Trabalho

Portugal perdeu 298 mil empregos em quatro anos

O desemprego chegou a níveis nunca antes vistos durante o mandato do actual Governo.

Foto
No início de 2015, a taxa de desemprego jovem estava nos 34,4% FERNANDO VELUDO/ NFACTOS

O mercado de trabalho foi a face mais visível do pacote de austeridade aplicado nos últimos quatro anos. De tal forma que tanto o Governo como as instituições internacionais não esconderam a sua surpresa quando o desemprego atingiu o pico máximo no início de 2013, excedendo largamente as previsões.

Contas feitas, a população empregada recuou 298 mil pessoas entre o primeiro trimestre de 2011 e o primeiro trimestre de 2015. E, embora no arranque de 2015 se note uma melhoria face ao ano anterior, os dados do Instituto Nacional de Estatística mostram que o número de empregos se mantém abaixo dos 4,5 milhões.

Acompanhando esta queda do emprego, o desemprego chegou a níveis nunca antes vistos. No primeiro trimestre de 2013, afectava 17,5% da população activa. Depois disso, a taxa foi recuando, afectando agora 13,7% – um valor ainda assim acima dos 12,4% do primeiro trimestre de 2011.

PÚBLICO -
Foto

Apesar da recuperação face ao período mais negro, o mercado de trabalho ficou com sequelas que levarão algum tempo a ultrapassar: o desemprego dos jovens e o desemprego de longa duração.

Em 2011, antes de a troika entrar em Portugal e antes de este Governo ganhar as eleições, 28% dos jovens activos entre os 15 e os 24 anos estavam desempregados, uma taxa que já era relativamente elevada. Quatro anos depois, no início de 2015, a taxa de desemprego jovem está nos 34,4%. Apesar de tudo, uma melhoria face a máximo de 42,5% que foi atingido em 2013.

Outro dos problemas está relacionado com a permanência por longos períodos de tempo no desemprego. Em 2011, o desemprego de longa duração já era preocupante: 53% dos 673 mil desempregados estavam há procura de trabalho há mais de um ano. No primeiro trimestre de 2015, esta proporção agravou-se: 64,5% dos 719 mil desempregados são considerados de longa duração e a maior parte já está assim há pelos menos dois anos.

Este aumento do desemprego foi acompanhado por alterações nas regras da protecção social destas pessoas. Em 2012, o Governo reformulou o regime. Por um lado, facilitou o acesso a quem fez descontos nos últimos 12 meses. Mas, por outro, alterou a duração e o montante pago aos desempregados. O resultado em termos de poupanças acabou por ser anulado com o forte aumento do desemprego.

Mais recentemente, em linha com a recuperação do mercado de trabalho, o número de beneficiários a receber subsídio tem vindo a cair. Há, contudo, que ter em conta que o aumento do desemprego de longa duração faz também com que muitos percam o direito a essas prestações.