Partido pró-curdo tira maioria ao AKP na Turquia

O secularista HDP ultrapassou a fasquia mínima para obter representação parlamentar e acabou com 13 anos de maioria do AKP.

Fotogaleria
Apoiantes do HDP festejam a entrada no Parlamento BULENT KILIC/AFP
Erdogan venceu mas perdeu
Fotogaleria
O partido venceu, mas Erdogan perdeu OZAN KOSE/AFP
Fotogaleria
Erdogan e a mulher no momento da votação OZAN KOSE/AFP
Fotogaleria
Apoiantes de Erdogan celebram uma vitória que afinal se revelou menos saborosa Umit Bektas/Reuters
Fotogaleria
Apoiantes do HDP festejam o resultado eleitoral OZAN KOSE/AFP
Fotogaleria
Selahattin Demirtas, co-líder do HDP, o partido que ajudou a tirar a maioria absoluta ao AKP YASIN AKGUL/AFP

O partido do Presidente e ex-primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan deverá governar sem maioria pela primeira vez desde 2002, caso não consiga formar uma difícil coligação. O Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) obteve 41% dos votos e 258 deputados, falhando assim o mínimo de 276 assentos necessários para uma maioria.

Os resultados do AKP ultrapassam o Governo e estendem-se a Erdogan e ao seu projecto político. O Presidente queria alterar a Constituição e concentrar mais poderes no seu cargo. Para isso, o Presidente turco precisava que o AKP atingisse uma maioria confortável no Parlamento. 

A pálida vitória do partido de Erdogan provocou uma queda da cotação da lira turca e das acções na bolsa de valores, indicando a apreensão dos mercados financeiros, sempre receosos do que consideram ser uma situação política instável.

Na manhã desta segunda-feira, a bolsa de Istambul deu um trambolhão de 8% e a lira viu a sua cotação face ao dólar cair para mínimos históricos. Em resposta, o banco central anunciou um corte nas taxas de juro dos depósitos estrangeiros, para tentar erguer a cotação da moeda turca.

O insucesso do AKP é o sucesso do recém-criado HDP, o partido secularista pró-curdo que apostou tudo nestas eleições e que acaba por ser decisivo. O HDP (Partido Democrático do Povo) assegurou a fasquia mínima de 10% dos votos exigida pela Constituição turca para que um partido entre na Assembleia. As últimas contagens colocam o HDP nos 13%, com entre 75 e 80 deputados. Caso falhasse a margem mínima, os votos e assentos do HDP seriam distribuídos pelos partidos mais votados, o que beneficiaria o AKP.

"Esta é uma vitória dos que querem uma Constituição pluralista e uma solução pacífica para a questão curda", disse na noite de domingo Segahattin Demirtas, um dos dois líderes do HDP, quando se tornou evidente que o seu partido iria entrar no Parlamento. "O debate sobre o sistema presidencial acabou hoje", sentenciou ainda, referindo-se à intensão de Erdogan de mudar a Constituição.

Sem maioria, a questão que agora se impõe é se o AKP tentará fazer uma coligação com a terceira força mais votada, o Partido Movimento Nacionalista, que surge com 16,4% dos votos e 82 deputados. Este é o parceiro mais provável para o AKP, já que, para além do HDP, resta apenas no Parlamento o Partido Republicano do Povo (CHP), o tradicional partido da oposição e o segundo classificado destas eleições. O CHP ficou em linha com o resultado de 2011: 25% dos votos e 132 deputados, segundo os últimos resultados.  

Erdogan não foi a votos, mas muito do que ficará decidido nas eleições deste domingo centra-se na sua figura e herança política. De tal maneira que se tornou na principal figura destas eleições. Mostrou-o o discurso semi-vitorioso do líder do CHP, Haluk Koç: "A Turquia ganhou. Erdogan perdeu."

Para além do projecto político de concentração de poder na figura do Presidente, Erdogan jogava nestas eleições a representação parlamentar de uma sociedade turca polarizada. Durante a campanha eleitoral, o HDP denunciou cerca de 70 ataques a várias das suas sedes de campanha. Na sexta-feira morreram três apoiantes do HDP e centenas de outros ficaram feridos na explosão de uma bomba num comício do partido.

Antecipando a importância do HDP, Erdogan ignorou a imparcialidade exigida ao Presidente e entrou numa ostensiva campanha pelo AKP. Erdogan associou Demirtas, do HDP, ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a organização armada que luta desde a década de 1980 pela criação de um Estado curdo. Erdogan tentou capitalizar ainda o voto religioso junto da população curda, tentando assim roubar votos ao HDP, que se apresenta como o defensor das minorias sexuais e religiosas da Turquia e é contra o ensino obrigatório do islão nas escolas.

Sugerir correcção