Barquinho une escolas de Portugal e dos Estados Unidos

Lançamento simbólico é este sábado no Tejo, em frente ao Cais das Colunas, em Lisboa. Depois, o barco não tripulado será levado a bordo da caravela Vera Cruz até ao mar alto. E deixado aí à sua sorte.

Fotogaleria
Barco West pintado por alunos da Nazaré DR
Fotogaleria
Barco West como chegou à praia perto do farol do Penedo da Saudade, em São Pedro de Moel DL- Publicidade/Ocean Puzzle/Jorge Barroso
Fotogaleria
Barco West a ser apanhado na praia DL- Publicidade/Ocean Puzzle/Jorge Barroso
Fotogaleria
Parte da equipa envolvida no projecto educativo ligado ao barco: ao centro, Richard Baldwin, coordenador do programa Educational Passages DR
Fotogaleria
Alunos da Nazaré a colorirem o caso do West DR

Esteve quase um ano à deriva, depois de ter sido lançado ao mar, por iniciativa de alunos de uma escola dos Estados Unidos, em Dezembro de 2013. Em Novembro de 2014, o West, um barco de apenas 1,5 metros de comprimento, impulsionado só por ventos e correntes, embatia nas rochas de uma praia perto do farol do Penedo da Saudade, em São Pedro de Moel. Agora, alunos de várias escolas portuguesas vão lançá-lo ao mar, para que tente regressar a casa.

Primeiro, é o lançamento simbólico no Tejo, em frente ao Cais das Colunas, em Lisboa, a partir das 10h deste sábado. Cerca de 80 alunos de duas escolas da Nazaré – da Escola Básica Amadeu Gaudêncio e do Externato Dom Fuas Roupinho – vão estar a bordo do antigo bacalhoeiro Santa Maria Manuela, para lançarem o West ao rio. Depois de ter sido reparado nos Estaleiros da Nazaré a um rombo no casco, foram os alunos destas escolas que decoraram o barco – pintaram uma varina, um pescador num barco, um farol, as bandeiras de Portugal e dos Estados Unidos… – e que escreveram mensagens para acompanhar a embarcação na viagem pelo Atlântico.

Depois, o West vai ser apanhado ainda no Tejo e levado para o mar alto a bordo da Vera Cruz, uma réplica das caravelas dos Descobrimentos, da Associação Portuguesa de Treino de Vela (Aporvela). A bordo seguirão alunos várias escolas (de Almada, Carnaxide, Porto, Tavira e Loulé), que vão largar o barquinho a cerca de 100 milhas a Sudoeste de Lisboa, o que deverá acontecer, a qualquer momento, a partir de segunda-feira à noite.

O grande sonho é que faça o caminho de volta, de preferência até perto do estado do Maine, onde fica a Escola Preparatória de Westbrook. Foram alunos desta escola que baptizaram o barco e foi em nome deles que um pescador de lagostas o levou para o mar e o deixou sozinho, à sua sorte.

Esta iniciativa faz parte do Educational Passages, um programa educativo sobre ciências do mar destinado às escolas nos Estados Unidos, que nasceu de uma ideia de Richard Baldwin, antigo navegador solitário norte-americano. Richard Baldwin, que coordena o Educational Passages, veio de propósito a Lisboa ver a largada do West.

Muitos outros pequenos barcos têm sido lançados no Atlântico por iniciativa de escolas dos Estados Unidos, desde 2008, e servem para aprender mais sobre os oceanos e até geografia. Podem ser seguidos pela Internet, no site do Educational Passages. Equipado com um receptor GPS e um transmissor, o West não é excepção e os alunos da Escola Preparatória de Westbrook podiam saber por onde andava o seu barquinho.

Em Portugal, o percurso do West também estava a ser seguido por investigadores do Centro de Ambiente e Tecnologias Marinhas (Maretec) do Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa. Utilizando um modelo de computador para fazer previsões sobre o que acontece a um objecto à deriva no mar, ao sabor dos ventos e das correntes, os cientistas puderam prever o local e a hora da chegada do West à costa portuguesa.

Chegou a 12 de Novembro, ao fim de mais de 10.000 milhas de viagem (mais de 18.500 quilómetros). Pelos binóculos, os faroleiros do farol do Penedo da Saudade viram-no a aproximar-se da praia – e um dos faroleiros, acompanhado por elemento da Polícia Marítima, foi apanhá-lo no vaivém das ondas.

Para devolver ao mar este barco aventuroso, um pedido feito a quem encontrar uma das embarcações do Educational Passages, surgiu o projecto West leva Portugal ao Mundo, numa parceria que inclui, entre outros, o Maretec, o Instituto de Sistemas e Robótica do IST, a Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica e o projecto Kit do Mar, da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC). Além disso, a iniciativa foi enquadrada no projecto europeu Sea For Society, que visa sensibilizar a sociedade para uma cidadania do mar.

Na segunda-feira à noite, quando a Vera Cruz estiver a 100 milhas a Sudoeste de Lisboa, a equipa do projecto vai receber um telefonema da caravela, conta Raquel Costa, coordenadora do Kit do Mar. Os investigadores do Maretec, que estarão a simular a rota do West tendo em conta as correntes e os ventos, vão dizer qual é a melhor localização para que o barco siga uma rota até aos Estados Unidos. “Se atravessar o Atlântico, já é bom”, considera Luís Sebastião, investigador do Instituto de Sistemas e Robótica do IST envolvido no projecto.

Um ano, duas embarcações
Mas esta aventura teve um antecedente. Tudo começou quando o primeiro barquinho não tripulado, lançado pela primeira vez no mar em Maio de 2012, também no programa Educational Passages, atravessou o Atlântico à deriva e chegou a Portugal. Apadrinhado pela Escola Preparatória John Winthrop, em Deep River, uma cidade perto da foz do rio Connecticut, o “Charger” foi parar à praia da vila da Torreira, no concelho da Murtosa, em Janeiro de 2014. E logo nessa altura desencadeou uma onda de solidariedade, entre várias instituições, para que fosse devolvido ao mar.

Depois de ter sido encontrado por um casal de namorados na praia da vila da Torreira, ao fim de muitas peripécias pelo Atlântico, ou não tivesse ido parar a vários sítios e às mãos de muitas pessoas, que o devolveram ao mar, e enfrentado a fúria de dois furacões, o Charger ficou ao cuidado de investigadores do Maretec e do Instituto de Sistemas e Robótica do IST.

Repararam-lhe o casco, que também tinha um buraco, pintaram-no e puseram-lhe baterias e um receptor GPS novos. Os cientistas do Maretec lembraram-se ainda de que poderiam utilizá-lo nas suas investigações, para calibrar um modelo de computador de simulação integrada do sistema hídrico (o MoHid), que têm vindo a desenvolver há algumas décadas. Partindo da última posição conhecida do Charger no mar, quando o largassem – o que aconteceu a 30 de Maio de 2014, a meio caminho entre o cabo de São Vicente e Ponta Delgada, levado por investigadores da EMEPC –, os cientistas podiam simular a sua rota usando o modelo. E, depois, comparar essas simulações com a rota real do barco, para afinar ainda mais o modelo.

O Charger levava a bandeira de Portugal, um postal com fotografias do país, uma garrafa pequena de vinho do Porto e um galo de Barcelos. Os ventos e correntes levaram-no para sul, passando perto da Madeira, das Canárias e de Cabo Verde e atravessando o Atlântico quase até ao outro lado. Depois, voltou para trás, andou por ali às voltas, até que seguiu outra vez até ao continente americano e foi parar a Georgetown, a capital da Guiana, a 13 de Dezembro de 2014. Foi apanhado por pescadores. “Após semanas de investigações, os pescadores foram localizados e o barco recuperado”, informa-se no site Educational Passages. “A história continua…”

De facto, continuou e o Charger está agora em casa. “Foram buscá-lo numa aeronave e está na escola que o lançou no mar”, conta Raquel Costa. Mas a sua passagem por Portugal também despertou a ideia de criar um programa educativo. A oportunidade surgiu depressa, quando, alguns meses depois, o West vinha aí a caminho. “O sonho é que regresse perto do estado de Maine, mas parece-me quase impossível. Seria fabuloso chegar aos EUA, mas parece-me improvável. Seria fantástico atravessar o Atlântico e chegar a um qualquer país do outro lado, o que não é fácil. Mas o Charger conseguiu!”, lembra Luís Sebastião.

“Aos amigos americanos”, os alunos da Escola Básica Amadeu Gaudêncio apresentam a sua vila, numa das mensagens, em português e inglês, que seguem a bordo: “A Nazaré tem um grande promontório, com um forte muito antigo do século XVI. Tem o maior desfiladeiro [submarino] da Europa, conhecido pelo canhão da Nazaré, onde, segundo a lenda, se encontra um submarino alemão da II Guerra Mundial.” E, claro, falam das sete saias: “A Nazaré tem uma cultura muito ligada ao mar, principal fonte de sustento nos tempos mais antigos. O traje das mulheres nazarenas com as sete saias, que significam as sete cores do arco-íris, as sete marés e os sete dias da semana.”