Netflix chega a Portugal e completa expansão na Europa ocidental

Serviço de filmes e séries online arranca em Outubro. Empresa vai instalar centro de apoio em Lisboa.

Foto
Lisboa vai ainda acolher o centro de suporte da empresa para o Sul da Europa. MIKE BLAKE/REUTERS

O Netflix, um serviço que permite ver um número ilimitado de séries e filmes online através de uma assinatura mensal, chegará em Outubro a Portugal, dando pela primeira vez aos consumidores no país a possibilidade pagarem para ver este tipo de conteúdos televisivos na Internet fora das ofertas dos operadores de televisão.

A entrada no mercado português será acompanhada pela estreia também em Itália e em Espanha, numa expansão que fará com que a multinacional americana, para quem os EUA são, de longe, o maior mercado, passe a ter presença em toda a Europa ocidental. O anúncio, feito este sábado pela empresa, foi antecipado pelo jornal Expresso.

O preço não foi anunciado oficialmente, mas a assinatura mensal mais barata deverá custar os mesmos 7,99 euros que estão a ser cobrados nos outros países europeus. Assinaturas mais caras permitirão ver os filmes e séries em alta definição, e em mais do que um dispositivo. Os conteúdos são transmitidos directamente (em streaming, como acontece, por exemplo, no YouTube) e os utilizadores não têm de descarregar ficheiros. Os filmes e séries serão legendados em português.

Ao longo dos últimos três anos, a empresa foi entrando em vários mercados da Europa, um continente em que a necessidade de negociar direitos de autor nos vários nos vários países tende a fazer demorar a expansão de serviços de vídeo e música na Internet. A empresa opera também na Austrália e Nova Zelândia, e em todo o continente americano. No início deste ano, anunciou a intenção de se estender a praticamente todo o mundo.

A estreia do Netflix era aguardada por muitos utilizadores de Internet em Portugal, alguns dos quais se dão ao trabalho de usar programas informáticos para mascarar o local a partir do qual abrem o site e de obter cartões de crédito americanos, para contornar assim as restrições de acesso.

Em Portugal, os serviços de televisão dos operadores de comunicações já oferecem algumas das funcionalidades disponibilizadas pelos serviços de vídeo online – como os vídeos a pedido e a possibilidade de fazer pausas na transmissão – e também permitem aos clientes verem os conteúdos em computadores, tablets e telemóveis. Numa entrevista ao Expresso, o presidente e fundador do Netflix, Reed Hasting, afirmou que a chegada tem como resultado estimular a concorrência. “Em todas as geografias para onde vamos há sempre um efeito muito positivo para os consumidores, porque obriga os concorrentes a melhorar as ofertas”, observou.

A empresa vai também instalar em Lisboa um centro de suporte para as operações em Portugal, Espanha, França e Itália, para o qual vai recrutar "dezenas de pessoas de diferentes nacionalidades", adiantou o executivo.

Nos EUA, o Netflix, os concorrentes Hulu e Amazon Instant Video, e também sites como o YouTube e os dos canais televisivos, estão a contribuir para uma redução, ainda que relativamente pequena, dos clientes de televisão paga. O fenómeno – que recebeu o nome “cutting the cord”, ou “cortar o cabo” – regista-se sobretudo entre uma faixa de consumidores jovens, que passam mais tempo na Internet e têm menos rendimento disponível, e que cancelam aquelas assinaturas ou, simplesmente, nunca as fazem.

A empresa foi criada em 2007 e começou por alugar DVD. Em 2007, passou a distribuir vídeo pela Internet e tem hoje 62 milhões de assinantes. Facturou no ano passado 4739 milhões de dólares (cerca de 4264 milhões de euros), mais 27% do que no ano anterior. Quase três quartos das receitas foram conseguidas dentro dos EUA.

O Netflix começou em 2012 a criar conteúdo próprio como uma estratégia para cativar clientes. No ano seguinte, lançou a premiada série House of Cards, que foi um sucesso junto de espectadores e da crítica. A série foi um marco não apenas por ter sido produzida fora dos estúdios tradicionais, mas por ter sido concebida com base no manancial de informação que o Netflix tem sobre os hábitos e preferências dos seus utilizadores.