Mona Hatoum – a primeira monográfica

A artista palestiniana cartografada numa exposição com escalas em Paris, Londres e Helsínquia.

Fotogaleria
Mona Hatoum instalou-se no Reino Unido mas nasceu em Beirute em 1952, filha de pais palestinianos, refugiados de Haifa MONA HATOUM/ FOTOGRAFIA: ANDRI PRIOL, 2013
Fotogaleria
Waiting is Forbidden, 2006-2008 CORTESIA DA ARTISTA E DA GALERIA MAX HETZLER
Fotogaleria
Keffieh, 1993-1999 CORTESIA COLECÇÃO Agnès b. E White Cube/ FOTOGRAFIA: Hugo Glendinning
Fotogaleria
+ and -, 1994-2004 CORTESIA DA ARTISTA E DE Mataf: MUSEU DE ARTE MODERNA ARAB FOTOGRAFIA: Markus Elblaus
Fotogaleria
Cellules, 2012-2013 CORTESIA DA ARTISTA E DA GALERIA Chantal Crousel, Paris
Fotogaleria
Grater Divide, 2002 CORTESIA DA ARTISTA E DE White Cube/ FOTOGRAFIA: Iain Dickens
Fotogaleria
Impenetrable, 2009 CORTESIA DA ARTISTA E DE Mataf: MUSEU DE ARTE MODERNA ARAB FOTOGRAFIA: Markus Elblaus
Fotogaleria
Twelve Windows, 2012-2013 CORTESIA DA ARTISTA E DE Alexander and Bonin/ FOTOGRAFIA: Joerg Lohse
Fotogaleria
Over My Dead Body, 1988-2002 CORTESIA DA ARTISTA E DA GALERIA Max Hetzler, Berlin | Paris/ FOTOGRAFIA: Jörg von Bruchhausen
Fotogaleria
No Way III, 1996 CORTESIA DA ARTISTA E DE White Cube/ FOTOGRAFAI: Edward Woodman
Fotogaleria
Hot Spot, 2013 CORTESIA DA ARTISTA E DA GALERIA Max Hetzler, Berlin | Paris/ FOTOGRAFIA: Jörg von Bruchhausen
Fotogaleria
Static Portraits (Momo, Devrim, Karl), 2000 CORTESIA DA ARTISTA E DE Alexander e Bonin, New York/ FOTOGRAFIA: Bill Orcutt
Fotogaleria
T42 (gold), 1999 CORTESIA DA ARTISTA E DE White Cube/ FOTOGRAFIA: Bill Orcutt
Fotogaleria
Untitled (rack), 2011 CORTESIA DA ARTISTA E DE Alexander e Bonin, New York/ FOTOGRAFIA: Joerg Lohse

Primeiro no Pompidou de Paris (até 28 de Setembro), depois na Tate Modern, em Londres, e no Kiasma, em Helsínquia (num e noutro caso, já em 2016). Reunindo uma centena de obras, a primeira exposição monográfica dedicada a Mona Hatoum – e intitulada apenas Mona Hatoum– apresenta-se como uma cartografia que, antes de mais, visa dar conta da pluridisciplinaridade da obra da artista.

O arco temporal coberto arranca em 1977 e vem até 2015. Aborda os dois grandes períodos criativos da artista: por um lado, a sua relação com o vídeo e a performance – até ao final da década de 1980; por outro, o seu trabalho “mais permanente” de instalação, escultura e desenho – do arranque da década de 1990 em diante. Uma obra primeiro de acentuada “natureza narrativa” e “debruçada sobre questões sociais e políticas”, como recorda o Pompidou, e que, depois, procura “perspectivas de vanguarda” em instalações influenciadas pela arte cinética e pelas teorias fenomenológicas, posicionando-se no pós-minimalismo e utilizando materiais recuperados, por exemplo, do mundo industrial. 

O Pompidou faz notar ainda a orientação feminista do trabalho de Mona Hatoum. Mais sensível parece ser a ligação deste com o passado biográfico da artista, que nos anos 1970 se instalou no Reino Unido mas que nasceu em Beirute em 1952, filha de pais palestinianos, refugiados de Haifa.

“O trabalho de Mona Hatoum encontra-se ainda acantonado na sua zona geográfica de origem […] com um subtexto pleno do orientalismo descrito por Edward Saïd”, lê-se num texto do Libération sobre a exposição. O jornal cita um texto que este pensador escreveu há 15 anos sobre a artista: “As suas instalações, os seus objectos e as suas performances gravam-se na consciência do espectador com um engenho surpreendentemente discreto, que o uso virtuoso que faz de materiais extremamente simples, familiares e quotidianos (cabelos, aço, sabão, borracha, fio de ferro, corda, etc) sacode de maneira provocadora.”

PÚBLICO -
Foto
Um detalhe de Céllules, uma das obras mais icónicas da artista SÉBASTIEN NORMAND/ CORTESIA DA ARTISTA E DA GALERIA CHANTAL CROUSEL

Já numa entrevista para o site do museu parisiense, Christine van Assche, a curadora da mostra, pergunta a Hatoum como ela se situa a si e ao seu trabalho “entre o Médio Oriente e o Ocidente”. Hatoum reage: “Não acho necessário pensar o meu trabalho nesses termos. Acho pena que as pessoas o abordem com a ideia de o ligar às minhas origens. Isso limita as suas leituras e elude as subtilezas formais e a experiência completa que as minhas obras podem oferecer. O meu trabalho utiliza a geometria, a abstracção e a linguagem formal da arte."