Reclusos da Carregueira fazem vasos de ervas aromáticas para venda

O projecto incide em reclusos com saída prevista da prisão no prazo de um ano e tem como principal objectivo a sua promoção e integração social e laboral.

Foto
Público/ Arquivo

Cinco mil vasos de ervas aromáticas produzidos por presos do Estabelecimento Prisional da Carregueira vão ser vendidos em várias lojas, no âmbito de um projecto de empreendedorismo social com reclusos, desenvolvido por uma organização não-governamental (ONG). Em comunicado, a ONG para o desenvolvimento Sapana refere que o projecto envolve 12 reclusos com saída prevista da prisão da Carregueira, no concelho de Sintra, no prazo de um ano e tem por objectivo promover a sua integração social e laboral.

Duarte Guerra Pinto, da Sapana, disse à agência Lusa que os reclusos estão a produzir, desde a passada segunda-feira, os 5000 vasos de ervas aromáticas, que vão ser colocados à venda, a partir do dia 15, em superfícies comerciais de Lisboa e Porto. Segundo o mesmo responsável, as receitas das vendas vão reverter para os reclusos do estabelecimento prisional e financiar programas de reabilitação de presos desenvolvidos pela ONG.

Duarte Guerra Pinto adiantou que o programa desenvolvido com os 12 reclusos da Carregueira é um projecto-piloto, que vai ser avaliado. Caso tenha boa aceitação poderá ser alargado a outras prisões. Criada em 2012, a Sapana é uma organização sem fins lucrativos que trabalha em Portugal e na Índia com desempregados, reclusos e minorias étnicas.