Google lança versão gratuita do serviço de música em streaming Play Music

Empresa anuncia serviço gratuito a dias do lançamento do Apple Music.

Foto
O Google mantém a sua versão paga do Play Music Google

O Google tinha até aqui a versão do Play Music por subscrição, lançada em 2013, em que os utilizadores podem ouvir um número ilimitado de canções, mediante o pagamento de uma assinatura mensal. O serviço surgiu como concorrente a outros serviços do género, como o Spotify, que na altura apresentava uma modalidade gratuita, em que as canções eram intercaladas com anúncios. O Google, cujas receitas são maioritariamente originárias da publicidade, optou, na altura, por não fazer o mesmo.

Dois anos depois, a empresa mudou de ideias e avança com uma versão gratuita, com publicidade à mistura, onde existem listas de músicas e estações de rádio já criadas e recomendadas por especialistas com base nos géneros preferidos do utilizador ou pelo estado de humor ou altura do dia. O utilizador também poderá criar as suas próprias listas com base no que lhe é oferecido, podendo armazenar até 50 mil das suas músicas do iTunes.

Este Play Music tem incorporada a Songza, aplicação móvel de rádio pela Internet que o Google adquiriu há um ano.

Para já, as principais críticas feitas por sites de tecnologia que já experimentaram o serviço gratuito nos Estados Unidos são, como esperado, os anúncios antes do início de cada playlist, a mudança de faixas de forma limitada ao longo do dia e a impossibilidade de aceder a músicas off-line.

O serviço gratuito estará nesta fase só disponível nos Estados Unidos, via web, e até ao final da semana estará acessível para Android e iOS. Não há data prevista para o seu alargamento a outros países.

O Google espera que a partir do Play Music sem subscrição surjam interessados na sua versão paga, com um valor de 9,99 dólares por mês, e que existe em Portugal. Números de Dezembro indicam que perto de 815 mil pessoas tinham subscrito o serviço pago nos Estados Unidos.