Trânsito pára em Lisboa esta sexta-feira à tarde para deixar passar Eusébio

Várias artérias da cidade estarão cortadas para o cortejo que leva os restos mortais do futebolista até ao Panteão Nacional.

Foto

A trasladação do corpo de Eusébio da Silva Ferreira para o Panteão Nacional vai obrigar ao condicionamento do trânsito em diversas artérias de Lisboa nesta sexta-feira à tarde. O cortejo começa às 15h15 no cemitério do Lumiar e termina às 19h, depois de fazer algumas paragens em vários locais da cidade.

Segundo uma nota da Câmara de Lisboa, os restos mortais do futebolista serão transportados desde o cemitério onde está sepultado desde Janeiro de 2014, até ao Seminário da Luz, em Carnide, onde será celebrada uma missa em memória do Pantera Negra. Às 16h45, o cortejo segue para o Estádio da Luz, passa pela Segunda Circular em direcção ao Campo Grande e ao Marquês de Pombal, subindo ao alto do Parque Eduardo VII, passando junto à Bandeira Nacional.

O percurso continua em direcção à Avenida Alexandre Herculano e à sede da Federação Portuguesa de Futebol (perto do Largo do Rato), descendo para Assembleia da República, Avenida 24 de Julho, Cais do Sodré e Ribeira das Naus e subindo depois para o Campo de Santa Clara, terminando no Panteão Nacional. A cerimónia está agendada para as 19h e contará com momentos musicais de Rui Veloso e Dulce Pontes, que cantará o hino nacional. Haverá intervenções do Presidente da República, da presidente do Parlamento e do antigo jogador internacional António Simões, amigo muito próximo de Eusébio e a quem este tratava por seu “irmão branco”. Além da música e dos discursos, a cerimónia será ilustrada com a projecção de imagens da carreira de Eusébio da Silva Ferreira.

A autarquia informa que nesse dia será encerrada a circulação nos arruamentos de acesos ao Panteão mas os moradores terão acesso garantido. O monumento estará encerrado ao público.

Eusébio da Silva Ferreira morreu na madrugada de 5 de Janeiro do ano passado, aos 71 anos, vítima de uma paragem cardiorrespiratória. A trasladação dos restos mortais foi aprovada por unanimidade no Parlamento a 20 de Fevereiro deste ano. Na altura, apontou-se a cerimónia para antes do Verão mas entretanto surgiram dúvidas sobre se o corpo poderia ser exumado antes de passarem três anos sobre a sua morte, como determina um decreto-lei sobre a inumação e trasladação de cadáveres. No entanto, a Assembleia da República e a Procuradoria-Geral da República concluíram que as regras que regulam as honras do Panteão Nacional se sobrepõem à legislação geral sobre trasladação.