Coligação acusa PS de errar “não por maldade” mas por ser “socialista”

Para Adolfo Mesquita Nunes, socialistas não conseguem convencer ninguém enquanto alternativa porque “ainda continuam em 2011”.

Foto
Assunção Cristas participou este domingo numa sessão da coligação Portugal à Frente. Foto: Pedro Cunha

“Aquilo que acontece com o PS é que todos os cenários alternativos que apresentou às políticas do Governo ou foram abandonados pelos seus artífices, no caso da França e no caso da Itália, ou deram naquilo que é a situação na Grécia. O país não deveria estar sujeito a esse género de circunstâncias. E, por isso, um dos nossos maiores activos destes quatro anos de Governo foi ter evitado andar à porta dos credores com chantagens e com ameaças”, disse o também dirigente do CDS, acrescentando que este é “um PS que não consegue convencer ninguém com o cenário que apresenta” porque “errou em todas as suas previsões”.

Adolfo Mesquita afirmou que o PS nos últimos anos “não errou por maldade”, o que é “natural” para quem “não reconheça o problema do défice e para quem não reconheça o problema do endividamento”.  “Erraram porque são socialistas. É natural. Aquilo que aconteceu em Portugal não é consequência de um crime. É consequência do socialismo”, ironizou. “Se o socialismo fosse bom não tínhamos chamado a troika três vezes ao longo da nossa história democrática.”

O secretário de Estado acusou ainda o PS de ser responsável por criar um clima político em Portugal em que “de um lado estão os bons e do outro os maus” e lembrou que governar “não é um filme de acção ou de espionagem”. “Aquilo que os portugueses precisam é de sensatez” e, por isso, concluiu, “enquanto o PS ainda continua em 2011, a coligação está a trabalhar nos próximos quatros anos”.

Já para o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, a vida fica “simplificada” quando chegar a hora de votar nas próximas eleições legislativas, porque “enquanto o PS andou a sirizar, o Governo esteve a governar e a reformar”.

“O PS é responsável pelo sequestro de Portugal, pelo défice e pela dívida. Falhou no resgate porque em nenhum momento foi capaz de se colocar ao lado das medidas mais importantes promovidas por este Governo e falhou na alternativa porque basicamente nos sugere que a solução volte a ser consumo privado, volte a ser défice, volte a ser endividamento”, apontou o ministro.

Antes, e no dia em que se assinalaram quatro anos da tomada de posse do Governo, Assunção Cristas disse não ter dúvidas de que o caminho feito foi o “certo”. “É claríssimo hoje que todas as nossas apostas foram certeiras e apostas ganhas. Mas também é claríssimo que nós temos de intensificar  caminhos e esforços em algumas áreas e em outras limar e procurar novas soluções”, disse a ministra que é apontada como hipotética sucessora de Paulo Portas.