução de Penas do Porto, que o acompanhava, enquanto o rádio de um recluso fazia ecoar nos corredores da Unidade Livre de Drogas na prisão, “All of me”, a conhecida música do cantor e compositor norte-americano.

Foi o próprio músico que pediu à Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais para visitar uma prisão em Portugal dando expressão às suas preocupações sociais no âmbito da campanha Free America que encabeça contra a sobrelotação das cadeias. E foi a primeira vez que visitou uma cadeia na Europa.

Legend passou apenas algumas horas na prisão. À saída elogiou o sistema prisional português em comparação com o sistema norte-americano. “Já visitei várias cadeias nos Estados Unidos e acho que as prisões em Portugal são mais humanizadas. Temos muito que aprender com países como Portugal. O ambiente é mais saudável e parece-me que estão mais interessados em dar aos reclusos uma vida melhor. Nos Estados Unidos temos mais celas solitárias, condições desumanas e muitos menores presos no sistema juvenil”, lamentou o cantor.

Atrás dos muros de Santa Cruz do Bispo, onde se encontram 525 reclusos, o músico sentou-se à conversa com alguns dos que frequentam o programa de desintoxicação, conheceu também a escola que vai até ao 9.º ano de escolaridade com formação em inglês, música, educação física e artes plásticas, a casa de transição dos reclusos, a clinica de psiquiatria e os terrenos de cultivo de milho. Desafiado por um dos reclusos, autografou ainda uma camisola do FC Porto.

“Só por ter vindo aqui já vale a pena estar preso”, gracejou aquele recluso que esteve à conversa com o músico. Legend mostrou-se interessado no programa de desintoxicação daquela cadeia e não evitou novas comparações com os Estados Unidos da América (EUA). “Os EUA representam 5% da população mundial e têm 25% por cento da população mundial que está presa”. Para o artista, houve ainda tempo para concluir que em Portugal as penas são menos punitivas do que nos EUA e a reabilitação é “melhor”.

"Quem é ele?"

“Quem é ele?”, pergunta António Santos, com 42 anos, ali preso há 9. António é o responsável pelo bar junto à clínica de psiquiatria e saúde mental da cadeia, a única existente no sistema prisional português. “Gostava de lhe servir um café. Até vesti uma camisinha diferente hoje. Respiramos melhor quando alguém de fora cá vem e já viu um cantor famoso querer cá vir ver-nos? É muito bom”, atira António. Legend passa perto, mas não se cruza com o recluso que em Setembro vai a uma reavaliação da medida de internamento de 10 anos e oito meses a que foi condenado por tentativa de homicídio. “Foi uma coisa que me aconteceu. Acredito que vou sair nessa altura e vou trabalhar para o estrangeiro onde tenho um irmão”, diz António.

“Isto aqui é tudo gente calma”, garante um guarda ao lado de António, enquanto Legend assistia a uma pequena palestra com João Goulão, o director-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências. “Todos os reclusos com quem falei voluntariaram-se para um programa de reabilitação das drogas. Foi bom ouvir a perspectiva deles, as razões porque quiseram mudar as vidas deles e como este programa os está a ajudar”, contou o músico.

O subdirector-geral de Reinserção e Serviços Prisionais, Licínio Lima, aproveitou para defender uma aposta maior do Estado  “nas medidas alternativas” à cadeia insistindo que “há reclusos que nem deviam estar na prisão”. “Visitas como estas são raras e vai incentivar-nos a continuar com as boas práticas. Queremos investir mais na reabilitação do que na reclusão. Queremos alterar o paradigma prisional em Portugal. As cadeias têm de passar a ser um centro de humanização por excelência, mas é necessária uma mudança de mentalidades da sociedade e dos juízes. Há 400 indivíduos com pulseira electrónica em Portugal, um número baixo num universo de 14 mil reclusos”, alertou ainda.

Já o director da cadeia de Santa Cruz do Bispo, Hernâni Vieira, despedindo-se de Legend à porta da casa de transição da clinica psiquiátrica que acolhe inimputáveis, salientou ser necessário fazer “um apelo à sociedade civil para que não deixe de apoiar” aquele tipo de reclusos cuja “reintegração social é muito difícil”.

Pelas várias ruas que no interior da cadeia ligam os diferentes complexos, ouviram-se gritos de reclusos que clamaram pela vedeta como fãs e que já o aplaudiam antes do concerto. Mas das janelas dos homens enclausurados nos complexos de regime fechado, considerados de maior risco e que não tiveram direito à visita de John Legend, soaram críticas. “Cambada de hipócritas, pá!”, berrou um através das grades. Com um pé na carrinha em que saiu da prisão, o músico sublinhou ter visto na cadeia portuguesa “mais esperança e mais ferramentas [do que no EUA] para reintegrar” os reclusos que saem em liberdade.

Sugerir correcção