Há uma farmácia de um hospital que está a ser "um exemplo de sucesso"

Farmácia do hospital de Loures abriu em 2014 com rendas fixas e variáveis muito mais baixas do que as seis que começaram a funcionar no tempo do Governo anterior

Desde Maio, as farmácias devem dispensar ao utente o medicamento mais barato dentro do seu grupo
Foto
Entre a tarde de sábado e a manhã de domingo as farmácias não vão poder dispensar medicamentos prescritos em receita sem papel PÚBLICO/arquivo

Afinal, há uma farmácia junto à urgência de um hospital que está aberta e a funcionar com bons resultados, ao contrário do que aconteceu com as seis farmácias semelhantes que arrancaram no tempo do anterior Governo e foram à falência, como o PÚBLICO noticiou na semana passada. É a farmácia do hospital Beatriz Ângelo (Loures) , que abriu ao público em Abril de 2014, funciona todos os dias do ano e é “um exemplo de sucesso”, segundo a sua responsável, Eunice Barata.

Esta farmácia, ao contrário das outras seis, que estipularam rendas fixas e percentagens sobre a facturação elevadíssimas (a do hospital de Santa Maria, em Lisboa, por exemplo, tinha uma renda fixa de 600 mil euros/ano) e por isso não conseguiram sobreviver, “tem cumprido sempre as suas obrigações” e “a sua exploração está equilibrada”, sublinha Eunice Barata, sem revelar, porém, quanto é que esta paga de renda fixa e variável ao hospital.

A comparação com as outras seis tem que ser feita com cuidado. Além de ter começado a funcionar numa época completamente diferente das outras, já em clima de austeridade e contenção de custos, esta farmácia abriu ao público em circunstâncias muito diversas. No concurso público para a concessão da sua exploração, era proposto "um tecto máximo" sobre as rendas a pagar e “os concorrentes colaram-se ao mínimo”, admitiu ao PÚBLICO uma fonte ligada ao processo.

Por exemplo, a percentagem sobre a facturação proposta começava nos "3,5%", um valor substancialmente inferior ao negociado pelas outras farmácias, admitiu, sem querer também adiantar qual é o montante da renda fixa anual que é pago ao hospital, mas reconhecendo que fica "significativamente abaixo das outras". "É o valor que paga qualquer loja comercial", afirma.

Para Eunice Barata, o importante é salientar que esta é uma farmácia com “vantagens económicas para o Estado, que recebe uma parcela da sua facturação, e para o utente, que beneficia da comodidade” de ter um estabelecimento destes no hospital. “Provamos assim que o modelo de farmácia de atendimento ao público, dentro de um hospital, é um modelo economicamente viável”, conclui.