Bóeres: dois anos de refúgio em Portugal

Entre 1901 e 1902, 350 refugiados bóeres viveram na vila das Caldas da Rainha, integrados e acarinhados pela população. As idas a Lisboa só eram permitidas mediante autorização, mas, no Verão, podiam ir à Foz do Arelho. A paz chegaria em 31 de Maio de 1902.

Fotogaleria
Do quotidiano dos bóeres nas Caldas da Rainha ficou a memória dos locais onde se alojaram e do convívio com a população local DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Chegaram às Caldas da Rainha num comboio de oito carruagens e vagões com carga, guardados por 25 homens da 16ª Companhia de Infantaria. Eram 350 refugiados bóeres, homens, mulheres e crianças, a fugir de uma guerra a 8600 quilómetros. A paz seria assinada no ano seguinte, em 31 de Maio de 1902.

 No dia da chegada, “as mulheres e crianças foram levadas em carros puxados por cavalos para os lugares onde deveriam ficar alojados, enquanto os homens seguiram [a pé] um homem de barba branca por não haver viaturas suficientes. Junto às bermas estavam os portugueses, algumas senhoras choravam e jogavam flores em sinal de simpatia. Em toda a parte se aclamava “Viva os bóeres!”. As manifestações dos portugueses para com os refugiados foram fantásticas. Na cidade um comité de senhoras deu as boas vindas”. Em Viva os Bóeres! o historiador sul-africano Ockert J. Ferreira conta a aventura que levou, entre 1901 e 1902, mais de três centenas de bóeres até à vila termal portuguesa, onde viveram integrados e acarinhados pela população.

Havia razões para serem recebidos como heróis. Em Peniche, Alcobaça e Abrantes, onde também foram alojados refugiados, repetiram-se igualmente estas manifestações de apoio. O Ultimatum Inglês ocorrera havia apenas uma década e o sentimento anti-britânico estava ainda muito vivo no país. Os portugueses tomavam claramente partido pelos colonos de ascendência holandesa que batalhavam no extremo sul do continente africano contra os ingleses.

Na revista humorística “A Paródia”, criada por Rafael Bordalo Pinheiro, o seu filho Manuel Gustavo Pinheiro publica uma caricatura que retrata até a rivalidade entre várias localidades de Portugal para receberem os refugiados boers. Também o ceramista Avelino Belo cria 14 medalhas de homenagem à causa bóer com a esfinge do Presidente Paul Kruger e as armas da República Sul-Africana, do Estado Livre do Orange e da própria cidade das Caldas. Durante 38 dias este artista trabalha ainda numa jarra, denominada Bilha Boer, que oferece ao Presidente Kruger e cuja réplica se pode hoje apreciar num museu em Pretória.

Viva os Boers! relata que os refugiados foram inicialmente alojados no Hospital Termal, mas com a época de banhos, em 15 de Maio, são transferidos para os Pavilhões do Parque, que à data eram também usados como quartel militar.

Alguns alugam quartos ou casas na vila, causando espanto os baixos preços das rendas. Duas vezes por dia todos são obrigados a apresentar-se perante as autoridades, mas durante o resto do tempo andam livremente. As idas a Lisboa só são permitidas mediante autorização, mas, no Verão, podem ir à Foz do Arelho. O livro refere que os bóeres vão em burro, por atalhos e areais, até poderem chegar à praia e nadar.

A rígida religião calvinista desincentiva quaisquer namoros entre os refugiados, pelo que quando dois deles pediram para namorar duas compatriotas suas, foram imediatamente transferidos para Peniche. Ainda assim há registo de quatro casamentos celebrados nas Caldas da Rainha, um dos quais entre Stefanus Pienaar e Maria Magdalena Pelser, cujo romance tinha começado na viagem para Portugal, no navio Zaire, quando Pienaar contraiu a febre da água preta e Maria Pelser foi sua enfermeira.

Nos dois anos que estiveram na cidade (1901 e 1902) nasceram 18 crianças. Uma delas é baptizada de Jan Harm Caldas da Rainha Wessels, em homenagem à cidade que acolheu os progenitores. Mas quatro não sobreviveram.

Na época, a mortalidade infantil era elevada. Não consta que houvesse falta de condições sanitárias. Pelo contrário, Ockert Ferreira refere que a estadia em Portugal terá salvado da morte alguns refugiados: “por sorte, o clima agradável e saudável das Caldas da Rainha e ainda os bons tratamentos que tiveram, permitiu recuperarem das doenças de malária contraídas em Moçambique” (onde se tinham refugiado, fugidos da África do Sul, antes do governo inglês ter pressionado Portugal para os enviar para a metrópole).

De Moçambique os bóeres tinham trazido um stock de farinha. Nas Caldas da Rainha e no Porto houve peditórios para os ajudar. Da Holanda e da França chegavam dinheiro e géneros, como sabão e roupas. E até a Organização de Bíblias Holandesas enviou 120 bíblias e 40 evangelhos oferecidos aos refugiados das Caldas da Rainha.

Sendo na sua maioria calvinistas, o culto religioso era importante. “Os internos nunca foram impedidos de praticar serviços religiosos”, apesar de proibidos de cantar para não incomodar os vizinhos. “Mas através da intervenção do Pastor Hugo, mais tarde deram as autoridades portuguesas autorização para poderem cantar em voz baixa”, escreve o autor.

Por sua vez, os bóeres achavam estranho que a Praça da Fruta funcionasse aos domingos, no Dia do Senhor e admiraram-se com a procissão a que assistiram na Páscoa de 1901. O diário de um jovem refugiado relata que “à frente seguia uma imagem do Senhor e da Virgem Maria e todos se ajoelharam, mas os nossos pais disseram-nos que não o fizéssemos”.

Os pastores não se opunham aos passeios no parque nem proibiam o críquete, tendo-se até formado duas equipas – os Kolonialers e os Transvelers. Mas a participação nas touradas era proibida. Porque se realizavam ao Domingo e porque “era chocante ver como os bois eram tão maltratados”. No entanto, alguns, sobretudo oficiais que também integravam o grupo, não acatavam a proibição. Ockert Ferreira relata que “um proeminente português, Victorino Fróis, fez mesmo uma tourada especial na sua propriedade, em São Martinho do Porto, para os oficiais bóeres. Depois, na sua mansão, ofereceu-lhes um jantar com orquestra e que acabou com fogo-de-artifício”.

Nas festas de Natal “as senhoras portuguesas das Caldas da Rainha organizaram uma festa para as crianças com três árvores de Natal oferecidas pelo Comité Holandês Sul-africano de Lisboa”. E apesar do rigor da religião calvinista, os jovens foram autorizados a ir à festa de Ano Novo dos portugueses, relatando ainda o livro que o Carnaval também causou “boa impressão”.

Imagens de “Viva os Bóeres!” mostram crianças refugiadas e portuguesas juntas. Ockert Ferreira refere que “a simpatia e a hospitalidade dos portugueses não tinham limites e especialmente as crianças aprenderam num curto espaço de tempo a falar a língua portuguesa” porque faziam amizade com as crianças locais e brincavam juntos.

Se houve data importante para todos, foi 31 de Maio de 1902. Nesse dia em que a guerra acabou ficou determinado que a República do Transval e o Estado Livre do Orange passavam para o domínio britânico. A notícia do tratado de paz de Vereeniging terá chegado no dia seguinte à vila. E o regresso começou. Os internos continuaram “à ordem dos ingleses”, que lhes deram a escolher entre regressar ao território que viria a ser a República da África do Sul, ou ficarem na Europa. Praticamente todos quiseram regressar.

“No dia 18 de Julho de 1902 partiram os internos das Caldas da Rainha para Lisboa. Apesar de a saída ter sido a meio da noite, apareceram centenas de portugueses, de todas as classes sociais, na estação para se despedirem. As lágrimas soltaram livremente dos olhos, tanto de uns como de outros, numa manifestação de amizade. Às 4h30 de 19 de Julho chegaram a Lisboa e embarcaram imediatamente a bordo do Bavarian”.

Nos 40 anos seguintes Caldas da Rainha acolheria mais duas vagas de estrangeiros: os detidos alemães durante a I Grande Guerra e os refugiados (na sua maioria judeus) da II Grande Guerra.

O facto de ter capacidade hoteleira, de possuir os Pavilhões do Parque e de ficar relativamente perto de Lisboa, foi determinante para que os governos da Monarquia, da I República e do Estado Novo decidissem enviar para a estância termal os estrangeiros que não queriam à solta por Lisboa e pelo resto do país. 

Viva os Boers! resultou da tese de doutoramento de Ockert Ferreira, o historiador sul-africano que se apaixonou por Portugal desde que, em 1970, visitou o país pela primeira vez para investigar acerca do seu antepassado Ignácio Ferreira (1695-1772), o qual nasceu em Lisboa e viajou para o extremo sul do continente africano. É devido a esse português que o apelido Ferreira é hoje comum entre sul-africanos.

Desde então, Ockert Ferreira visitou Portugal 19 vezes, em férias e para a investigação sobre a presença dos refugiados bóeres no início do século XX. O livro foi escrito no início dos anos de 1990 em africânder e um exemplar foi oferecido à Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha. Dado o desconhecimento da língua, a obra esteve durante alguns anos sem ser compreendida. Entre 2013 e 2014, Teresa e Victorino Mendonça que viveram na África do Sul e falam africânder, traduziram o livro para português, aceitando o desafio da bibliotecária Leonor Laranjeira.