No tempo das reguadas

Eram crianças no Estado Novo e agora são avós. Contaram aos netos como foi a sua vida na escola e fora dela. Os miúdos escutaram, registaram e fizeram um livro. Havia reguadas, mas também brincadeiras e solidariedade. Foi isso que os “jovens historiadores” escolheram transmitir.

Fotogaleria
Capa do livro realizado por um colectivo de 90 alunos de 9.º ano e seis professores de História, da Escola D. João II, de Setúbal (imagem de 1955) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Escola primária de Quinta do Anjo (1958) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Escola de pesca, na Casa dos Pescadores (1942) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Grupo de rapazes no rio Sado, provavelmente durante as férias escolares (sem data) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Refeição de grupo de crianças, no Parque Infantil do Grémio das Conservas (1938) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Escola primária mista de Vila Fresca de Azeitão (1930) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Barco com crianças a descarregar cavala na lota (1956) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Retrato de rapaz vendedor de pássaros (1951) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)
Fotogaleria
Capa do livro publicado em 2009 e que vendeu 5200 exemplares só na cidade de Setúbal (imagem de 1957) Américo Ribeiro (Arquivo Fotográfico/CMS)

Alunos de 14 e 15 anos entrevistaram os seus avós e ficaram a saber como era a escola primária de outros tempos. Dos 52 testemunhos, maioritariamente femininos, resultou o livro No Tempo da Escola das Nossas Avós (edição da Estuário Publicações). Um projecto que envolveu 90 alunos de 9.º ano e seis professores de História da Escola Secundária D. João II, de Setúbal.

“Era obrigatório ir à escola?”, “que matérias estudavam?”, “que acontecia quando se portavam mal?”, “como eram as salas de aula?”, “como iam para a escola?”, estas foram algumas das perguntas que os alunos fizeram às suas avós, que durante o Estado Novo (1930-1974) teriam entre seis e 12 anos.

“Queremos que os alunos se sintam historiadores. Aprendam a pesquisar, investigar, compilar. A melhor maneira de aprender é fazer, e os miúdos percebem imediatamente o essencial”, diz ao PÚBLICO Jaime Pinho, co-autor do texto e coordenador do projecto em conjunto com Alberto Lopes, ambos professores de História. Este último sublinhou, durante a apresentação do livro, num fim de tarde de domingo numa esplanada em Setúbal, “o prazer de participar num trabalho colectivo estimulante, que contribuiu para o conhecimento da comunidade e contou com o empenho de todos os professores de História”.

Um dos testemunhos recolhidos: “(…) A professora tinha, no canto da sala, uma cana-da-índia que era muito comprida e dura. Servia-se dela para nos bater nas mãos.” Outro: “Tinha uma régua que era de cinco olhos… e tinha um, dois, três, quatro buracos e outro no meio, cinco. Era redonda, apanhava a mão toda.” Outro ainda: “Éramos castigados por qualquer coisa. Se fizéssemos algum mal, ficávamos 10 minutos virados para a parede. Se fosse algo de grave, davam-nos reguadas, ou então uma chapada e não se podia fazer queixa aos pais, pois eles eram da opinião de que se o professor bateu ou castigou era porque tinha motivos.”

As respostas às entrevistas foram trabalhadas pelos docentes, dando origem a um texto colectivo organizado segundo alguns temas: Ambiente escolar, Métodos de ensino, Instrumentos de trabalho/tempos livres, Castigos, Relação escola/pais, Higiene, Diferenças de género, O primeiro dia de aulas, Instalações, Divertimentos, Trabalho infantil, Sociedade.

Título recusado
O título do livro foi alvo de discussão, e a proposta inicial (de que nos apropriámos para este artigo, No Tempo das Reguadas) não agradou aos alunos. Argumento: “As nossas avós não falaram só disso.” Os professores aperceberam-se de que os jovens não queriam um título “pela negativa”, respeitaram a vontade deles e escolheram outro, “mais neutro”.

No entender dos jovens historiadores em formação houve respostas positivas que interessava divulgar, como esta: “(…) Lembro-me de que a minha mãe me fez duas tranças e eu ia muito vaidosa com a minha mala nova, toda contente para a escola.” E esta: “Era uma alegria juntarmo-nos todos.” Ou mesmo esta, que descreve tão-só as aprendizagens: “1.ª classe, aprendi o abecedário, a ler e a escrever; 2.ª classe, aprendi a contar, fazer contas de somar, dividir, subtrair e de multiplicar e aprofundei a Língua Portuguesa; 3.ª classe, aprendi a resolver os problemas e a estudar pelo caderno de verbos. Na 4.ª classe, comecei a aprender Geografia, História e Ciências. A Língua Portuguesa e a Matemática tornaram-se mais complicadas.”

Também no livro se fala da solidariedade de alguns professores: “Para os que tinham maiores dificuldades económicas, o lanche era escasso e, por vezes, partilhavam o que a professora trazia.” E das brincadeiras: “Os recreios eram pátios de terra batida. (…) jogávamos ao mata, à calha (macaca), fazíamos rodas, cantávamos, conversávamos umas com as outras, saltávamos à corda e ríamos. Assim eram os nossos recreios.”

Nas ex-colónias, rapazes e raparigas brincavam juntos: “O recreio era um campo e brincávamos ali uns com os outros e juntávamo-nos aos rapazes.” Em Portugal, “os meninos e meninas estavam geralmente separados”. Tinham salas e horários diferentes.

Há descrições das salas de aula: “As paredes eram pintadas a cal e não havia aquecedores e muito menos ar condicionado. Quando chovia, passava muito frio ou então nem ia à escola porque não tinha roupa quente”; “numa das áreas da sala estavam duas fotografias, uma delas do Chefe de Estado Craveiro Lopes. Havia também uma cruz (…), cadeiras de madeira”.

Há relatos das férias: “As férias eram a trabalhar. Comecei a trabalhar com dez anos de idade. Agora há muitas férias, mas antes não havia.”

Há recordações dos caminhos até à escola: “Na província, íamos a pé para a escola. Chegava-se a andar 5km. Morava nos montes e não tinha companhia”; “o meu transporte era uma carroça e percorria em média 2km”.

Há informações sobre o abandono escolar: “A maioria abandonava a escola no final do 4.º ano”; “os pais podiam precisar que os filhos trabalhassem”.
 
Origens alentejanas e africanas
A Escola D. João II situa-se no limite urbano da cidade de Setúbal (bairro da Camarinha) e acolhe 1100 alunos (do 7.º ao 12.º ano) de famílias de classe média/baixa, muito diversificadas. Umas vivem em meio rural, outras são inteiramente urbanas e algumas têm origem africana, resume Jaime Pinho. Mas o Alentejo é uma das geografias mais presentes nas avós entrevistadas, daí o subtítulo do livro: Setúbal, Alentejo/ Estado Novo.

A grande dificuldade em encontrar fotos daquela região e daquele tempo fez com que se optasse por usar imagens de Américo Ribeiro (1906-1992), conhecido como “o fotógrafo de Setúbal”. Paulo Curto Baptista, responsável pela escolha das fotos e pelo design da obra, deu-nos conta dos seus critérios: “Foquei-me nos temas gerais do livro e, dentro do que pesquisei no Arquivo Fotográfico Américo Ribeiro [da Câmara Municipal de Setúbal], escolhi as imagens que tinham melhor composição e expressividade. Mas não há ligação directa com as pessoas entrevistadas.” O designer assume ainda: “Fugi daquelas fotos cheias de 'burguesinhos'. Não espelham de todo a comunidade que aqui se queria retratar.”

Quem muito se orgulha sempre que sai um livro com imagens de Américo Ribeiro é Isabel Almeida, sobrinha e “afilhada de baptismo e casamento” do fotógrafo. “Ele foi ter connosco à África do Sul para ser nosso padrinho de casamento”, diz ao PÚBLICO, num pequeno compartimento que serve de escritório a uma mercearia tradicional, que explora com o marido, José Almeida, num bairro histórico da cidade (Fonte Nova).

A sobrinha do fotógrafo lembra como ele “gostava muito de viajar” e lamenta ter deitado “fora muitos negativos”, já que, na altura da sua morte, “não tinha noção da importância do que ali podia estar”. No entanto, guardou “alguns slides e duas máquinas fotográficas”. Sobre a simpatia ou não de Américo Ribeiro relativamente ao regime de então, diz nada saber. “O que sei é que ele trabalhava para a Câmara de Setúbal e para vários jornais: Setubalense, Diário de Notícias, Bola, Século. Assim que havia algum acontecimento importante, era o primeiro a ser chamado.”

Na ficha técnica do livro, escreve-se sobre Américo Ribeiro: “Fotógrafo profissional com loja no centro da cidade, respondia também a pedidos de reportagens fotográficas sobre eventos organizados pelo regime da época.”
 
O sonho de Alexandre Herculano
No Tempo da Escola das Nossas Avós – Setúbal, Alentejo/Estado Novo é o quinto livro que a Escola Secundária D. João II edita, contando sempre com a confiança e apoio da direcção da escola e seguindo invariavelmente o método de escutar de viva voz a experiência dos mais velhos. A segunda edição já está garantida, tendo a primeira, de mil exemplares, esgotado por estes dias (o livro custa cinco euros, está à venda em livrarias e papelarias da cidade e pode ser encomendado através da escola).

O primeiro projecto data de 1986 e teve como título A Vida e o Trabalho em Setúbal no Tempo dos Nossos Avós. O que mais sucesso de vendas obteve foi Quando a Tróia Era do Povo, em 2009 (5200 exemplares), que “beneficiou” de um contexto em que houve alterações na travessia do Sado e em que os cidadãos estavam apreensivos com as mudanças na península de Tróia.

Num outro livro, de 1993, Entre Urzes e Camarinhas As Festas da Arrábida e de Tróia, José Mattoso escreveu, na Introdução: “(…) Ocorre-me a esse respeito que [Alexandre] Herculano sonhou um dia escrever, em vez da história dos reis de Portugal, como se fazia até ao seu tempo, a história do povo português. Não sabia como. (...) Para poder escrever a história do povo português, teria de utilizar elementos do género dos que, neste livro, bem mais modesto do que o dele, afinal, se recolhem. A verdade é que ninguém depois de Herculano conseguiu realizar o seu sonho. Com dados como os que aqui se apresentam, talvez isso venha um dia a ser possível.”

Quando se fala deste elogio de José Mattoso, o professor Jaime Pinho fica entre o orgulhoso e o constrangido, mas reforça a ideia de que “é preciso fazer a história das pessoas, do povo e não apenas e sempre a história do poder", lembra ainda que "as escolas têm um potencial enorme para o realizar, com tanta energia jovem e com uma grande concentração de professores de várias áreas do conhecimento, permitindo a interdisciplinaridade”. O que o investigador mais gostava era que outros colegas aplicassem o guião da entrevista semidirigida publicada no final do livro nas comunidades das suas escolas. Com ou sem adaptações.

Não foge às reflexões teóricas e críticas sobre a História baseada na oralidade, está consciente de que o afecto entre entrevistado e entrevistador pode enriquecer a informação transmitida, dando-lhe um cariz mais próximo e verdadeiro, mas sabe também que o mesmo pode aumentar a fantasia de quem relata. “Os avós podem querer agradar ou impressionar os netos.” Por isso, foi pedido aos alunos que transcrevessem os diálogos na totalidade, cabendo aos professores aferir e validar  aliando as ferramentas próprias das ciências sociais às suas experiências de investigação  a informação que poderia entrar neste retrato de época, de região e de comunidade.

Uma certeza Jaime Pinho tem: “Estes projectos deixam marcas positivas nos alunos, nos professores, nas famílias e na cidade.” E não quer deixar de estudar as vivências de “quem ainda as pode contar na primeira pessoa”. Por isso, na tal apresentação de fim de tarde, invocou a ideia de que, “quando morre um velho, é uma biblioteca que arde”. Mesmo que esse velho jamais tenha lido um livro. 
 

No Tempo da Escola das Nossas Avós – Setúbal, Alentejo/Estado Novo
Textos: Alberto Lopes, Elisabete Isidoro, Natércia Gouveia, Jaime Pinho, Sara Pereira, Susana Nogueira
Coordenação: Alberto Lopes, Jaime Pinho
Design: Paulo Curto Baptista
Edição: Estuário Publicações
132 págs., 5€