Depois de três meses de descida, desemprego sobe para 13,2% em Maio

As estimativas provisorias do INE dão conta de 677 mil pessoas desempregadas, mais 2,9% do que em Abril. População empregada também diminuiu.

Casais inscritos nos centro de emprego aumentam
Foto
Casais inscritos nos centro de emprego aumentam Laura Haanpaa

Depois de três meses sucessivos de descida, o desemprego voltou a subir em Maio, afectando agora 13,2% da população activa. Os dados divulgados nesta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) são provisórios e o valor definitivo só será conhecido na próxima publicação, pelo que só daqui a algumas semanas se poderá confirmar se há realmente uma interrupção da tendência de descida que se verificava desde Fevereiro.

A taxa de desemprego ficou 0,4 pontos percentuais acima do valor definitivo apurado para Abril (12,8%), anulando a diminuição verificada nos dois meses anteriores.

O INE aponta para a existência de 676,8 mil desempregados, o que representa um acréscimo de 2,9% face a Abril. Na prática, há mais 19 mil pessoas que dizem estar sem trabalho.

Acompanhando a tendência, o desemprego jovem também aumentou. Em Maio 33,3% dos activos entre os 15 e os 24 anos estavam desempregados, quando em Abril eram 31,7%.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, os números mostram que o desemprego continua a reduzir-se, tendo passado de 14,4% em Maio de 2014 para 13,2% em Maio de 2015. Ainda assim, o ritmo de redução foi mais lento do que nos primeiros meses do ano. O mesmo acontece com os jovens, cuja taxa de desemprego passou de 36,5% para os 33,3%.

Ao contrário do que acontece nos dados divulgados de três em três meses, as estimativas mensais do INE consideram a população dos 15 aos 74 anos e os valores são ajustados de sazonalidade. A taxa de desemprego sem considerar os efeitos sazonais de alguns sectores de actividade (turismo, agricultura, por exemplo) também aumentou para 13% em Maio. Trata-se de uma acréscimo de 0,2 pontos percentuais face a Abril, mas uma redução de 1,1 pontos percentuais na comparação com Maio de 2014.

Os valores referentes a Maio, lembra o instituto, são provisórios, “uma vez que se trata de um trimestre móvel em que para os dois primeiros meses a recolha da informação do Inquérito ao Emprego já foi concluída (Abril e Maio de 2015) e para o terceiro mês foi realizada uma projecção com base em modelos de séries temporais”. Os valores definitivos só serão conhecidos no próximo destaque.

Foi o que aconteceu com os dados relativos ao mês de Abril. Na primeira estimativa, o INE apontava para uma taxa de desemprego de 13%, mas na informação agora divulgada o número foi revisto e afinal ficou nos 12,8%.

Em Maio, o INE dá também conta de um recuo na população empregada. O número de pessoas empregadas caiu 0,5% em comparação com o mês anterior para 4,4 milhões, embora na comparação anual haja um aumento.

O decréscimo mensal da população empregada verificou-se sobretudo entre os homens (-1,2%) e os jovens (-1%), mas também nos adultos (-0,5%). As mulheres foram a excepção, tendo-se registado um ligeiro aumento do emprego feminino (na ordem dos 0,2%), que se traduziu em mais cinco mil pessoas empregadas do que no mês anterior.

O INE começou a divulgar dados mensais sobre o mercado de trabalho em Novembro do ano passado. Na altura, o instituto explicou a metodologia seguida e avisou que os dados estariam sujeitos a revisões. Mas no início deste ano a presidente do instituto, Alda Carvalho, foi chamada ao Parlamento pelos deputados da maioria para explicar as razões dessas revisões.